A desambiguação de palavras homônimas em sentenças por aplicativos de Tradução Automática Português Brasileiro-Libras

Autores

  • Ygor Corrêa Centro Universitário Ritter do Reis
  • Rafael Peduzzi Gomes Centro Universitário Ritter dos Reis
  • Carina Rebello Cruz Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Aplicativos de tradução automática. Libras. Palavras homônimas.

Resumo

Este estudo analisa a Tradução Automática (TA) de palavras homônimas isoladas e inseridas em sentenças, realizada pelos aplicativos Hand Talk (HT) e ProDeaf Móvel (PDM), ambos tradutores automáticos do Português Brasileiro (PB) para Língua Brasileira de Sinais (Libras), uma vez que estudos anteriores têm apontado para a ausência de estratégias de desambiguação, uso de datilologia, regionalismos e erros de tradução. Esta é uma pesquisa qualitativa exploratória fundamentada em estudos sobre o léxico da Libras, Tradução Automática, Processamento de Línguas Naturais e Desambiguação, que tem por finalidade aprofundar achados iniciais, sob o mesmo viés teórico, com vista a gerar construtos teóricos sobre TA de PB-Libras. Assim, esta pesquisa analisou a TA de 38 palavras homônimas isoladas e contextualizadas em 38 pares de sentenças (dois significados em cada par de sentença). Os resultados revelaram que na TA de palavras isoladas os aplicativos geram a tradução de apenas um dos significados das palavras homônimas (HT: 89% e PDM: 63%). Nas sentenças, o percentual de acerto do significado das palavras, em ambos os aplicativos, é menor (HT: 82% e PDM: 60%) do que na TA por palavra isolada e ainda mais reduzido (HT: 13% e PDM: 11%) na desambiguação de palavras homônimas. Os achados desta pesquisa indicam a necessidade de aperfeiçoamento do sistema de Processamento de Línguas Naturais dos aplicativos quanto à desambiguação de palavras homônimas. Infere-se que uma TA mais adequada em nível de palavra isolada e de sentença pode oferecer aos usuários traduções mais análogas à Libras em níveis semântico e sintático, enquanto língua natural e oficial da comunidade surda no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ygor Corrêa, Centro Universitário Ritter do Reis

Doutor em Informática na Educação

Rafael Peduzzi Gomes, Centro Universitário Ritter dos Reis

Mestrando em Design

Carina Rebello Cruz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Linguística Aplicada

Referências

AMARAL, E.; FERREIRA, M; LEITE, R; SEVERINO, A. (2010). Língua Portuguesa. São Paulo: FTD.

BATTISON, R. (1978). Lexical borrowing in American Sign Language. Silver Spring, M.D: Linstok.

BERBER SARDINHA, A. P. (org.). (2005). A língua portuguesa no computador. Campinas/São Paulo: Mercado de Letras/FAPESP, 296 p.

BIDARRA, J. (2004). O léxico no processamento da Linguagem Natural. Cascavel: Edunioeste.

BIDARRA, J. (2015). First steps towards a bilingual parallel corpus geared to the treatment of lexical ambiguity on the interface Portuguese - Libras. Cad. Trad., Florianópolis, v. 35, nº 1, pp. 225-250, jan- jun.

BIDERMAN, M. T. C. (1978). Teoria linguística (linguística quantitativa e computacional). Rio de Janeiro/São Paulo: LTC, 356 p.

BRENTARI, D.; PADDEN, C. (2001). Native and foreign vocabulary in American Sign Language: a lexicon with multiple origins. In: BRENTARI, D. (ed). Foreign vocabulary in sign languages. Mahwah, New Jersey: Laurence Erlbaum Associates, pp. 87-119.

CABEZUDO, M. A. S. (2015). Investigação de métodos de desambiguação lexical de sentidos de verbos do português do Brasil. Dissertação de Mestrado em Ciências - Ciências de Computação e Matemática Computacional, ICMC, USP - São Carlos.

CASTELLS, M. (1999). A sociedade em rede. Volume 1. São Paulo: Paz e Terra.

CHOWDHURY, G. (2003). Natural language processing. Annual Review of Information Science and Technology, 37.

COLLING, J. P.; BOSCARIOLI, C. (2014). Avaliação de tecnologias de tradução Português-Libras visando o uso no ensino de crianças surdas. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, nº 2.

CORRÊA, Y.; GOMES, R. P.; RIBEIRO, V. G. (2017). Aplicativos de Tradução PortuguêsLibras na Educação Bilíngue: desafios frente à desambiguação. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 15, n° 2, pp. 1-10.

CORRÊA, Y.; VIEIRA, M. C.; SANTAROSA, L. M. C.; BIAZUS, M. C. V. (2014a). Tecnologia Assistiva: a inserção de aplicativos de tradução na promoção de uma melhor comunicação entre surdos e ouvintes. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, pp. 1-10.

CORRÊA, Y.; VIEIRA, M. C.; SANTAROSA, L. M. C.; BIAZUS, M. C. V. (2014b). Aplicativos de tradução para Libras e a busca pela validade social da Tecnologia Assistiva. In: XXV Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2014), Dourados. Sociedade Brasileira de Computação SBC, pp. 164-173.

DIAS-DA-SILVA, B. C. (1996). A face tecnológica dos estudos da linguagem: o processamento automático das línguas naturais. Araraquara, SP. Tese de Doutorado. Universidade Estadual Paulista, 272 p.

DI FELIPPO, A.; DIAS-DA-SILVA, B. C. (2009). O processamento automático de línguas naturais enquanto engenharia do conhecimento linguístico. Calidoscópio, v. 7, nº 3, pp. 183-191.

DORR, B. J.; JORDAN, P. W.; BENOIT, J. W. (2000). A survey of current research in machine translation. In: ZELKOWITZ, M. (Ed). Advances in Computers, London: Academic Press, pp. 1-68.

FARIA-NASCIMENTO, S. (2009). Representações lexicais da língua de sinais brasileira: uma proposta lexicográfica. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade de Brasília, Brasília.

FERREIRA-BRITO, L. (1995). Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

FENLON, J.; CORMIER, K; BRENTARI, D. (2018). The phonology of sign languages. In: HANNAHS, S. J.; BOSCH, A. (Eds.). The Routledge Handbook of Phonological Theory. London and New York: Routledge. pp. 453-475.

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS DE SÃO PAULO (FGV-SP). (2016). 27ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas. Disponível em: <http://eaesp.fgvsp.br/ensinoeconhecimento/centros/cia/pesquisa>. Acesso em: 17 fev. 2017.

GAUCHE, S. (2013). Aspectos linguísticos da tradução automática da língua portuguesa para a língua brasileira de sinais (Libras) - uma reflexão inicial. Monografia de Pós-Graduação Lato Sensu em Revisão de Textos. Centro Universitário de Brasília. Brasília.

GOIÁS (2011a). Secretaria da Educação. Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez. Apostila Libras I. Goiás, 51 p.

GOIÁS (2011b). Secretaria da Educação. Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez. Apostila Libras II. Goiás, 52 p.

GOIÁS (2011c). Secretaria da Educação. Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez. Apostila Libras III. Goiás, 63 p.

GOIÁS (2011d). Secretaria da Educação. Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez. Apostila Libras IV. Goiás, 84 p.

HOLMES, J. (1988). The name and nature of translation studies. Translation Studies Section, Department of General Literary Studies, University of Amsterdam.

HUTCHINS, J.; SOMERS, H. L. (1992). An introduction to machine translation. San Diego: Academic Press.

JAKOBSON, R. (1992). Linguística e Comunicação. Trad.: Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 1992.

KLIMA, E.; BELLUGI, U. (1979). The signs of language. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

LIRA, G. A.; SOUZA, T. A. F de. (2008). Dicionário da Língua Brasileira de Sinais. Versão 2.1 - web. Disponível em: http://www.acessibilidadebrasil.org.br/libras/. Acesso em: 14 jan. 2018.

MACSWEENEY, M.; CAPEK, C. M.; CAMPBELL, R.; WOLL, B. (2008). The signing brain: the neurobiology of sign language. Trends in Cognitive Sciences, v. 12, nº 1, pp. 432-440.

MELO, S. S. C. (2013). Tradução automática e competência tradutória: repensando interseções. Rónai: Revista de Estudos Clássicos e Tradutórios, v. 1., nº 1, pp. 60-72.

MIHALCEA, R. (2006). Knowledge-Based Methods for WSD. In: AGIRRE, E; EDMONDS, P. (Eds.). Word Sense Disambiguation: Algorithms and Applications, pp. 107-132. Springer.

QUADROS, R. M (2017). Língua de Herança. Porto Alegre: Penso.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. (2004). Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed.

QUADROS, R. M.; SZEREMETA, J. F.; COSTA, E.; FERRARO, M. L.; FURTADO, O.; SILVA, J. C. (2009). Exame PROLIBRAS. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

SAMPIERI, R H.; COLLADO, C.; LUCIO, M. P. B. (2013). Metodologia de Pesquisa. Porto Alegre: Penso.

SANDLER, W. (2005). An overview of sign language linguistics. In: BROWN, K. (Ed.). Encyclopedia of Language and linguistics, 2. ed. v. 11. Oxford, UK: Elsevier, pp. 328-338.

SANDLER, W. (2008). The syllable in sign language: Considering the other natural modality. In: DAVIS, B.; ZAJDO, K. (Eds.). The syllable in speech production. New York: Taylor Francis, pp. 379-408.

SANDLER, W. (2012). The Phonological Organization of Sign Languages. Language and Linguistics Compass, v. 6, nº. 3, pp.162-182.

SANTOS, C. J. G. (2010) Oficina de Pesquisa: tipos de pesquisa. Disponível em: http://www.oficinadapesquisa.com.br/apostilas/projeto_rh/_of.tipos_pesquisa.pdf. Acesso em: 15/01/2018.

SEGALA, R. R.; QUADROS, R. M. (2015). Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em Português para a Libras oral. Cad. Trad., Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 354-386.

SILVA, V. S. S. (2016). Desambiguação automática de substantivos em corpus do português brasileiro. Dissertação de Mestrado - USP, São Paulo. 125 f.

SPECIA, L. (2007). Uma abordagem híbrida relacional para a desambiguação lexical de sentido na tradução automática. Tese de Doutorado em Ciências - Ciências de Computação e Matemática Computacional, ICMC, USP - São Carlos.

STOKOE, W (1960). Sign language structure. Silver Spring: Linstok Press, 1978.

VIEIRA, M. C.; CORRÊA, Y.; CHEIRAN, J. F. P.; SANTAROSA, L. M. C.; BIASUZ, M. C. V. (2014a). Contribuições da Teoria da Aprendizagem Multimídia e da Usabilidade para aprendizagem de Libras e Língua Portuguesa por meio de aplicativos móveis. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, pp. 1-10.

VIEIRA, M. C.; CORRÊA, Y.; SANTAROSA, L. M. C.; BIAZUS, M. C. V. (2014b). Além da interação: tradutores automáticos para língua de sinais e a constituição do sujeito surdo. In: International Society for Augmentative and Alternative Communication ISAAC, Lisboa, Portugal.

VIEIRA, M. C.; CORRÊA, Y.; SANTAROSA, L. M. C.; BIAZUS, M. C. V. (2014c). Análise de expressões não-manuais em avatares tradutores de Língua Portuguesa para Libras. In: XIX Conferência Internacional sobre Informática na Educação - TISE, Fortaleza. Nuevas Ideas en Informática Educativa. v. 10. pp. 172-183.

WINOGRAD, T. (1972). Understanding natural language. NY: Academic Press, 654 p.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

CORRÊA, Y.; GOMES, R. P.; CRUZ, C. R. A desambiguação de palavras homônimas em sentenças por aplicativos de Tradução Automática Português Brasileiro-Libras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 319–351, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651735. Acesso em: 2 dez. 2022.