Tradução: espelho da mudança? Mafalda responde

Autores

  • Marcos Bagno Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Mudança linguística. Explicitação de sujeito. Oralidade fingida.

Resumo

Diversas mudanças linguísticas ocorridas no português brasileiro têm provocado um distanciamento cada vez maior entre essa língua e o português europeu. Uma dessas mudanças é a crescente obrigatoriedade, no português brasileiro, de explicitação do sujeito, devida à simplificação da morfologia verbal decorrente da expansão dos usos de você(s) e a gente. Com isso, o português brasileiro se afasta das línguas que favorecem a elisão do sujeito, como o espanhol, o italiano e o português europeu, e se aproxima de línguas em que a explicitação do sujeito é obrigatória, como o francês. Faz-se aqui uma comparação entre a gramática do português brasileiro e a gramática do português europeu usando como corpus traduções das tiras da personagem Mafalda, de Quino, feitas no Brasil e em Portugal. Por ser um gênero textual em que se procura uma aproximação à realidade da língua falada, espera-se que essas traduções reflitam os usos normais das interações orais em cada uma das culturas linguísticas em que foram produzidas, ainda que se trate de uma oralidade fingida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Bagno, Universidade de Brasília

Doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília.

Referências

AUSTIN, John (1962). How to do things with words. Oxford: Oxford University Press.

AZEREDO, José Carlos (2008). Gramática Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Publifolha.

CASTILHO, Ataliba T. (2010). Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

CASTRO, Ivo (2011). Introdução à história do português. Lisboa: Colibri.

DUARTE, Maria Eugênia L. (2003). A evolução na representação do sujeito pronominal em dois tempos. In PAIVA, M. C.; DUARTE, M. E. L. (orgs.), Mudança linguística em tempo real. Rio de Janeiro: Faperj/Contra Capa.

DUARTE, Maria Eugênia L. (org.) (2012). O sujeito em peças de teatro (1833-1992). Estudos diacrônicos. São Paulo: Parábola.

DUARTE, Maria Eugênia; RAMOS, Jânia (2015). Variação nas funções acusativa, dativa e reflexiva. In MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (orgs.), Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

RAPOSO, Eduardo B. P. (2013). Pronomes. In In RAPOSO, E.; NASCIMENTO, M. F. B.; MOTA, M. A. C.; SEGURA, L.; MENDES, A. (orgs.), Gramática do português, vol. I. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

SCHERRE, Maria Marta P. (2007). Aspectos sincrônicos e diacrônicos do imperativo gramatical no português brasileiro. Alfa, 51 (1), pp. 189-222.

SCHERRE, Maria Marta P. et al. (2015). Variação dos pronomes “tu” e “você”. In MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (orgs.), Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

SEGURA, Luisa (2013). Variedades dialetais do português europeu. In RAPOSO, E.; NASCIMENTO, M. F. B.; MOTA, M. A. C.; SEGURA, L.; MENDES, A. (orgs.), Gramática do português, vol. I. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

SILVA, Bárbaro Zocal (2015). As tiras de Mafalda no Brasil: tradutores e traduções. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Latino-americanas. Universidade de São Paulo. Disponível em https://usp-br.academia.edu/BarbaraZocal, acesso em 12/2/2018.

SINNER, C. (2011): Relaciones sociales en la traducción de la oralidad fingida: formas y fórmulas de tratamiento como dificultad y problema en la traducción, in S. Roiss; C. F. Gil; M. A. R. Ariza; B. S. López; P. Z. González (eds.), El nas vertientes de la traducción e interpretación del/al alemán. Berlin: Frank & Timme, pp. 223–243.

TARALLO, Fernando (1983). Relativization strategies in Brazilian Portuguese. Ph.D. Dissertation. Philadelphia: University of Pennsylvania.

TARALLO, Fernando (1993). Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d’aquém e d’além-mar ao final do século XIX. In ROBERTS, I.; KATO, M. (orgs), Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas: Pontes/Unicamp.

TORRINHA, F. (1984): Dicionário latino-português. Porto: Porto Editora.

VENÂNCIO, Fernando (2012). Você está aqui. LER, outubro 2012.

VIANNA, Juliana S.; LOPES, Célia R. S. (2015). Variação dos pronomes “nós” e “a gente”. In MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (orgs.), Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

BAGNO, M. Tradução: espelho da mudança? Mafalda responde. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 21–48, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651780. Acesso em: 2 dez. 2022.