Ensino de Tradução: Culturas Pedagógicas

Autores

  • Marileide Dias Esqueda Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Ensino de tradução. Culturas Pedagógicas nos Estudos da Tradução. Professor de Tradução.

Resumo

Este trabalho busca mostrar os resultados de uma investigação realizada com professores de prática de tradução. Utilizando uma metodologia qualitativo-exploratória e de caráter descritivo, a pesquisa, dividida em duas fases, envolveu 12 cursos de graduação em Tradução. Iniciada em 2012, e utilizando questionários não estruturados, a proposta identificou o perfil acadêmico de professores de prática de tradução e suas rotinas pedagógicas. Em 2017, como forma de dar continuidade à investigação, e levando em consideração que os professores modificam ou estabilizam suas práticas com o passar dos anos (TARDIF, 2002; CHARLOT, 2009), a segunda fase deste estudo adotou uma proposta de investigação qualitativo-longitudinal (FLORES, 2003), com o objetivo de identificar, junto ao mesmo grupo de respondentes, as modificações que eles possam ter incorporado em suas salas de aula após cinco anos. Com base nos dados coletados, confirma-se a hipótese de que os estudos que buscam abdicar da abordagem centrada no professor, ou que são contra a pedagogia subjetiva e intuitiva de ensino (ARROJO, 1993; DARIN, 2001; COLINA, 2003 [2015]; KELLY, 2005; ECHEVERRI, 2008, 2015; KIRALY, 2016) não têm sido totalmente incorporados na sala de aula de formação de tradutores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marileide Dias Esqueda, Universidade Federal de Uberlândia

Professora doutora do Curso de Bacharelado em Tradução e do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Referências

ALVES, F. (1997). A formação de tradutores a partir de uma abordagem cognitiva: reflexões de um projeto de ensino. TradTerm, v. 4, nº 2, pp. 19-40.

ALVES, F. (2003). Tradução, cognição e contextualização: triangulando a interface processo-produto no desempenho de tradutores novatos. DELTA. Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 19, pp. 71-108.

ARROJO, R. (1993). Tradução, desconstrução e psicanálise. Rio de Janeiro: Imago Editora.

ARROJO, R. (1998). The revision of the traditional gap between theory & practice and the empowerment of translation in postmodern times. The Translator – Studies in Intercultural Communication, v. 4, nº 1, pp. 25-49.

ASSUNÇÃO, M. M. (1996). Magistério primário e cotidiano escolar. Campinas: Autores Associados.

BOWKER, L. (2015). Computer-aided translation: translator training. In: SIN-WAI, C. (org.). The Routledge encyclopedia of translation technology. Londres e Nova York: Routledge, 2015. pp.88-104.

BOWKER, L. (2005). Productivity vs quality: a pilot study on the impact of translation memory systems. Localisation Focus, v. 4, nº 1, pp. 13-20.

CARVALHO, M. P. (1999). No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: Xamã.

COLINA, S. (2003). Teaching translation: from research to the classroom. Boston: McGraw Hill, 2003.

COLINA, S. (2015). Ensino de tradução: da pesquisa à sala de aula. Diretrizes para professores, trad. Marileide Dias Esqueda, Paula Godoi Arbex, Sandra Aparecida Faria de Almeida, Silvana Maria de Jesus e Stéfano Paschoal. Uberlândia: EDUFU, 2015.

CHARLOT, B. (1997). Nouveaux publics, nouveaux rapports au savoir: nouvelles fonctions de l’université? Actes du colloque de l’Association des conseillers d’orientation psychologues de France. Le défi de la réussite. Paris: Sorbonne, pp. 41-50.

CHARLOT, B. (1999). Rapport au savoir en milieu populaire: une recherche dans les lycées professionnels de banlieue. Paris: Anthropos.

CHARLOT, B. (2000) Da relação com o saber: elementos para uma teoria, trad. Bruno Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.

CHARLOT, B. (org.). (2001). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto Alegre: Artes Médicas.

CHARLOT, B. (org.). (2005). Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed.

CHARLOT, B. (2009). A relação com o saber nos meios populares: uma investigação nos liceus profissionais de subúrbio. trad. Cataria Matos. Porto: Livpsic.

DARIN, L. C. M. (2001). Exame crítico do ensino da tradução em nível universitário. Contexturas, nº 5, pp. 59-78.

DELISLE, J. (1993). La traduction raisonnée: manuel d’initiation à la traduction professionnelle de l’anglais vers le français. Ottawa: Ottawa University Press.

ECHEVERRI, Á. (2015). El alumno de traducción centro de la formación: conócete a tí mismo y... Belas Infiéis, v. 4, nº 2, pp. 9-35.

ECHEVERRI, Á. (2008). Énième plaidoyer pour l’innovation dans les cours pratiques de traduction. Préalables à l’innovation? TTR. Montréal. 21 (1), pp. 65-98.

ESQUEDA, M. D.; DE OLIVEIRA, K. I. (2013) Crenças e concepções do tradutor em formação. Tradução em Revista, v. 14, nº 1, pp. 138-166.

FEIMAN-NEMSER, S. (2001) From preparation to practice: Designing a continuum to strengthen and sustain teaching. Teachers College Record, 103 (6), pp. 1013-1055.

FLORES, M. A. (2003). Investigar (com) os professores: reflexões sobre uma pesquisa longitudinal. Perspectiva, Florianópolis, v. 21, nº 2, pp. 391-412.

GIORGI, C. A. G. et al. (2010). Necessidades formativas de professores de redes municipais: contribuição para a formação de professores crítico/reflexivos. 1ª Ed. São Paulo: Cultura Acadêmica/Editora UNESP.

GONÇALVES, J. L.V. R. (2015). Repensando o desenvolvimento da competência tradutória e suas implicações para a formação do tradutor. Revista Graphos, vol. 17, pp. 114-130.

GONÇALVES, J. L. V. R.; MACHADO, I. (2006). Um panorama do ensino de tradução e a busca da competência do tradutor. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, nº 17, pp. 45-69.

GUERINI, A.; TORRES, M-H.; COSTA, W. C. (org.). (2013). Os Estudos da Tradução no Brasil nos séculos XX e XXI. Tubarão: Copiart.

HUBERMAN, M. (1995). O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A (org.). Vidas de professores. 2 ª Ed. Porto: LDA, pp. 31-59.

HURTADO ALBIR, A. (1999). Enseñar a traducir: metodología en la formación de traductores e intérpretes. Madrid: Edelsa.

KELLY, D. (1995) A handbook for translator trainers: a guide to reflective practice. Manchester, UK: St. Jerome.

KIRALY, D. (2016). De pressupostos sobre o conhecimento e a aprendizagem à práxis na formação do tradutor, trad. Patrícia Rodrigues Costa. Belas Infiéis, v. 5, nº 1, pp. 227-249.

KIRALY, D. (2000). A social constructivist approach to translator education: empowerment from theory to practice. Manchester: St. Jerome.

KIRALY, D. (1995). Pathways to translation: Pedagogy and process. Kent, Ohio: Kent State University Press.

LADMIRAL, J-R. (1979) Traduire: Théorèmes pour la traduction. Paris: Petite Bibliothèque Payot.

LORTIE, D. C. (1975). Schoolteacher: A sociological study. Chicago: University of Chicago Press.

NORD, C. (1991). Text analysis in translation: theory, methodology, and didactic application of a model for translation-oriented text analysis. Amsterdã: Rodopi.

PAGANO, A.; VASCONCELLOS, M. L. (2006) Apresentação. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 1, nº 17, pp. 9-17.

PAGANO, A.; VASCONCELLOS, M. L. (2003). Estudos da tradução no Brasil: reflexões sobre teses e dissertações elaboradas por pesquisadores brasileiros nas décadas de 1980 e 1990. Delta, v. 19, pp. 1-25.

PIMENTA, S. G. (2016). Saberes Pedagógicos e atividade docente. 8ª Ed. São Paulo: Cortez Editora.

PIMENTA, S. G. (1996). Formação de professores: saberes da docência e identidade do professor. Revista da Faculdade de Educação, v. 22, nº 2, pp. 72-89.

PYM, A. (2003). Redefining translation competence in an electronic age in defense of a minimalist approach. Meta: Translators’ Journal, Montreal, v. 48, nº 4, pp. 481-49.

ROBINSON, D. (1997). Becoming a translator: an accelerated course. 1ª Ed. Nova York: Routledge, 1997.

ROBINSON, D. (2002). Construindo o tradutor, trad. Jussara Simões. Bauru: EDUSC.

RODRIGUES, C. C. (2013). Os Estudos da Tradução no Brasil nos programas brasileiros de pós-graduação. In: GUERINI, A.; TORRES, M-H.; COSTA, W. C. (org.). Os Estudos da Tradução no Brasil nos séculos XX e XXI. Tubarão: Copiart.

SIN-WAI, C. (org.). (2015). The Routledge encyclopedia of translation technology. Londres e Nova York: Routledge.

TANURI, L. M. (2000). História da Formação de professores. Revista Brasileira de Educação: 500 anos de educação escolar, nº 14, pp. 61-88.

TARDIF, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. 3ª Ed. Petrópolis: Vozes.

TIRKKONEN-CONDIT, S. (1989). Professional versus non-professional translation: a think-aloud protocol study. In: SÉGUINOT, C. (ed.). The translation process. Toronto: HG Publications, 1989.

TIRKKONEN-CONDIT, S. (ed.). Empirical research in translation and intercultural studies. Tü bingen: Gü nther Narr, 1991.

VENUTI, L. (ed.). (2017). Translation Teaching: programs, courses, pedagogies. New York, NY: Routledge.

VYGOTSKY, L. S. (1998). A formação social da mente, trad. José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche. São Paulo: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

ESQUEDA, M. D. Ensino de Tradução: Culturas Pedagógicas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 1244–1273, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651880. Acesso em: 7 dez. 2022.