Banner Portal
Discurso de ódio e dignidade humana: uma análise da repercussão do resultado da eleição presidencial de 2014
PDF

Palavras-chave

Eleição presidencial de 2014. Discurso de ódio. Dignidade humana.

Como Citar

SOUZA, Mariana Jantsch de. Discurso de ódio e dignidade humana: uma análise da repercussão do resultado da eleição presidencial de 2014. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 922–953, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651928. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Neste texto, buscamos compreender a discursivização do resultado eleitoral de 2014. Para tanto, nos detemos na análise de discursividades que nascem atreladas à ideia de democracia por repercutirem o evento que marca o ápice da vida democrática e, também, porque põem em questão o papel de cada sujeito no funcionamento desse sistema. Nosso foco são práticas discursivas que põem em movimento discriminações e intolerâncias ao outro em função de um resulto eleitoral indesejado por uma parcela da população. Trata-se de um discurso que revela visões hierarquizadas e hierarquizantes da sociedade brasileira. Com essa leitura ancorada na teoria de Michel Pêcheux, observamos o discurso de ódio que emerge em meio a um processo de rejeição e de destituição da Presidenta eleita, processo esse que produz efeitos em cascata. São, pois, discursividades que tomam como alvo de ódio parte da população (os nordestinos), a Presidenta e, por fim, a democracia. Com seus desdobramentos e seu funcionamento, essas práticas discursivas atingem a dignidade de parte dos brasileiros.

PDF

Referências

BRASIL. Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em: 23 out. 2016.

BRASIL. Constituição, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 23 mar. 2014.

BOBBIO, N. (2014). Qual democracia? São Paulo: Edições Loyola, 2014.

BRUGGER, W. (2007). Proibição ou Proteção do Discurso do Ódio? Algumas Observações sobre o Direito Alemão e o Americano. Revista de Direito Público, Brasilia, v. 15, n. 117, jan-mar. 2007.

ERNST-PEREIRA, A. (2015). A falta, o excesso e o estranhamento na constituição/interpretação do corpus discursivo. 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/4SEAD/SIMPOSIOS/AracyErnstPereira.pdf. Acesso em: 03 mar. 2015.

FONTES, P. (2008). Um nordeste em São Paulo: trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-66). São Paulo: FGV Editora.

INDURSKY, F. (2011). A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; FERREIRA, M. C. L. (orgs.). Memória na/da análise do discurso. Campinas: Mercado de Letras.

MALDIDIER, D. (2003). A inquietação do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). Análise de Discurso – Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). (2011). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). (2003). Vão surgindo sentidos. In: ORLANDI, E. (Org.). Discurso Fundador – A formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes.

PECHEUX, Michel (2010). Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Org.). Por uma análise automática do discurso- uma introdução à obra de Pêchuex. Campinas: Editora da Unicamp.

PECHEUX, Michel (2009). Semântica e Discurso. Campinas: Editora da Unicamp.

RANCIERE, J. (2014). O ódio a democracia. São Paulo: Boitempo.

SARMENTO, D. (2006). A liberdade de expressão e o problema do hate speech. Rio de Janeiro.

SARMENTO, D. (2016). Dignidade da pessoa humana – conteúdo, trajetória e metodologia. Belo Horizonte: Fórum.

TOURAINE, A. (1996). O que é a democracia? Petrópolis: Vozes.

TOURAINE, A. (1998). Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. Petrópolis: Vozes.

ZIZEK, S. (2014). Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.