Discurso de ódio e dignidade humana: uma análise da repercussão do resultado da eleição presidencial de 2014

Autores

Palavras-chave:

Eleição presidencial de 2014. Discurso de ódio. Dignidade humana.

Resumo

Neste texto, buscamos compreender a discursivização do resultado eleitoral de 2014. Para tanto, nos detemos na análise de discursividades que nascem atreladas à ideia de democracia por repercutirem o evento que marca o ápice da vida democrática e, também, porque põem em questão o papel de cada sujeito no funcionamento desse sistema. Nosso foco são práticas discursivas que põem em movimento discriminações e intolerâncias ao outro em função de um resulto eleitoral indesejado por uma parcela da população. Trata-se de um discurso que revela visões hierarquizadas e hierarquizantes da sociedade brasileira. Com essa leitura ancorada na teoria de Michel Pêcheux, observamos o discurso de ódio que emerge em meio a um processo de rejeição e de destituição da Presidenta eleita, processo esse que produz efeitos em cascata. São, pois, discursividades que tomam como alvo de ódio parte da população (os nordestinos), a Presidenta e, por fim, a democracia. Com seus desdobramentos e seu funcionamento, essas práticas discursivas atingem a dignidade de parte dos brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Jantsch de Souza, Universidade Católica de Pelotas

Doutora em Letras pela Universidade Católica de Pelotas. Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul - Campus Gravataí). Pesquisadora membro do Laboratório de Estudos em Análise de Discurso (LEAD-UFPel).

Referências

BRASIL. Código Civil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em: 23 out. 2016.

BRASIL. Constituição, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 23 mar. 2014.

BOBBIO, N. (2014). Qual democracia? São Paulo: Edições Loyola, 2014.

BRUGGER, W. (2007). Proibição ou Proteção do Discurso do Ódio? Algumas Observações sobre o Direito Alemão e o Americano. Revista de Direito Público, Brasilia, v. 15, n. 117, jan-mar. 2007.

ERNST-PEREIRA, A. (2015). A falta, o excesso e o estranhamento na constituição/interpretação do corpus discursivo. 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/4SEAD/SIMPOSIOS/AracyErnstPereira.pdf. Acesso em: 03 mar. 2015.

FONTES, P. (2008). Um nordeste em São Paulo: trabalhadores migrantes em São Miguel Paulista (1945-66). São Paulo: FGV Editora.

INDURSKY, F. (2011). A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; FERREIRA, M. C. L. (orgs.). Memória na/da análise do discurso. Campinas: Mercado de Letras.

MALDIDIER, D. (2003). A inquietação do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). Análise de Discurso – Princípios e Procedimentos. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). (2011). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. Campinas: Pontes.

ORLANDI, E. P. (2013). (2003). Vão surgindo sentidos. In: ORLANDI, E. (Org.). Discurso Fundador – A formação do país e a construção da identidade nacional. Campinas: Pontes.

PECHEUX, Michel (2010). Análise automática do discurso (AAD-69). In: GADET, Françoise; HAK, Tony (Org.). Por uma análise automática do discurso- uma introdução à obra de Pêchuex. Campinas: Editora da Unicamp.

PECHEUX, Michel (2009). Semântica e Discurso. Campinas: Editora da Unicamp.

RANCIERE, J. (2014). O ódio a democracia. São Paulo: Boitempo.

SARMENTO, D. (2006). A liberdade de expressão e o problema do hate speech. Rio de Janeiro.

SARMENTO, D. (2016). Dignidade da pessoa humana – conteúdo, trajetória e metodologia. Belo Horizonte: Fórum.

TOURAINE, A. (1996). O que é a democracia? Petrópolis: Vozes.

TOURAINE, A. (1998). Poderemos viver juntos? Iguais e diferentes. Petrópolis: Vozes.

ZIZEK, S. (2014). Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

SOUZA, M. J. de. Discurso de ódio e dignidade humana: uma análise da repercussão do resultado da eleição presidencial de 2014. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 922–953, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651928. Acesso em: 7 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains