Horizontes da tradução na América Latina

Autores

  • Dennys Silva-Reis Universidade de Brasília
  • Liliam Ramos da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Tradução. América Latina.

Resumo

A palavra horizonte em língua portuguesa pode ser compreendida, dentre tantos outros sentidos, como ponto de vista, domínio circunscrito de uma área, limiar de alguma coisa ou dimensão futura de algo. Logo, as acepções de horizonte para cada indivíduo ou coletivo serão múltiplas, o que possibilita o uso de horizontes no plural. Discursar sobre os horizontes da tradução é considerar a diversidade de campos, enfoques, abordagens e sujeitos envolvidos no ato da tradução enquanto produto e processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dennys Silva-Reis, Universidade de Brasília

Programa de Pós-Graduação em Literatura – POSLIT

Liliam Ramos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora Doutora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

AGUIRRE ROJAS, C.A. (2001). América Latina: Historia y presente. Morelia: Editorial Jitanjáfora.

ARDAO, A. (1995). La idea de la Magna Colombia en Miranda y Hostos. In: ZEA, Leopoldo (Comp.). Fuentes de la cultura latinoamericana. Tomo I. México: Fondo de Cultura Económica.

BALLESTRIN, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política. n.11, p.89-117.

BASTIN, G.; ECHEVERRI, A.; CAMPO, A. (2004). La traducción en América Latina: Propria y Apropriada. Estudios de Investigaciones Literarias y Culturales. Venezuela, nº 24, p. 69-94.

BERMAN, A. (1995). Pour une critique des traductions: John Donne. Paris: Gallimard.

BETHELL, Leslie. (2009). O Brasil e a ideia de “América Latina” em perspectiva histórica. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 22, n. 44, p. 289-321.

BEYHAUT, G. (1994). Dimensão cultural da integração na América Latina. IEAUSP, Revista de Estudos Avançados, n. 8, p. 183-198.

DIAS, W. S. (2009). A ideia de América Latina nos livros didáticos de geografia. Dissertação de mestrado em Geografia Humana. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. São Paulo: Universidade de São Paulo.

EVEN-ZOHAR, I. (1990 [1978]). The Position of Translated Literature within the Literary Polysystem. Polysystem Studies [= Poetics Today 11:1], pp. 45-51.

FARRET, R. L.; PINTO, S. R. (2011). América latina: da construção do nome à consolidação da ideia. Topoi, v. 12, n. 23, p. 30-42.

GARCÍA CANCLINI, N. (2013). Los nombres de América. Documentário. Explora Ciencias Sociales. Buenos Aires: Canal Encuentro. Ministerio de Educación de la República Argentina. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=o0RRWJIHUcg. Acessado em 08.mar.2018.

HALLEWELL, L. (2012). O livro no Brasil: sua história. Tradução de Maria da Penha Villalobos, Lólio Lourenço de Oliveira e Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Editora da USP.

INFANTE, G. C. (1967). Tres tristes tigres. Venezuela: Biblioteca Ayacucho.

JASS, H.R. (2004). Pour une herméneutique littéraire. Paris: Gallimard.

JASS, H.R. (2005). Pour une esthétique de la réception. Paris: Gallimard.

KARAM, S.B. (2016). A tradução de literatura hispano-americana no Brasil: um capítulo da história da literatura brasileira. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Letras/Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MARTÍ, J. (1983). Nossa América – Antologia. Tradução de Maria Angélica de Almeida Trajber. São Paulo: Hucitec, p. 194-201.

QUINO. (1991). Toda Mafalda. Argentina: Ediciones de la Flor.

RICOEUR, P. (1991). Do texto à acção – ensaios de hermenêutica II. Tradução de Alcino Cartaxo e Maria José Sarabando. Portugal: Rés Editora.

RICOEUR, P. (2010). Tempo e Narrativa 3: O tempo narrado. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes.

RODÓ, J. H. (1956). Obras Completas. Compilación y Prólogo por Alberto J. Vaccaro. Buenos Aires: Ed. Antonio Zamora.

SARLO, B. (2007). La máquina cultural. Buenos Aires: Seix Barral.

SARLO, B. (2010). Modernidade Periférica. Buenos Aires 1920 e 1930. Tradução de Júlio Pimentel Pinto. São Paulo: Cosac Naify.

SARLO, B. (2013). Crítica Beatriz Sarlo fala sobre Modernidade Periférica [02 de outubro de 2010). Rio de Janeiro: O Globo. Entrevista a Guilherme Freitas. Disponível em http://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/critica-beatriz-sarlo-fala-sobre-modernidade-periferica-329148.html Acessado em 08.mar.2018.

SCHARLAU, B. (2001). Repensar la Colonia, las relaciones culturales y la traducción. lberoamericana III/12: p. 97 -110.

SCHARLAU, B. (2004). Traducir América latina: genealogia de un tópico de investigación. Estudios de Investigaciones Literarias y Culturales. Venezuela, nº 24, p. 15-33.

SOUZA, A. (2011). América latina, conceito e identidade: algumas reflexões da história. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais. UNIFAP. Macapá. nº 4, p. 29-39.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

SILVA-REIS, D.; SILVA, L. R. da. Horizontes da tradução na América Latina. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 3–20, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651959. Acesso em: 28 nov. 2022.