Avaliação de redações de vestibular: da teoria à prática

Autores

Palavras-chave:

dissertações de vestibular. Avaliação de escrita. Ethos discursivo.

Resumo

Este trabalho apresenta uma reflexão a respeito da avaliação de testes de escrita. Embora esta pesquisa, de modo mais amplo, esteja situada na interface entre estudos do texto e do discurso e pesquisas na área de avaliação, o foco é, neste momento, na análise textual e discursiva que subjaz à prática avaliativa de textos produzidos em condições de vestibular. Analiso o conceito lacuna, que na grade de correção utilizada atualmente pela Fundação para o Vestibular da Unesp (Vunesp) operacionaliza a avaliação da qualidade dos argumentos apresentados nas redações, mobilizando especialmente o conceito de ethos discursivo (Maingueneau, 2005, 2010). O corpus selecionado é composto por redações produzidas em um vestibular de alta demanda. Com isso, quero demonstrar como o conceito de lacuna funciona e como ele é um exemplo de parâmetro de avaliação que atende aos critérios de aplicabilidade e robustez teórica, uma demanda que defino como central para a elaboração de critérios de avaliação de testes de escrita como redações de vestibular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACHARD, P. (1983) Memória e produção discursiva do sentido. In: ACHARD, P. et al. (org). Papel da Memória. Tradução e Introdução de José Horta Nunes. Campinas: Pontes, 1999, pp. 11-22.

AMOSSY, R. (2014) Apologia da polêmica. Tradução coordenada por Mônica Magalhães Cavalcanti. São Paulo: Contexto, 2017.

BRITO, L. A. N. (2011). Discurso, leitura e produção textual: uma análise discursiva da escrita de pré-universitários. Tese de Doutorado em Linguística. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

DE LEMOS, C. T. G. (1977). Redações no vestibular: algumas estratégias. Cadernos de Pesquisa, n. 23, pp. 61-71.

DUCROT, O. Argumentação e ‘topoi’ argumentativos. Tradução de Eduardo Guimarães. In: GUIMARÃES, E. (Org.). História e Sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989, pp. 13-38.

ESVAEL, E. V. S. (2011). Estratégias argumentativas na construção de pontos de vista em redações de vestibular. In: Anais do VII Congresso Internacional da Abralin. Curitiba, pp. 1241-1254.

FIAD, R. S. (2000). A argumentação em cartas produzidas por alunos do Ensino Médio: relação entre gênero do discurso e estilo. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 36, pp.131-145.

FIORIN, J. L. Argumentação. São Paulo: Contexto, 2015.

FOSSEY, M. F. (org). O processo de avaliação de redações na Fundação VUNESP. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2017.

HUOT, B. (1996). Toward a new theory of writing assessment. College Composition and Comunication, v. 47, n. 4, pp. 549-566.

KELLY-RILEY, D; WHITHAUS, C. (editores). The Journal of Writing Assessment: “Special Issue on a Theory of Ethics for Writing Assessment”, v.9 (1), 2016.

MACIEL, L. V. C. (2010). Vestibular da Unicamp: uma proposta dialógica de redação. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 10, pp.159-177.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. Tradução de Sírio Possenti. In: AMOSSY, R. (org.) Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Editora Contexto, 2005, pp. 69-92.

MAINGUENEAU, D. Ethos e a apresentação de si nos sites de relacionamento. Tradução de Luciana Salgado. In: SOUZA-E-SILVA, M. C. P.; POSSENTI, S. (orgs). Doze conceitos em Análise do Discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2010, pp. 79-98.

MOSS, P. (1994). Can there be validity without reliability? Educational Researcher, n. 23, v. 2, pp. 5-12.

OSAKABE, H. (1977). Redações no vestibular: provas de argumentação. Cadernos de Pesquisa, n. 23, pp. 51-59.

PÉCORA, A. Problemas de redação. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

PIETRI, E. (2007). A constituição da escrita escolar em objeto de análise dos estudos linguísticos. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 46, pp. 283-297.

PILAR, J. A redação como gênero. In: MEURER, J. L.; MOTTAROTH, D. (orgs.). Gêneros textuais e práticas discursivas. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001, pp. 159-174.

SCARAMUCCI, M. V. R. Prova de redação nos vestibulares: educacionalmente benéfica para o ensino/aprendizagem da escrita? In: Flores, V. do N. (org.). A redação no contexto do Vestibular 2005 – a avaliação em perspectiva. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2005, pp. 37-57.

SILVA, E. M. & LINO DE ARAÚJO, D. (2009). Redação no vestibular: efeito retroativo da noção de gêneros textuais. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, pp.133-152.

TOFFOLI, S. F. L. (2015). Avaliações em larga escala com itens de respostas construídas no contexto do Modelo Multifacetas de Rasch. Tese de Doutorado em Engenharia de Produção. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

TFOUNI, L. V. A dispersão e a deriva na constituição da autoria e suas implicações para uma teoria do letramento. In: SIGNORINI, I. (org). Investigando a relação oral/escrito. Campinas: Mercado de Letras, 2001, pp. 77-94.

TFOUNI, L. V. (2008). Autoria: um lugar à espera? Estudos Linguísticos (São Paulo), v. 37, pp. 71-78.

VAL, M. da G. C. Redação e Textualidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VIANNA, H. M. Comunicação e Expressão: problemas teóricos e práticos de avaliação. São Paulo: IBRASA, 1984.

VICENTINI, M. P. (2015). A redação no ENEM e a redação no 3o ano do Ensino Médio: efeitos retroativos nas práticas de ensino da escrita. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas.

VIGNER, G. (1974) Técnicas de aprendizagem da argumentação escrita. In: GALVES, C.; ORLANDI, E. P.; OTONI, P. (orgs.) O texto: escrita e leitura. Campinas: Pontes, 1988, pp. 109-125.

WIND, S. S. & PETERSON, M. (2017). A systematic review of methods for evaluating rating quality in language assessment. Language Testing, v. 34, pp. 1-32.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

FOSSEY, M. F. Avaliação de redações de vestibular: da teoria à prática. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 1015–1042, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652181. Acesso em: 28 jan. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)