Banner Portal
Ensino-aprendizagem com tecnologias digitais na formação inicial de professores de inglês
PDF

Palavras-chave

Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação. Curso Letras-Inglês. Ensino-aprendizagem.

Como Citar

ARAÚJO, Marcus Souza. Ensino-aprendizagem com tecnologias digitais na formação inicial de professores de inglês. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 3, p. 1590–1614, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8652590. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo investigar a percepção de dois alunos do Curso de Letras-Inglês sobre a aprendizagem e a prática pedagógica de alunos da Educação Básica com o uso das tecnologias a partir de uma disciplina curricular acadêmica. Essa investigação tem como suporte teorias que discutem o uso das tecnologias digitais da informação e comunicação no ensino-aprendizagem (BUCKINGHAN, 2010; ALMEIDA;VALENTE, 2011, 2016; BRAGA, 2013; entre outros). Com relação à metodologia, a pesquisa qualitativa se caracteriza como um estudo de caso (STAKE, 1995; YIN, 2015). Os resultados nos mostram que uma disciplina acadêmica específica sobre tecnologias tem papel relevante no curso de formação inicial de professores de inglês, pois, além de mostrar a diversidade de aprendizagem com diferentes interfaces tecnológicas digitais, possibilita, também, que o futuro professor venha a refletir sobre as potencialidades e a apropriação dessas tecnologias para fins pedagógicos.
PDF

Referências

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. (2011). Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus.

ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. (2016). Políticas de tecnologia na educação brasileira: histórico, lições aprendidas e recomendações. São Paulo: Centro de Inovação para a Educação Brasileira – CIEB Estudos. Disponível em: <http://www.cieb.net.br/wp-content/uploads/2016/12/CIEB-Estudos-4-Políticas-de-Tecnologias-na-Educação-Brasileira. pdf> Acesso em 31 de mar. 2017.

ALMEIDA, M. E. B. et al. (2017). O currículo na cultura digital e a integração currículo e tecnologias. In: CERNY, R. Z. et al. (orgs.). Formação de Educadores na Cultura Digital. Florianópolis: UFSC/CED/NUP. Disponível em: <http://nup.ced.ufsc.br/e-books>. Acesso em 27 jun. 2017.

ALONSO, K. M. (2017). Cultura digital e formação: entre um devir e realidades pungentes. In: CERNY, R. Z. et al. (orgs.). Formação de Educadores na Cultura Digital. Florianópolis: UFSC/CED/NUP. Disponível em: <http://nup.ced.ufsc.br/e-books>. Acesso em: 27 jun. 2017.

BARTON, D.; LEE, C. (2015). Linguagem online: textos e práticas digitais (Tradução Milton Camargo Mota). São Paulo: Parábola.

BATES, A. W. T. (2016). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Artesanato Educacional.

BERNABÉ, I. (2012). Os professores como aprendizes com as TICs. In: BARBA, C.; CAPELLA, S. (orgs.). Computadores em sala de aula: métodos e usos. Porto Alegre: Penso.

BRAGA, D. B. (2013). Ambientes digitais: reflexões teóricas e práticas. São Paulo: Cortez.

BRAGA, D. B.; VÓVIO, C. L. (2015). Uso de tecnologia e participação em letramentos digitais em contextos de desigualdade. In: BRAGA, D. B. (org.). Tecnologias digitais da informação e comunicação e participação social. São Paulo: Cortez.

BRASIL. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/CNE.

BRITO, G. S.; PURIFICAÇÃO, I. (2015). Educação e novas tecnologias: um (re)pensar. 2. ed. Curitiba: Editora Intersaberes.

BUCKINGHAM, D. (2010). Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set./dez.

CASTELLS, M. (2003). A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

CECCHETTINI, E. E. B. (2011). Introdução. In: VERAS, M. (org.). Inovação e métodos de ensino para nativos digitais. São Paulo: Atlas.

CELANI, M. A. A. (2010). Concepções de linguagem de professores de inglês e suas práticas em sala de aula. In: CELANI, M. A. A. (org.). Reflexões e ações (trans)formadoras no ensino-aprendizagem de inglês. Campinas: Mercado de Letras.

CELANI, M. A. A. (2016). Um desafio na Linguística Aplicada contemporânea: a construção de saberes locais. D.E.L.T.A., v. 32, n. 2, p. 543-555.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. (2014). Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas: TIC Educação 2013. São Paulo: CGI.br.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. (2016). Educação e tecnologias no Brasil: um estudo de caso longitudinal sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação em 12 escolas públicas. São Paulo: CGI.br.

COSCARELLI, C. V.; KERSCH, D. F. (2016). Prefácio: pedagogia dos multiletramentos: alunos conectados? novas escolas + novos professores. In: KERSCH, D. F.; COSCARELLI, C. V.; CANI, J. B. (org.). Multiletramentos e multimodalidade: ações pedagógicas aplicadas à linguagem. Campinas: Pontes.

COSTA, F. A. (2013). O potencial transformador das TIC e a formação de professores e educadores. In: ALMEIDA, M. E. B.; DIAS, P.; SILVA, B. D. (orgs.). O cenário de inovação para a educação na sociedade digital. São Paulo: Edições Loyola.

ELEÁ, I.; DUARTE, R. (2016). Mídia-Educação: teoria e prática. In: SANTOS, E. (org.). Mídias e tecnologias na educação presencial e a distância. Rio de Janeiro: LTC.

FABRÍCIO, B. F. (2006). Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola.

FAVA, R. (2014). Educação 3:0 – aplicando o PDCA nas instituições de ensino. São Paulo: Saraiva.

FAVA, R. (2016). Educação para o século 21: a era do indivíduo digital. São Paulo: Saraiva.

FREIRE, P. (1996/2004). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30o ed. São Paulo: Paz & Terra.

FREIRE, P. (1968/2004). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz & Terra.

IANNONE, L. R.; ALMEIDA, M. E. B.; VALENTE, J. A. (2016). Pesquisa TIC Educação: da inclusão para a cultura digital. In: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras: TIC Educação 2015. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

KENSKI, V. M. (2013). Tecnologias e tempo docente. Campinas: Papirus.

LIBERALI, F. C. (2010). Formação crítica de educadores: questões fundamentais. Campinas: Pontes.

MASETTO, M. T. (2013). Mediação pedagógica e tecnologias de informação e comunicação. In: Moran, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21a ed. rev. e atual. Campinas: Papirus.

MOITA LOPES, L. P. (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola.

MORAN, J. M. (2012). A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5a ed. Campinas: Papirus.

MORAN, J. M. (2013). Ensino e aprendizagem inovadores com apoio de tecnologias. In: Moran, J. M.; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 21a ed. rev. e atual. Campinas: Papirus.

PALFREY, J.; GASSER, U. (2011). Nascidos na era digital: entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Artmed.

PÉREZ GÓMEZ, Á. I. P. (2015). Educação na era digital: a escola educativa. Porto Alegre: Penso.

PISCHETOLA, M. (2016). Inclusão digital e educação: a nova cultura da sala de aula. Petrópolis: Vozes.

PRENSKY, M. (2001). Digital Natives, Digital Immigrants. On the Horizon. v. 9, n. 5, p. 1-5, 2001.

PRENSKY, M. (2010). Teaching digital natives: partnering for real learning. California: Corwin, a Sage Company.

PRENSKY, M. (2012). From digital natives to digital wisdom: hopeful essays for 21st century learning. California: Corwin, a Sage Company.

RAMOS, R. C. G.; FREIRE, M. M. (2009). ESPTEC: formação de professores e multiplicadores de ensino-aprendizagem de inglês instrumental para o sistema de educação profissional de nível técnico. In: TELLES, J. A. (org.). Formação inicial e continuada de professores de línguas: dimensões e ações na pesquisa e na prática. Campinas: Pontes.

RAMOS, R. C. G. (2010). Um olhar avaliativo para o módulo fundamentos para avaliação e preparação de material didático. In: CELANI, M. A. A. (org.). Reflexões e ações (trans)formadoras no ensino-aprendizagem de inglês. Campinas: Mercado de Letras.

TAPSCOTT, D. (1999). Geração digital: a crescente e irreversível ascensão da geração net. São Paulo: Makron Books.

UNESCO. (2009). Padrões de competências em TIC para professores.

VEEN, W.; VRAKKING, B. (2009). Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.