Banner Portal
Língua e cultura na feminização das migrações no Brasil
PDF

Palavras-chave

refúgio
narrativas
mulheres

Como Citar

BALESTRO, Ana Cristina; PEREIRA, Telma. Língua e cultura na feminização das migrações no Brasil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 779–794, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8654049. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo geral refletir sobre língua e cultura no contexto da “feminização das migrações” (CORTES, 2016; MARINUCCI, 2007; MEJIA; CAZAROTTO, 2016), especificamente a migração de refúgio, pensando o fenômeno sob uma perspectiva dos estudos em Políticas Linguísticas. Ao considerar-se trajetórias de migração, entendemos que os objetivos e os desafios podem mudar conforme o gênero: segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) a discriminação contra as mulheres e meninas, e violências derivadas dessa, é causa e também consequência do deslocamento forçado. No Brasil, a presença feminina na imigração de refúgio se apresenta expressiva: em 2016, segundo dados da Secretaria Nacional de Justiça, as mulheres representaram mais de 30% dos que buscam acolhimento no país. Buscamos refletir sobre (i) as barreiras linguísticas na inserção social e linguística na sociedade de acolhimento, (ii) a língua e cultura de origem e aquelas de acolhimento, através de narrativas de uma refugiada em entrevistas disponíveis online. Contextualizamos a pesquisa com uma revisão bibliográfica, com dados consolidados por estudos sobre a realidade da imigração no Brasil nos últimos anos (ACNUR, CONARE, IMDH, OBMigra).

PDF

Referências

ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS REFUGIADOS (ACNUR). Global Trends: Forced Displacement 2015. Genebra, Suíça: ACNUR, 2018 Disponível em: <http://www.unhcr.org/576408cd7#_ga=1.218846928.879996130. 1483964323> Acesso em 15 de jul. De 2018.

ALTO COMISSARIADO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA OS REFUGIADOS (ACNUR). Dados sobre refúgio no Brasil - Balanço até abril de 2016. Brasília: ACNUR Brasil, 2016b. Disponível em: <http://www.acnur.org/portugues/recursos/estatisticas/dados-sobre-refugio-no-brasil/>Acesso em 20 de jul. de 2018.

ANÇÃ, M. H. (2008). Língua portuguesa em novos públicos. Saber (e) Educar. Porto, n. 13, p. 71‑87. Disponível em: http://repositorio.esepf.pt/handle/20.500.11796/924. Acesso em: 20 julho 2018.

BANDEIRA, Luzia. (2018). Sem programa específico para refugiados, Brasil põe centenas de sírios no Bolsa Família. BBC Brasil. Disponível em: http://www.bbc.com/ portuguese/noticias/2015/10/151013_bolsa_familia_sirios_lab. Acesso em 15 outubro de 2018.

BARBOSA, Lúcia Maria de A.; RUANO, Bruna P. (2016). Acolhimento, sentidos e práticas de ensino de português para migrantes e refugiados, na Universidade de Brasília e na Universidade Federal do Paraná. In: GEDIEL, José A. P.; GODOY, Gabriel G. de (Org.). Refúgio e Hospitalidade. Curitiba: Kairós Edições.

CÁRITAS. (2018). Disponível em <http://www.caritas-rj.org.br/trabalheconosco.html> Acesso em: 01 de ago. de 2018.

COMITÊ NACIONAL PARA OS REFUGIADOS (CONARE). (2018). Ministério da Justiça. Refúgio em Números – 3ª ed. Brasília. Disponível em: <http://www.justica. gov.br/news/de-10-1-mil-refugiados-apenas-5-1-mil-continuam-no-brasil/refugio-em-numeros_1104.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2018.

CORTES, Geneviève. (2016). Women and Migrations: Those Who Stay, EchoGéo, n. 37. Disponível em: http://echogeo.revues.org/14892.

COSTA, Débora. (2018). Negociação de identidades e formação de novas representações sociais em narrativas de migração: uma proposta metodológica. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

CUNHA, Maria Jandyra Cavalcanti. (2013). Comunicação e identidade cultural na língua de imigração. In: SILVA, Kleber; SANTOS, Danúsia Torres dos (Orgs.), Português como língua (inter)nacional: faces e interfaces. Campinas, SP: Pontes Editores.

GROSSO, M. J. R. (2010). Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n.2, p. 61-77.

LARAIA, Roque de Barros. (2002). Cultura, um conceito antropológico. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor Ltda. 2002.

LUSSI, Carmem. (2015). Políticas públicas e desigualdades na migração e refúgio. Psicologia USP, v. 26, n. 2, pp. 136-144. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusp /v26n2/0103-6564-pusp-26-02-00136.pdf

OLIVEIRA, Gilvan Müller de; SILVA, Julia Izabelle da. (2017). Quando barreiras linguísticas geram violação de direitos humanos: que políticas linguísticas o Estado brasileiro tem adotado para garantir o acesso dos imigrantes a serviços públicos básicos? Gragoatá: Revista dos Programas de Pós-Graduação do Instituto de Letras da UFF, Niterói, v.22, n. 42, p. 131-153, jan./abr. Disponível em: http://www.gragoata.uff.br/ index.php/gragoata/article/view/909/636. Acesso em: 10 abr. 2018.

ONU. (2018). Agência da ONU enfatiza importância de garantir educação de meninas refugiadas. Publicado em 15/08. Disponível em: https://nacoesunidas.org/agencia-da-onu-enfatiza-importancia-de-garantir-educacao-de-meninas-refugiadas/

PEREIRA, Giselda F. (2017). O português como língua de acolhimento e interação: a busca pela autonomia por pessoas em situação de refúgio no Brasil. São Paulo, Cadernos de Letras, v. 17, n. 1.

Referências de vídeos online

N1: Mariama, refugiada da Gâmbia: ‘Queria ser uma mulher com a minha própria história’. ONU BRASIL. Brasil, publicado em 9 de nov de 2016. Disponível em https://youtu.be/hWNNCaV-sFw (1m40)

N2: Entrevista refugiada Mariama Bah - TV Alerj. PARES Cáritas – RJ. Brasil, publicado em 26 de maio de 2017. Disponível em https://youtu.be/LxjYRRpuGcs (3m31)

N3: ONU reúne refugiados, autoridades e sociedade civil no Rio para debater crise humanitária global. ONU BRASIL. Brasil, publicado em 21 de jun de 2017. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=EWa3EuU0iFU (05m21)

N4: Refugiados no Brasil, em ENCONTRO COM FÁTIMA BERNARDES. Globoplay. Brasil. Disponível em: https://globoplay.globo.com/v/6212493/ . Exibição em 12 out 2017. (4 min)

N5: Mariama (Gâmbia). Futura Play. Brasil, publicado em 2017. Disponível em: http://www.futuraplay.org/video/mariama-gambia/396243/ (11m)

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.