(Meta)pragmática da violência linguística: Patologização das vidas trans em comentários online

Palavras-chave: pragmática, violência linguística, transfobia, entextualização, estudos queer

Resumo

Este artigo tem como objetivo construir inteligibilidades contingentes acerca de eventos interacionais marcados pela violência linguística praticada contra pessoas trans, a partir da análise de atos de fala em circulação em comentários online. Nesse sentido, discuto os resultados de uma pesquisa qualitativa, inspirada na etnografia virtual, feita entre julho de 2015 e julho de 2016, na seção de comentários do site de notícias brasileiro G1, em três matérias jornalísticas relacionadas à encenação de uma crucificação realizada pela atriz e modelo transexual Viviany Beleboni, durante a 19ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo. Do ponto de vista teórico, são mobilizados saberes relativos à noção de linguagem como performance, às discussões sobre a violência linguística e ao processo de patologização das vidas trans. No trabalho analítico empreendido, foram focalizados os processos de entextualização acionados pelos participantes em seus comentários online. Assim, em razão do olhar adotado sobre os dados gerados, o que se observa é a produção de uma (meta)pragmática engajada no reestabelecimento de contextos violentos, relativos a discursos médico-científicos patologizantes, com vistas a dotar de força ilocucionária os atos de fala transfóbicos, capazes de subalternizar e ferir pessoas trans por meio da linguagem. Desse modo, a pesquisa realizada permitiu salientar o potencial de um modelo indisciplinar e descentrado de investigação em linguagem, comprometido com a compreensão de práticas semióticas situadas na elaboração da realidade social, particularmente em tempos de alta reflexividade e trânsitos textuais intensos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danillo da Conceição Pereira Silva, Instituto Federal de Alagoas

Doutorando em Letras/ Linguística Aplicada pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Sergipe (PPGL/UFS). Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL).

Referências

ALENCAR, C. N. Searle interpretando Austin: a retórica do “medo da morte” nos estudos da linguagem. 2005. 275f. Tese de Doutorado. Instituto de Estudos da Linguagem. Unicamp, Campinas, 2005.

AUSTIN, John Langshaw. (1962). Quando dizer é fazer. Tradução de Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BAKHTIN, M. (1979). Os gêneros do discurso (1952-1953). In: Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão Gomes e Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 2002, pp. 277-326.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. (1990). Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. In: COUPLAND, N.; JAWORSKI, A. (Orgs.). The new sociolinguistics reader. New York: Palgrave Macmillian, 2010, pp. 185-217.

BENTO, B. (2014). O que pode uma teoria? Estudos transviados e a despatologização das identidades trans. Florestan, ano 1, n. 2, pp. 46-66.

BENTO, B.; PELÚCIO, L. (2012). Despatologização do gênero: a politização das identidades abjetas. Rev. Estud. Fem., 20, 2, pp. 559-568.

BLOMMAERT, J. (2005). Discourse. A Critical Introduction. Cambridge: Cambridge University Press.

BLOMMAERT, J. (2010). The sociolinguistics of globalization. Cambridge: Cambridge University Press.

BORBA, R. (2016). O (des) aprendizado de si: transexualidades, interação e cuidado em saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

BRAGA, D. B. (2015). Tecnologias digitais da informação e da comunicação e participação social. São Paulo: Cortez, pp. 33-67.

BUTLER, J. (1990). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, J. (1996). Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. Tradução de Thomas Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BUTLER, J. (1997). Excitable speech: a politics of the performative. London: Routledge.

BUTLER, J. (2009). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Tradução de Sérgio Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CAMARGO JR., K. (2005). A biomedicina. Physis: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15 (Suplemento), pp. 177-201.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. (1996). Mil platôs: do capitalismo à esquizofrenia. v. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34.

DERRIDA, J. (1988). Assinatura, acontecimento, contexto. In: DERRIDA, J. Margens da filosofia. Tradução de Joaquim Torres Costa, Antônio M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991b, pp. 349-373.

DERRIDA, J. (1988). Limited Inc. Tradução de Constança Marcondes Cesar. Campinas: Papirus, 1991a.

DURANTI, A.; GOODWIN, C. (Eds.) Rethinking context. Language as an interactive phenomenon. Studies in the social and cultural foundations of language, n. 11. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

FABRÍCIO, B. F. (2014). Transcontextos educacionais: gêneros, sexualidades e trajetórias de socialização na escola. In: SILVA, D.; ALENCAR, C. N.; FERREIRA, D. M. M. (Orgs). Nova Pragmática – Modos de Fazer. São Paulo: Cortez, pp. 145-189.

FLIKE, U. (2008). Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução de Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed.

FOUCAULT, M. (1969). A Arqueologia do Saber. Tradução de Luís Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

FOUCAULT, M. (1970). A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola.

FOUCAULT, M. (1976). História da sexualidade I: A vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, M. (1980). “Two lectures”. In: GORDON, Colin (Org.). Power/Knowledge: selected writings, interviews & other writings – 1972-1977. New York: Pantheon Books.

FOUCAULT, M. (1986). Microfísica do Poder. Org. e Tradução de Renato Machado. Rio de Janeiro: Ed. Graal.

GIDDENS, A. (1991). As consequências da modernidade. Tradução de Raul Fiker. São Paulo: Unesp.

GIDDENS, A. (2002). Modernidade e identidade. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar.

GOFFMAN, E. (1967). Rituais de interação. Ensaios sobre o comportamento face a face. Tradução de Fábio Ribeiro da Silva. Petrópolis: Editora Vozes, 2011.

GONZALEZ, C.; MOITA LOPES, L. P. (2018). Reflexividade metapragmática sobre o cinema de Almodóvar numa interação online: indexicalidade, escalas e entextualização. Trab. Ling. Aplic., Campinas, n. (57.2). pp. 1102-1136.

GOODWIN, C.; GOODWIN, M. H. (1992). Assessments and the construction of context. In: DURANTI, A.; GOODWIN, C. (Eds.). Rethinking context. Language as an interactive phenomenon. Studies in the social and cultural foundations of language n. 11. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 147-219.

GUIMARÃES, T. F.; MOITA LOPES, L. P. (2016). Entextualizações estratégicas: performances sensualizadas de raça em práticas discursivas na Web. 2.0. Linguagem em Discurso - LemD, Tubarão, SC, v. 16, n. 2, pp. 289-307.

GUMPERZ, J. (1982). Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B. T; GARCEZ, P. M. (Orgs.). Sociolinguística Interacional. Porto Alegre: Age, 1998.

GUMPERZ, J. (2002). Entrevista com John Gumperz. In: PEREIRA, M. G. D.; GARCEZ, P. M. (Orgs. e Eds.). Palavra. v. 8. Rio de Janeiro: PUC-RJ.

HANKS, W. F. (2008). Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

HINE, C. (2002). Virtual Ethnography. London: Sage Publications.

JENKINS, E. (2008). Cultura de convergência. Tradução de Susana Alexandria. São Paulo: Editora Alexandria.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. (2007). Sampling the new in the new literacies. In: KNOBEL, M.; LANKSHEAR, C. (Orgs.). A new literacies sampler. Nova York: Peter Lang.

LAURETIS, T. (1987). Technologies of gender. Nova York: Routledge.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Editora 34, 1999.

LOURO, G. L. (2000). Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, G. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, pp. 7-34.

MBEMBE, A. (2018). Necropolítica. São Paulo, n-1 edições.

MEY, J. (2014). Sequencialidade, contexto e forma linguística. Tradução de Ive Brunelli. In: SILVA, D. N.; FERREIRA, D. M. N.; ALENCAR, C. F. Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014, pp. 129-144.

MISKOLCI, R. (2016). Teoria Queer: um aprendizado pela diferença. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

MOITA LOPES, L. P. (2010). Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trab. Linguist. Apl., v. 49, n. 2, pp. 393-417.

OTTONI, P. (2002). John Langshaw Austin e a visão performativa da linguagem. D.E.L.T.A., v. 18, n. 1, pp. 117-183.

PINTO, J. P. (2007). Conexões teóricas entre performatividade, corpo e identidade. D.E.L.T.A, 23:1, pp. 1-26.

RAJAGOPALAN, K. (2010). Nova pragmática: fases e feições de um fazer. São Paulo: Parábola Editorial.

RAJAGOPALAN, K. (1996). O Austin do qual a linguística não tomou conhecimento e a linguística com a qual Austin sonhou. D. E. L. T. A., v. 30, p. 105-115, jan./jun.

RAMPTON, B. (2006) Continuidade e mudança nas visões de sociedade em Linguística Aplicada. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, pp. 108-128.

RECUERO, R. (2016). Discurso mediado por computador nas redes sociais. In: ARAÚJO, J.; LEFFA, W. (Orgs.) Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender. São Paulo: Parábola Editorial.

SILVA, D. (2014). O texto entre a entextualização e a etnografia: um programa jornalístico sobre belezas subalternas e suas múltiplas recontextualizações. Linguagem em (Dis)curso – LemD, Tubarão, SC, v. 14, n. 1, pp. 67-84.

SILVA, D. N. (2012). Pragmática da violência: o nordeste brasileiro na mídia. Rio de Janeiro: 7 Letras.

SILVA, D. N.; ALENCAR, C. N. (2013). A propósito da violência na linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, n. 2, pp. 129-146.

SILVA, D. N.; ALENCAR, C. N. (2014). Violência e significação. In: SILVA, D.; ALENCAR, C. N.; FERREIRA, D. M. M. (Orgs.). Nova Pragmática – Modos de Fazer. São Paulo: Cortez, pp. 259-886.

SILVA, D. N.; VERAS, V. (2016). Da teoria dos atos de fala à nova pragmática: os legados de John L. Austin e Kanavillil Rajagopalan. D. E. L. T. A, n. 32.3, pp. 5-19.

SILVA, D. C. P. (2017). Atos de fala transfóbicos no ciberespaço: uma análise pragmática da violência linguística. 2017. 200f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

SILVA, D. C. P. (2019). Emancipação das mulheres no discurso feminista online: dimensões textuais de uma luta hegemônica. Linguagem & Ensino, v. 22, n. 1, p. 239-262.

SILVESTREIN, M. (2003). Indexical order and dialetics of sociolinguistics life. Lenguage & Comunication, v. 23, n. 3-4, pp. 193-229.

LEITE, A.; SANTOS, C. (2016). Cartografias Trans: mapas sobre a apropriação médica das transexualidades. Clínica & Cultura, v. 5, n. 1, pp. 50-64, jan-jun.

SOUSA, G. M. (2011). Pistas de contextualização em negociações de contexto: uma análise linguística no contexto interacional fórum de discussão. Vertentes & Interfaces II: Estudos Linguísticos e Aplicados, v. 3 n. 2, jan./jun., 2011, pp. 199-209.

VERGUEIRO, V. S. (2015). Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. Dissertação de Mestrado em Cultura e Sociedade, Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade, UFBA, Salvador.

ZACCHI, J. V. (2016). A enxada e a caneta: linguagem e cultura na construção da identidade do sem-terra. São Paulo: Humanitas: FAPESP.

Publicado
2019-08-07
Como Citar
Silva, D. da C. P. (2019). (Meta)pragmática da violência linguística: Patologização das vidas trans em comentários online. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(2), 956-985. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8654118