Banner Portal
Espanhol como língua estrangeira (e/le), acción poética e xenofobia: uma experiência pedagógica com um recurso educacional aberto na perspectiva dos letramentos críticos
PDF

Palavras-chave

Letramentos Críticos
REA
Xenofobia

Como Citar

BEVILÁQUA, André Firpo; LEFFA, Vilson José; KIELING, Helena dos Santos. Espanhol como língua estrangeira (e/le), acción poética e xenofobia: uma experiência pedagógica com um recurso educacional aberto na perspectiva dos letramentos críticos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 759–778, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655137. Acesso em: 12 jun. 2024.

Resumo

O presente trabalho versa sobre a produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) na perspectiva dos Letramentos Críticos. O objetivo geral do estudo é investigar em que medida um Recurso Educacional Aberto (REA) na perspectiva dos Letramentos Críticos pode propiciar (ou não) affordances para a produção de eventos discursivos sensíveis a problemas sociais como a xenofobia. Os objetivos específicos da pesquisa são três, a saber: a) Apresentar o REA desenvolvido (objetivos do material, princípios teórico-metodológicos que nortearam o seu desenvolvimento, materiais e ferramentas utilizados durante a sua produção, etc.); b) Analisar duas amostras dos eventos discursivos oriundos desse REA, com vistas a identificar indícios de Letramentos Críticos; c) Discutir possibilidades teórico-metodológicas para o redesign desse material. O estudo foi desenvolvido na disciplina “Oficina de Produção Textual”, da Licenciatura em Letras Espanhol a Distância da Universidade Federal de Santa Maria, em parceria com a Universidade Aberta do Brasil (UFSM/UAB). Nesse sentido, apresenta características de uma pesquisa qualitativa de cunho fenomenológico (BOGDAN e BIKLEN, 1996). Os resultados da pesquisa indicam que REA na perspectiva dos Letramentos Críticos podem propiciar affordances para a produção de eventos discursivos sensíveis a problemas sociais como a xenofobia, uma vez que, apesar da pequena quantidade de amostras analisadas, foi possível identificar indícios de um Letramento Crítico no que diz respeito a tal questão. Esperamos, futuramente, ampliar o número de amostras, apontando também casos que tiveram menor sucesso, bem como motivações possíveis para isso.

PDF

Referências

ATAQUE a refugiado sírio coloca em xeque a fama do brasileiro acolhedor (2017). São Paulo: Recordtv. (15 min.), son., color. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f2tXhGWh1aU>. Acesso em: 10 mar. 2019.

BEVILÁQUA, A. F. (2017). Linguagens e tecnologias a serviço de uma Ética Maior: a produção de Recursos Educacionais Abertos na perspectiva dos Letramentos Críticos. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS.

BEVILÁQUA, A. F. et al. (2017). Ensino de Línguas Online: um Sistema de Autoria Aberto para a produção e adaptação de Recursos Educacionais Abertos. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 15, n. 1, p. 190-200.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora.

CASSANY, D.; CASSTELLÀ, J. (2011). Aproximación a la Literacidad Crítica. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 353-374. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

COSTA, A. R. et al. (2016). Contribuindo com o estado da arte sobre Recursos Educacionais Abertos para o ensino e a aprendizagem de línguas no Brasil. Veredas On-line, Juiz de Fora, v. 20, n. 1, p. 1-20.

DUBOC, A. P. (2015). Letramento Crítico nas brechas da sala de aula de línguas estrangeiras. In: TAKAKI, N. H.; MACIEL, R. F. Letramentos em terra de Paulo Freire. 2. ed. Campinas: Pontes, p. 209-229.

MENDONÇA, H. (2018). O “monstro da xenofobia” ronda a porta de entrada de venezuelanos no Brasil. El País, Roraima, 27 ago. 2018. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/17/politica/1534459908_846691.html>. Acesso em: 10 mar. 2019.

FAIRCLOUGH, N. (1993). El análisis crítico del discurso y la mercantilización del discurso público: las universidades. Trad. Elsa Ghio. Discurso & Sociedad, [online], v. 2, n. 1, p.170-186, 2008.

TALENTO, A. (2013). Ministério da saúde chama de “xenofobia” protesto contra médicos no CE. Folha de São Paulo, Fortaleza, 27 ago. 2013. Disponível em: <http://folha.com/no1332669>. Acesso em: 10 mar. 2019.

HALLIDAY, M. (1978). Language as social semiotic. London: Edward Arnold.

_____________ (1985). An introduction to funcional grammar. London: Edward Arnold.

HILTON, J. et. al. (2010). The four R’s of openness and ALMS analysis: frameworks for Open Educational Resources. Open Learning: the journal of open and distance learning, v. 25, n. 1, p. 37-44.

HORKHEIMER, M. (1968). Teoría Crítica. Trad. Edgardo Albizu e Carlos Luis. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

LEFFA, V. J. (2006). Nem tudo o que balança cai: Objetos de Aprendizagem no ensino de línguas. Polifonia, Cuiabá, v. 12, n. 2, p.15-45.

MOITA LOPES, L. P. da. (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 85-107.

PENYCOOK, A. (2006) Uma Linguística Aplicada transgressiva. In: LOPES, L. P. da M. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 67-84.

SOARES, M. B. (2004). Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista brasileira de educação, [online], v. 1, n. 25, p.5-17.

VAN DIJK, T. (2008). A. Discurso e Poder. Trad. e adaptação Judith Hoffnagel, Ana Regina Vieira, Leonardo Mozdzenski, Benedito Gomes Bezerra, Rodrigo Castro e Karina Falcone. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

VETROMILLE-CASTRO, R. et al. (2012). Objetos de Aprendizagem de Línguas: uma proposta. In: VETROMILLE-CASTRO, R.; HEEMANN, C.; FIALHO, V. R. Aprendizagem de línguas – a presença na ausência: CALL, Atividade e Complexidade. Pelotas: Educat, p. 242-256.

VETROMILLE-CASTRO, R. (2017). Língua como instrumento, língua para o poder: Reflexões sobre o papel do professor, tecnologias digitais e desenvolvimento linguístico. In: TAKAKI, N. H.; MOR, W. M. Construções de sentido e letramento digital crítico na área de línguas/linguagens. Campinas: Pontes, p. 195-219.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.