Espanhol como língua estrangeira (e/le), acción poética e xenofobia: uma experiência pedagógica com um recurso educacional aberto na perspectiva dos letramentos críticos

Palavras-chave: Letramentos Críticos, REA, Xenofobia

Resumo

O presente trabalho versa sobre a produção de Recursos Educacionais Abertos (REA) na perspectiva dos Letramentos Críticos. O objetivo geral do estudo é investigar em que medida um Recurso Educacional Aberto (REA) na perspectiva dos Letramentos Críticos pode propiciar (ou não) affordances para a produção de eventos discursivos sensíveis a problemas sociais como a xenofobia. Os objetivos específicos da pesquisa são três, a saber: a) Apresentar o REA desenvolvido (objetivos do material, princípios teórico-metodológicos que nortearam o seu desenvolvimento, materiais e ferramentas utilizados durante a sua produção, etc.); b) Analisar duas amostras dos eventos discursivos oriundos desse REA, com vistas a identificar indícios de Letramentos Críticos; c) Discutir possibilidades teórico-metodológicas para o redesign desse material. O estudo foi desenvolvido na disciplina “Oficina de Produção Textual”, da Licenciatura em Letras Espanhol a Distância da Universidade Federal de Santa Maria, em parceria com a Universidade Aberta do Brasil (UFSM/UAB). Nesse sentido, apresenta características de uma pesquisa qualitativa de cunho fenomenológico (BOGDAN e BIKLEN, 1996). Os resultados da pesquisa indicam que REA na perspectiva dos Letramentos Críticos podem propiciar affordances para a produção de eventos discursivos sensíveis a problemas sociais como a xenofobia, uma vez que, apesar da pequena quantidade de amostras analisadas, foi possível identificar indícios de um Letramento Crítico no que diz respeito a tal questão. Esperamos, futuramente, ampliar o número de amostras, apontando também casos que tiveram menor sucesso, bem como motivações possíveis para isso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Firpo Beviláqua, Universidade Federal de Pelotas

Doutorando do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Bolsista CAPES.

Vilson José Leffa, Universidade Federal de Pelotas

Professor visitante da Universidade Federal de Pelotas.

Helena dos Santos Kieling, Universidade Federal de Pelotas

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Referências

ATAQUE a refugiado sírio coloca em xeque a fama do brasileiro acolhedor (2017). São Paulo: Recordtv. (15 min.), son., color. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=f2tXhGWh1aU>. Acesso em: 10 mar. 2019.

BEVILÁQUA, A. F. (2017). Linguagens e tecnologias a serviço de uma Ética Maior: a produção de Recursos Educacionais Abertos na perspectiva dos Letramentos Críticos. 2017. 114 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Católica de Pelotas, Pelotas, RS.

BEVILÁQUA, A. F. et al. (2017). Ensino de Línguas Online: um Sistema de Autoria Aberto para a produção e adaptação de Recursos Educacionais Abertos. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 15, n. 1, p. 190-200.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora.

CASSANY, D.; CASSTELLÀ, J. (2011). Aproximación a la Literacidad Crítica. Perspectiva, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 353-374. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

COSTA, A. R. et al. (2016). Contribuindo com o estado da arte sobre Recursos Educacionais Abertos para o ensino e a aprendizagem de línguas no Brasil. Veredas On-line, Juiz de Fora, v. 20, n. 1, p. 1-20.

DUBOC, A. P. (2015). Letramento Crítico nas brechas da sala de aula de línguas estrangeiras. In: TAKAKI, N. H.; MACIEL, R. F. Letramentos em terra de Paulo Freire. 2. ed. Campinas: Pontes, p. 209-229.

MENDONÇA, H. (2018). O “monstro da xenofobia” ronda a porta de entrada de venezuelanos no Brasil. El País, Roraima, 27 ago. 2018. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/17/politica/1534459908_846691.html>. Acesso em: 10 mar. 2019.

FAIRCLOUGH, N. (1993). El análisis crítico del discurso y la mercantilización del discurso público: las universidades. Trad. Elsa Ghio. Discurso & Sociedad, [online], v. 2, n. 1, p.170-186, 2008.

TALENTO, A. (2013). Ministério da saúde chama de “xenofobia” protesto contra médicos no CE. Folha de São Paulo, Fortaleza, 27 ago. 2013. Disponível em: <http://folha.com/no1332669>. Acesso em: 10 mar. 2019.

HALLIDAY, M. (1978). Language as social semiotic. London: Edward Arnold.

_____________ (1985). An introduction to funcional grammar. London: Edward Arnold.

HILTON, J. et. al. (2010). The four R’s of openness and ALMS analysis: frameworks for Open Educational Resources. Open Learning: the journal of open and distance learning, v. 25, n. 1, p. 37-44.

HORKHEIMER, M. (1968). Teoría Crítica. Trad. Edgardo Albizu e Carlos Luis. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

LEFFA, V. J. (2006). Nem tudo o que balança cai: Objetos de Aprendizagem no ensino de línguas. Polifonia, Cuiabá, v. 12, n. 2, p.15-45.

MOITA LOPES, L. P. da. (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 85-107.

PENYCOOK, A. (2006) Uma Linguística Aplicada transgressiva. In: LOPES, L. P. da M. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 67-84.

SOARES, M. B. (2004). Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista brasileira de educação, [online], v. 1, n. 25, p.5-17.

VAN DIJK, T. (2008). A. Discurso e Poder. Trad. e adaptação Judith Hoffnagel, Ana Regina Vieira, Leonardo Mozdzenski, Benedito Gomes Bezerra, Rodrigo Castro e Karina Falcone. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017.

VETROMILLE-CASTRO, R. et al. (2012). Objetos de Aprendizagem de Línguas: uma proposta. In: VETROMILLE-CASTRO, R.; HEEMANN, C.; FIALHO, V. R. Aprendizagem de línguas – a presença na ausência: CALL, Atividade e Complexidade. Pelotas: Educat, p. 242-256.

VETROMILLE-CASTRO, R. (2017). Língua como instrumento, língua para o poder: Reflexões sobre o papel do professor, tecnologias digitais e desenvolvimento linguístico. In: TAKAKI, N. H.; MOR, W. M. Construções de sentido e letramento digital crítico na área de línguas/linguagens. Campinas: Pontes, p. 195-219.

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Beviláqua, A. F., Leffa, V. J., & Kieling, H. dos S. (2019). Espanhol como língua estrangeira (e/le), acción poética e xenofobia: uma experiência pedagógica com um recurso educacional aberto na perspectiva dos letramentos críticos. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(2), 759-778. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655137