Poesia ciborgue e pós-humanização da linguagem:

da externalização tecnológica à recuperação da autonomia humana

Palavras-chave: poesia, automação, pós-humanização

Resumo

Se o pós-humanismo surge hoje como expressão de formas diversas de questionar a excepcionalidade do humano, e se, por outro lado, a linguagem verbal é considerada uma expressão dessa mesma excepcionalidade do humano, a pós-humanização da linguagem revela uma tensão fundamental: entendida enquanto externalização e automação da linguagem verbal por via de dispositivos computacionais (programados para gerar enunciados linguísticos de forma relativamente autónoma), a pós-humanização da linguagem perturba não apenas a centralidade do humano no quadro da tradição iluminista, mas também a noção de que a linguagem verbal é exclusivamente humana. Este artigo reflecte sobre a linguagem gerada por dispositivos computacionais a partir da perspectiva dos estudos literários, e pretende sugerir caminhos de resposta a algumas das questões centrais que emergem do cruzamento entre cibernética, linguagem e literatura. O que acontece à linguagem quando esta é algoritmicamente processada e gerada? Como podem os processos de representação e produção simbólica ser pensados quando pensamos em agentes linguísticos artificiais? Em que circunstâncias podemos considerar que um texto gerado automaticamente é um poema? Através da análise de uma experiência poética que podemos adjectivar de pós-humana, no sentido em que faz uso de ferramentas e processos de geração automática de linguagem, evidenciaremos algumas das tensões entre os dispositivos computacionais e a escrita autoral, interrogando a possibilidade ou a imposibilidade de o literário se inscrever no campo cibernético da automação e demonstrando os limites da humanização da linguagem maquínica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Marques, Centro de Literatura Portuguesa - Universidade de Coimbra

Centro de Literatura Portuguesa - Universidade de Coimbra

Referências

BARBOSA, Pedro & CAVALHEIRO, Abílio. (1996), Teoria do Homem Sentado, Porto, Edições Afrontamento.

BARTHES (1973), Le Plaisir du Texte, Paris, Editions du Seuil.

BERGSON, Henri (2007), The Creative Mind: An Introduction to Metaphysics [1946], Transl. Mabelle L. Andison, N.Y., Dover Publications.

GUERREIRO, Ricardo (2015), Redes Mediadas por Computador na Composição e Performação de Situações Musicais Interactivas, Tese de Doutoramento em Ciência e Tecnologia das Artes, Universidade Católica Portuguesa. Acedido a 19.05.2019: https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/19353/1/RicardoGuerreiro_Disserta%C3%A7%C3%A3o.pdf

Jhave (2015), “ELO 2015 — Bergen – Performance”, BDP: Big Data Poetry. Acedido a 19.05.2019: http://bdp.glia.ca/elo-2015-bergen-performance/

PORTELA, Manuel (2017), “Writing under constraint of the regime of computation”, The Bloomsbury Handbook of Electronic Literature, Tabbi, Joseph (Ed.), Bloomsbury Academic

HARAWAY, Donna (1991), “A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist Feminism and the Privilege of Partial Perspective”, Simians, Cyborgs and Women: The Reinvention of Nature [1984], London, NY, Routledge. Acedido a 19.05.2019: https://monoskop.org/images/f/f3/Haraway_Donna_J_Simians_Cyborgs_and_Women_The_Reinvention_of_Nature.pdf

Publicado
2019-08-01
Como Citar
Marques, A. (2019). Poesia ciborgue e pós-humanização da linguagem:. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 58(2), 566-578. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655397