O pós-humano é agora

uma apresentação

Autores

Palavras-chave:

Pós-humanismo, Linguística aplicada, Apresentação.

Resumo

A chamada que trouxe a este dossiê os doze trabalhos aqui reunidos –  vindos do Brasil, de Portugal, da Austrália e da Índia e oriundos não só dos estudos literários e da linguagem , mas também das áreas de comunicação social, educação, ciência política e antropologia – partia da constatação de que vivemos um ponto de inflexão nas ciências humanas e sociais: a falência da crença na excepcionalidade da espécie humana, que acarreta a fé do humanismo liberal na racionalidade e autodeterminação humanas como fundamento ético, estético e político da relação do homo sapiens com os seus outros "naturais" e "artificiais".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo El Khouri Buzato, Universidade Estadual de Campinas

Professor Doutor do Departamento de Linguística Aplicada do Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP.

Referências

AMORIM, H. (2014). O trabalho imaterial em discussão: teoria e política. Caderno CRH, v. 27, n. 70, p. 9-12.

BARAD, K. (2006). Meeting the universe halfway: quantum physics and the entanglement of matter and meaning. Raleigh: Duke University Press.

BARBROOK, R.; CAMERON, A. (1996). The Californian ideology. Science as Culture, v. 6, n. 1, p. 44-72.

BRAIDOTTI, R. (2013). The posthuman. Cambridge, UK ; Malden, MA, USA: Polity Press.

BUZATO, M. E. K. (2014). Por um enfoque pós-social fundamentado na Teoria Ator-Rede para os novos letramentos e para a inclusão digital. Linguagem & Ensino, v. 17, n. 1, p. 25-60.

BUZATO, M. E. K. (2016a). Towards an interdisciplinary ICT applied ethics: language matters. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 16, n. 3, p. 493-519.

BUZATO, M. E. K. (2016b). Cidadania pós-social e encontros pós-humanos: integrando sentido, informação e emoção. In: BUZATO, M. E. K. (Ed.). Cultura Digital e Linguística Aplicada: travessias en linguagem, tecnologia e sociedade. Campinas, SP: Pontes Editores. p.173-204.

BUZATO, M. E. K. (2017).Towards a theoretical mashup for studying posthuman/postsocial ethics. Journal of Information, Communication and Ethics in Society, v. 15, n. 1, p. 74-89.

BUZATO, M. E. K. (2018). Ética e linguagem nos encontros pós-humanos. Anais do I Congresso Internacional em Humanidades Digitais. Anais... In: I CONGRESSO INTERNACIONAL EM HUMANIDADES DIGITAIS. Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 11 abr. 2018. Disponível em: https://eventos.fgv.br/hdrio2018/anais-do-evento. Acesso en: 01 fev. 2019

CELLAN-JONES, L. K. R. (2019) . AI system “should be recognised as inventor”. BBC News. Disponível em: https://www.bbc.com/news/technology-49191645. Acesso en: 01 ago. 2019

DIJCK, J. VAN. (2014).Datafication, dataism and dataveillance: Big data between scientific paradigm and ideology. Surveillance & Society, v. 12, n. 2, p. 197-208.

FOUCAULT, M. (1978) A governamentalidade. In: FOUCAULT, M. (Ed.). Microfísica do poder. Rio de Janeiro (RJ): Graal, p. 277-293.

GEE, J. P. (2015).The New Literacy Studies. In: The Routledge Handbook of Literacy Studies. London: Routledge.

HAYLES, K. (1999) How we became posthuman: virtual bodies in cybernetics, literature, and informatics. Chicago, Ill: University of Chicago Press.

HEIDEGGER, M. (1977) The question concerning technology, and other essays. New York: Garland Pub.

KNORR-CETINA, K. (2001).Post-social Relations: Theorizing Sociality in a Post-social Environment. In: Handbook of Social Theory. London: Sage Publications, p. 521-535.

LATOUR, B. (1999). Pandora’s hope : essays on the reality of science studies. Cambridge, Mass.: Harvard University Press.

LATOUR, B. (2000). Ciência em ação : como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Traducao Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Editora UNESP.

LATOUR, B. (2013) An inquiry into modes of existence: an anthropology of the moderns. Cambridge, Mass: Harvard University Press.

LATOUR, B. (2015). Waiting for Gaia. Composing the common world through arts and politics. In: YANEVA, A.; ZAERA-POLO, A. (Eds.). What is Cosmopolitical Design? Farmham: Ashgate, p. 21-33.

LAZZARATO, M. (2006). The concepts of life and the living in the societies of control. In: Deleuze Connections EUP: Deleuze and the Social (1). Edinburgh, GB: Edinburgh University Press, p. 171-190.

LIMA LOPES, R. E. de (2018). O conservadorismo como ideologia: contribuições da ciência das redes para a linguística sistêmico funcional. Letras, n. 56, p. 42-59.

MACHADO, D. F. (2018). Mediações algorítmicas: o poder de modulação dos algoritmos do Facebook. Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 43-55.

MARTIN, N. (2019). Did A Robot Write This? How AI Is Impacting Journalism. Forbes On-line, 8 fev. 2019. Disponível em: https://www.forbes.com/sites/nicolemartin1/2019/02/08/did-a-robot-write-this-how-ai-is-impacting-journalism/#cd5f0eb77957. Acesso en: 01 ago. 2019

MOITA LOPES, L. P. (1998) A transdisciplinaridade é possível em Linguística Aplicada? In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. DO C. (Eds.). Linguística aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, p. 113-128.

MOITA LOPES, L. P. M. (2009). Da aplicação da linguística à Linguística Aplicada indisciplinar. In: PEREIRA, R. C.; ROCCA. P. (Org.). Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto.

PENNYCOOK, A. (2016). Posthumanist Applied Linguistics. Applied Linguistics, p. 445-461.

PENNYCOOK, A. (2018). Posthumanist Applied Linguistics. New York: Routledge.

PONTIN, J. (2018). AI Won’t Be Quite the Revolution You Expect. Wired, 2 fev. 2018. Disponível em: https://www.wired.com/story/greedy-brittle-opaque-and-shallow-the-downsides-to-deep-learning/. Acesso em: 01 ago. 2019

RIBAS, M. M. G. (2018). Em busca de uma concepção pós-humanista de gênero: relações com espaço e agência compartilhada. In: LIMA-LOPES, R. E. DE; BUZATO, M. E. K. (Eds.). Gênero Reloading. Campinas, SP: Potes Editores, p. 43-65.

SIGNORINI, I.(2008). A questão da língua legítima na sociedade democrática: um desafio para a Linguística Aplicada contemporânea. In: MOITA LOPES, L. P.(Org.). Por uma Linguística Aplicada indisciplinar. 2. ed. São Paulo: Parábola, p. 169-190

SILVEIRA, S. A. (2017). Governo dos Algoritmos. Revista de Políticas Públicas, v. 21, n. 1, p. 267-285.

STOVER, J. (2018). There is no case for the humanities. The Chronicle of Higher Education. 04 mar. 2018. Disponível em: https://www.chronicle.com/article/There-Is-No-Case-for-the/242724. Acesso em: 04 jan. 2019

STREET, B. V. et al. (1993). Culture is a verb: anthropological aspects of language and cultural process. In: Language and culture : papers from the annual meeting of the British Association of Applied Linguistics... 1991. Clevendo: British Association for Applied Linguistics.

Downloads

Publicado

2019-09-18

Como Citar

BUZATO, M. E. K. O pós-humano é agora: uma apresentação. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 58, n. 2, p. 478–495, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8656692. Acesso em: 5 dez. 2021.