Banner Portal
“Oi, meu nome é Bettina”
PDF

Palavras-chave

homo oeconomicus
Populismo
Neoliberalismo

Como Citar

LOPES, Carlos Renato. “Oi, meu nome é Bettina”: a voz e a vez do homo oeconomicus no novo governo brasileiro. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 2, p. 1117–1133, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658459. Acesso em: 19 maio. 2024.

Resumo

O artigo propõe uma leitura do momento inicial do governo de direita ora vigente no Brasil, sugerindo a emergência de uma forma particular de populismo que, sustentada por uma lógica neoliberal de funcionamento da sociedade, constitui terreno fértil para o florescimento de um discurso de empreendedorismo e sucesso financeiro ao alcance de qualquer indivíduo. Tal configuração, que chamamos aqui de populismo neoliberal, promove em sua esteira a construção de formas específicas de subjetividade. Para ilustrar a discussão, analisamos dois anúncios virais de uma consultoria de investimentos veiculados no YouTube que encenam a nova ordem político-econômica de forma problemática e geradora de resistências.

PDF

Referências

BROWN, W. (2015). Undoing the Demos: Neoliberalism’s Stealth Revolution. Nova York: Zone Books.

BROWN, W. (2018). Neoliberalism’s Frankenstein. Authoritarian Freedom in Twentieth-First Century “Democracies”. In: Brown, W.; Gordon, P. E.; Pensky, P. Authoritarianism: Three Inquiries in Critical Theory. Chicago e Londres: The University of Chicago Press.

CHUN, C. W. (2016). Exploring Neoliberal Language, Discourses and Identities. In: Preece, S. (org.) The Routledge Handbook of Language and Identity. Londres: Routledge.

HAN, B.-C. (2017). Psychopolitics: Neoliberalism and New Technologies of Power, trad. Erick Butler. Londres e Nova York: Verso.

HARDT, M.; NEGRI, A. (2012). Declaration: This Is Not a Manifesto. Nova York: Argo Navis.

LACLAU. E. (2005). On Populist Reason. Londres e Nova York: Verso.

LORENZINI, D. (2018). Governmentality, Subjectivity, and the Neoliberal Form of Life. In: Journal for Cultural Research, v. 22, nº 2, pp. 154-166.

MUDDE, C.; KALTWASSER, C. R. (2017). Populism: A Very Short Introduction. Oxford e Nova York: Oxford University Press.

PÊCHEUX, M. (1997). O discurso: estrutura ou acontecimento, 2ª ed. Campinas: Pontes.

RYDGREN, J. (2017). Radical Right-Wing Parties in Europe: What’s Populism Got to Do With It? In: Journal of Language and Politics, v. 16, nº 4, pp. 1-12 [485-496].

STRAVAKAKIS, Y. (2017). Discourse Theory in Populism Research: Three Challenges and a Dilemma. In: Journal of Language and Politics, v. 16, nº. 4, pp. 1-12 [523-534].

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.