Banner Portal
Pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso
PDF

Palavras-chave

Normatividade
Heterogeneidade
Pesquisa acadêmica
Formação docente

Como Citar

FERRAZ, D.; DUBOC, A. P.; MENEZES DE SOUZA, L. M. Pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso: conversa com Ana Paula Duboc e Lynn Mario Menezes de Souza sobre heterogeneidade e normatividade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 2330–2355, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8660014. Acesso em: 29 fev. 2024.

Resumo

Com a proposta de debater o tema “Entre a heterogeneidade e a normatividade: pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso”, esta entrevista, conduzida junto aos professores doutores Ana Paula Duboc e Lynn Mario Menezes de Souza, ambos da Universidade de São Paulo, nos instigou ao debate sobre o conceito de normatividade transcendental, assim como as formas pelas quais ela vem se estabelecendo como regra em discursos políticos e educacionais, ensejando, desse modo, um retrocesso baseado em políticas neoconservadoras que almejam “endireitar a sociedade, por meio de políticas afeitas à ordem, ao consenso, à homogeneidade e ao universalismo”. Por outro lado, os entrevistados nos convidam a pensar que “dentro da normatividade há uma série de heterogeneidades, cada uma das quais tem a sua normatividade” e, portanto, a heterogeneidade é condição sine qua non de qualquer relação social. Esta entrevista, em forma de conversa, nos brinda com uma ampla discussão sobre linguagem, língua, políticas linguísticas e educacionais, letramentos, filosofia(s), decolonialidade, política nacional, e nos convida a uma “crítica de dentro para fora” por meio da provocação: “Qual a nossa parcela de responsabilidade como pesquisadores, como formadores de professores, como professores que estão na sala de aula, afeitos à orientação sociocultural e crítica?”.

PDF

Referências

BAKHTIN, M. (2010). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 14. Ed. São Paulo: Hucitec.

BELINTANE, C. (2017). Da corporalidade lúdica à leitura significativa: subsídios para formação de professores. São Paulo: Scortecci.

BOURDIEU, P. (1997). Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press.

CASTRO-GOMEZ, S. (2007). Decolonizar la universidad: la hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GOMEZ, S., GROSFOGUEL R. (ed.) El giro descolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

DELEUZE, G.; GUATARRI, G. (2013). O que é filosofia? 3ª edição. São Paulo: Editora 34.

DUBOC, A. P.; FORTES, O. B. S. (2019). Superdiversity, language, and society: issues on the move. Interview with Jan Blommaert and Massimiliano Spotti (Tilburg University). Educação e Pesquisa, v. 45, pp. 1-21.

FIRTH, A.; WAGNER, J. (1997). On Discourse, Communication, and (Some) Fundamental Concepts in SLA Research. The Modern Language Journal. Vol. 81, issue 3, pp. 285-300.

FREIRE, P. (2014). A pedagogia da tolerância. Rio de Janeiro e São Paulo: Paz e Terra.

GOODWIN, A. L. (2010). Globalization and the preparation of quality teachers: rethinking knowledge domains for teaching. Teaching Education. Vol. 21, No. 1, pp. 19-32.

HARAWAY, D. J. (2016). Staying with the trouble: Making kin in the Chthulucene. Durham and London: Duke University Press.

MENEZES DE SOUZA, L.M.T. (2011). Para uma redefinição de Letramento Crítico: conflito e produção de Significacão. In: Ruberval Franco Maciel e Vanessa de Assis Araujo (Orgs.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial, pp. 128-140.

QUIJANO, A. (2007). Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GOMEZ, S., GROSFOGUEL R. (ed.) El giro descolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

SAVIANI, D. (2013). A pedagogia histórico-crítica, as lutas de classe e a educação escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, pp. 25-46.

SOUSA SANTOS, B. (2007). Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, 78, pp. 3-46.

SOUSA SANTOS, B. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina.

SOARES, M. (2004). Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, pp. 5-17. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf Acesso em: 20 maio 20.

USP. (2015-2021). Universidade de São Paulo. Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia. Disponível em: http://letramentos.fflch.usp.br/sobre Acesso em: 20 maio 2020.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.