Pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso

conversa com Ana Paula Duboc e Lynn Mario Menezes de Souza sobre heterogeneidade e normatividade

Autores

Palavras-chave:

Normatividade, Heterogeneidade, Pesquisa acadêmica, Formação docente

Resumo

Com a proposta de debater o tema “Entre a heterogeneidade e a normatividade: pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso”, esta entrevista, conduzida junto aos professores doutores Ana Paula Duboc e Lynn Mario Menezes de Souza, ambos da Universidade de São Paulo, nos instigou ao debate sobre o conceito de normatividade transcendental, assim como as formas pelas quais ela vem se estabelecendo como regra em discursos políticos e educacionais, ensejando, desse modo, um retrocesso baseado em políticas neoconservadoras que almejam “endireitar a sociedade, por meio de políticas afeitas à ordem, ao consenso, à homogeneidade e ao universalismo”. Por outro lado, os entrevistados nos convidam a pensar que “dentro da normatividade há uma série de heterogeneidades, cada uma das quais tem a sua normatividade” e, portanto, a heterogeneidade é condição sine qua non de qualquer relação social. Esta entrevista, em forma de conversa, nos brinda com uma ampla discussão sobre linguagem, língua, políticas linguísticas e educacionais, letramentos, filosofia(s), decolonialidade, política nacional, e nos convida a uma “crítica de dentro para fora” por meio da provocação: “Qual a nossa parcela de responsabilidade como pesquisadores, como formadores de professores, como professores que estão na sala de aula, afeitos à orientação sociocultural e crítica?”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Ferraz, Universidade de São Paulo

Professor adjunto da Universidade de São Paulo, Brasil.

Ana Paula Duboc, Universidade de São Paulo

Docente do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo.

Lynn Mario Menezes de Souza, Universidade de São Paulo

Docente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês da Universidade de Sâo Paulo

Referências

BAKHTIN, M. (2010). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 14. Ed. São Paulo: Hucitec.

BELINTANE, C. (2017). Da corporalidade lúdica à leitura significativa: subsídios para formação de professores. São Paulo: Scortecci.

BOURDIEU, P. (1997). Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press.

CASTRO-GOMEZ, S. (2007). Decolonizar la universidad: la hybris del punto cero y el diálogo de saberes. In: CASTRO-GOMEZ, S., GROSFOGUEL R. (ed.) El giro descolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

DELEUZE, G.; GUATARRI, G. (2013). O que é filosofia? 3ª edição. São Paulo: Editora 34.

DUBOC, A. P.; FORTES, O. B. S. (2019). Superdiversity, language, and society: issues on the move. Interview with Jan Blommaert and Massimiliano Spotti (Tilburg University). Educação e Pesquisa, v. 45, pp. 1-21.

FIRTH, A.; WAGNER, J. (1997). On Discourse, Communication, and (Some) Fundamental Concepts in SLA Research. The Modern Language Journal. Vol. 81, issue 3, pp. 285-300.

FREIRE, P. (2014). A pedagogia da tolerância. Rio de Janeiro e São Paulo: Paz e Terra.

GOODWIN, A. L. (2010). Globalization and the preparation of quality teachers: rethinking knowledge domains for teaching. Teaching Education. Vol. 21, No. 1, pp. 19-32.

HARAWAY, D. J. (2016). Staying with the trouble: Making kin in the Chthulucene. Durham and London: Duke University Press.

MENEZES DE SOUZA, L.M.T. (2011). Para uma redefinição de Letramento Crítico: conflito e produção de Significacão. In: Ruberval Franco Maciel e Vanessa de Assis Araujo (Orgs.). Formação de professores de línguas: ampliando perspectivas. Jundiaí: Paco Editorial, pp. 128-140.

QUIJANO, A. (2007). Colonialidad del poder y clasificación social. In: CASTRO-GOMEZ, S., GROSFOGUEL R. (ed.) El giro descolonial: Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontifi cia Universidad Javeriana, Instituto Pensar.

SAVIANI, D. (2013). A pedagogia histórico-crítica, as lutas de classe e a educação escolar. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 5, n. 2, pp. 25-46.

SOUSA SANTOS, B. (2007). Para além do Pensamento Abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, 78, pp. 3-46.

SOUSA SANTOS, B. (2020). A cruel pedagogia do vírus. Coimbra: Almedina.

SOARES, M. (2004). Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de Educação, n. 25, pp. 5-17. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf Acesso em: 20 maio 20.

USP. (2015-2021). Universidade de São Paulo. Projeto Nacional de Letramentos: Linguagem, Cultura, Educação e Tecnologia. Disponível em: http://letramentos.fflch.usp.br/sobre Acesso em: 20 maio 2020.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Como Citar

FERRAZ, D.; DUBOC, A. P.; MENEZES DE SOUZA, L. M. Pesquisas, políticas e práticas educacionais em curso: conversa com Ana Paula Duboc e Lynn Mario Menezes de Souza sobre heterogeneidade e normatividade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 2330–2355, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8660014. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Entrevista