Os gêneros textuais digitais como estratégias pedagógicas no ensino de língua portuguesa na perspectiva dos (multi)letramentos e dos multiletramentos

Autores

Palavras-chave:

Gêneros textuais digitais, (Multi)letramentos, Multiletramentos

Resumo

Por meio de uma pesquisa bibliográfica, pautada em teóricos específicos, bem como em estudos realizados sob a forma de artigos, teses e dissertações atuais, é proposto, no presente artigo, tecer reflexões teóricas a respeito da necessidade premente de se rever a metodologia utilizada pelos professores de Língua Portuguesa na Educação Básica, sobretudo no Ensino Médio, no qual é possível utilizar/criar/adaptar estratégias pedagógicas que possam usar/integrar/aproveitar as tecnologias digitais, numa perspectiva (multi)letrada e também multiletrada. Para tanto, tem como objetivo precípuo propiciar discussões acerca da inserção dos gêneros textuais digitais, como estratégias pedagógicas, no ensino de Língua Portuguesa, à luz dos (multi)letramentos e dos multiletramentos. Nesse caminho, apresenta as narrativas digitais (digital storytelling) e a microliteratura digital como sugestões de gêneros textuais digitais que podem ser utilizados estrategicamente nas aulas de Língua Portuguesa, no Ensino Médio, a fim de torná-las mais próximas da realidade (ciber) cultural na qual, primordialmente, se insere o aluno desse segmento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jurene Veloso dos Santos Oliveira, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente é Professora efetiva da Rede Estadual de Ensino da Bahia, em Feira de Santana.

Simone Bueno Borges da Silva, Universidade Federal da Bahia

Professor Assossiado da Universidade Federal da Bahia, Brasil.

Referências

BAKHTIN, M. (2003). Os estudos literários hoje. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, p. 358-366.

BRASIL. Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica (2006).239 p. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 1). Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/book_volume_01_internet.pdf> Acesso em: 10 set. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394 (1996). Brasília-DF, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. (2017) Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf> Acesso em: 27 jan. 2018.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio – linguagens, códigos e suas tecnologias. (1999). Brasília: MEC/SEMT.

BZUNECK, J. A. (2010). Como motivar os alunos: sugestões e práticas. In: BORUCHOVITCH, E; BZUNECK, J. A; GUIMARÃES, S. E. R. (Orgs). Motivação para aprender. Petrópolis, RJ: Vozes.

CARVALHO, G. P. (2006). Uma reflexão sobre a rede MUNDIAL de computadores. Sociedade e Estado. 21 (2): 549-554, Brasília, maio/ago.

CARVALHO, G. S. (2008). As Histórias Digitais: Narrativas no Século XXI. O Software Movie Maker como Recurso Procedimental para a Construção de Narrações. Dissertação de Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

COUTO. E. S. (2014). Pedagogias das conexões: Compartilhar conhecimentos e construir subjetividades nas redes sociais digitais. In: Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar/ Cristiane Porto; Edméa Santos (Organizadoras). – Campina Grande: EDUEPB, pp. 47-65.

FREIRE, P. (1987). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, Paz e Terra.

HALL, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (11ª. Edição). São Paulo: DP&A.

KIELING, A. S. K. (2012). Narrativas digitais interativas e o uso da tecnologia como narrador implícito. Revista FAMECOS mídia, cultura e tecnologia. Porto Alegre, v. 19, n. 3, pp. 739-758, setembro/dezembro 2012.

KLEIMAN, A. (1995). Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: KLEIMAN, A. (Org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, p. 15-61.

LÉVY, P. (2010). Cibercultura. Trad. de Carlos Irineu da Costa. 3ª ed. – São Paulo: Ed. 34.

LOPES, T. R. C.; ALVES, I. M. R. (2011). Novos meios, novas práticas de ensino-aprendizagem: proposta de produção colaborativa de um twitconto. Revista Renote. Novas Tecnologias na Educação. v. 9, . 2.

MARCUSHI, L.A. (2010). Gêneros textuais emergentes no contexto de tecnologia digital. Em: MARCUSHI, L.A &XAVIER, A.C. (orgs.) Hipertexto e Gêneros Digitais: novas formas de construção de sentido. 3ª ed. São Paulo: Cortez.

OLIVEIRA, J.V.S. (2018). 184 f. il. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

PAIVA, V. L. M. O. (2016). A linguagem dos emojis. Trab. linguist. apl. [online]. vol. 55, n.2, pp. 379-401. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/tla/v55n2/0103-1813-tla-55-02-00379.pdf> Acesso em: Acesso em: 09 nov. 2019.

ROCHA, A. A. C. O. M. (2013) MICROCONTO – NOVO GÊNERO textual. Monografia (Pós-Graduação) – Universidade Católica de Brasília, Brasília.

ROJO, R. H.; MOURA, E. (Orgs.). (2012) Multiletramentos na Escola. São Paulo: Parábola Editorial.

ROJO, R. H.; BARBOSA, J. (2015). Hipermodernidade, Multiletramentos e Gêneros Discursivos. São Paulo: Parábola Editorial.

ROSSATTO, E. (2010). Cem toques cravados. São Paulo: Andross.

SILVA, O. S. F. (2008). Tessituras (Hiper) textuais: leitura e escrita nos cenários digitais. Salvador: Quarteto.

SILVA, O. S. F. (2017). (Multi)letramentos e formação de professores na sociedade digital: entretecendo (desa)fios. In: ALVES, Lynn e MOREIRA, J. António.(Orgs.) Tecnologias & aprendizagens: delineando novos espaços de interação. Salvador: EDUFBA, p. 213-241.

SILVA, S. B. B. (2019) Língua e tecnologias de aprendizagem na escola. In: Educação, (multi)letramentos e tecnologias: tecendo redes de conhecimento sobre letramentos, cultura digital, ensino e aprendizagem na cibercultura / Obdália Ferraz, organizadora. – Salvador: EDUFBA, pp. 189-204.

SOARES, M. (2005) Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

SOARES, M. (2002). Novas Práticas de Leitura e Escrita: letramento na cibercultura. Educ. Soc., Campinas, vol. 23, n. 81, p. 143-160, dez. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/es/v23n81/13935.pdf.>Acesso em 10 jan. 2016.

STREET, B. V. (2014). Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B. (2014). Narrativas digitais e o estudo de contextos de aprendizagem. Em Rede, Revista de Educação a Distância, 1(1), 32-50. Disponível em: Acesso em: 16 set. 2018.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Como Citar

OLIVEIRA, J. V. dos S. .; SILVA, S. B. B. da. Os gêneros textuais digitais como estratégias pedagógicas no ensino de língua portuguesa na perspectiva dos (multi)letramentos e dos multiletramentos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 2162–2182, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8660383. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos