O engajamento em movimentos sociais e a luta por justiça

um estudo sobre as narrativas de mães negras

Autores

Palavras-chave:

Análise de Narrativa, Grief, Resistência

Resumo

O artigo se debruça sobre práticas narrativas de um movimento social formado por mães e outros familiares de jovens vítimas de incursões policiais em favelas do Rio de Janeiro. A partir da análise das narrativas de seus membros, a pesquisa tem como objetivo compreender como se dá a transformação do luto em luta, isto é, examinar como as mães articulam sofrimento pessoal e ativismo político, o que inclui a análise de: i) como emoções e sofrimento são organizados nas narrativas dessas mulheres; ii) que mecanismos discursivos são utilizados nessa articulação. Os dados foram gerados em protestos públicos e a análise sugere que é transformando a dor da perda de um filho em revolta que as mães organizam narrativamente suas emoções. Tal organização se dá por meio da racionalização dos eventos que compõem o cenário do assassinato; e da coletivização da experiência. Com esses movimentos discursivos, as histórias das mães se configuram em narrativas de resistência ao racismo institucional e também de reexistência (SOUZA, 2009), na medida em que redescrevem a morte de seus filhos como parte da lógica de atuação necropolítica do Estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Etyelle Pinheiro de Araújo, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutoranda em Estudos da Linguagem pela PUC-Rio - com período sanduíche no departamento de Sociologia da Boston University (bolsista PDSE-CAPES) e no Afro-Latin American Research Institute da Universidade de Harvard (bolsista CNPq).

Liana de Andrade Biar, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutorado em  Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Professor Adjunto I da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Liliana Cabral Bastos, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Doutorado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Membro da Comissão Geral-Dep. Letras da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Brasil.

Referências

BASTOS, L. C. (2005). Contando estórias em contextos espontâneos e institucionais – uma introdução ao estudo da narrativa. Calidoscópio. vol. 3, n. 2, p. 74-87.

BASTOS, L. C. & BIAR, L. (2015). Análise de narrativa e práticas de entendimento da vida social. DELTA – Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, vol. 31.

BAUMAN, R. (1986). Story, Performance, and Event: Contextual Studies of Oral Narrative. Cambridge: Cambridge University Press.

BRUNER, J. (1990). Atos de significação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

BUTLER. J. (2009) Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER. J. (2020). De quem são as vidas consideradas choráveis em nosso mundo público?. El País, 10jul. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/babelia/2020-07-10/judith-butler-de-quem-sao-as-vidas-consideradas-choraveis-em-nosso-mundo-publico.html Acesso em: 30 jul. 2020.

CERQUEIRA, D. et al. (2017). Atlas da violência - 2017. Rio de Janeiro: IPEA; São Paulo: FBSP. Disponível: http://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/2/atlas-2017

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (2006). A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: Denzin, N.; Lincoln, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

EWICK, P. SILBEY, S. (2003). Narrating Social Structure: Stories of Resistance to Legal Authority. AJS v. 108, n6 (may 2003), 1328-72, Chicago.

FACCHINI, R. SÍVORI, H. (2017). Dossiê Conservadorismo, Direitos, Moralidades e Violência: situando um conjunto de reflexões a partir da Antropologia. Cad. Pagu n.50, Campinas, Epub June 26.

FREIRE, J. 2011. Quando as emoções dão formas às reivindicações. In: Coelho, M. C. e Rezende, C. B. (orgs.) Cultura e Sentimentos - Ensaios em antropologia das emoções. Rio de Janeiro: FAPERJ, pp. 168-196.

GEORGAKOPOLOU, A. 2006. Thinking big with small stories in narrative and identity analysis. Narrative Inquiry, v.16, n.1, p.122-130.

GOMES, N. L. (2012). Alguns Termos E Conceitos Presentes No Debate Sobre Relações Raciais No Brasil: Uma Breve Discussão. Revista Educação e Sociedade. V.33, nº 120 – jul-set.

GONZALEZ, L. (1982) O Movimento Negro na última década. In Gonzalez, L. e Hasenbalg, C. Lugar de Negro. Rio de Janeiro: Marco Zero.

JASPER, J. (1997). The Art of Moral Protest: Culture, Biography, and Creativity in social Movements. Chicago: Chicago University Press.

KILOMBA, G. (2008). Memórias da Plantação: Episódios de Racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LABOV, W. (1972). The transformation of experience in narrative syntax. In: Language in the inner city. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

LINDE, C. (1993). Life Stories: the creation of conference. NY: Oxford University Press.

LODER, L.L. (2008). O modelo Jefferson de transcrição: convenções e debates. In: L.L. Loder; N.M. Jung (org.) Fala-em-interação social: introdução à análise da conversa etnometodológica. São Paulo: Mercado de Letras, p. 127-161.

MBEMBE, A. (2018). Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições.

MELUCCI. A. (2001). A invenção do presente; Movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes.

MISSE, M, (org.) (2011). "Autos de Resistência": uma análise dos homicídios cometidos por policiais na cidade do Rio de Janeiro (2001-2011)". Relatório Final de Pesquisa - Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflitos e Violência Urbana. Universidade Federal do Rio de Janeiro: Mimeo.

MOITA LOPES, L.P. (2001). Práticas narrativas como espaço de construção das identidades sociais: uma abordagem socioconstrucionista. In: Ribeiro, Lima e Lopes Dantas (orgs.). Narrativa, Identidade e Clínica. Rio de Janeiro: IPUB

NASCIMENTO, A. do. (1978). O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

NASCIMENTO A. A. Do; GRILLO, C.C.; NERI, N. E. (2009). Autos com ou sem resistência: Uma análise dos inquéritos de homicídios cometidos por policiais. 33º Encontro Anual da ANPOCS - Anais. Disponível em:https://anpocs.com/index.php/papers-33-encontro/gt-28/gt08-24/1843-andreanascimento-autos/file

POLLETTA, F; JASPER J. M. (2001). Collective Identity and Social Movements. Annual Review of Sociology; 27:283–305

REZENDE, C. B. e COELHO, M. C. (2015). Antropologia das Emoções. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2ª reimpressão.

SANTIAGO, V.W.B. (2016). A luta das mães nas favelas: margens, Estado e resistência. Dissertação (Mestrado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

SARBIN, T. R. (2001). Embodiment and the Narrative Structure of Emotional Life. Narrative Inquiry, 11 (1), 217-225, Amsterdam.

SCHERER WARREN, I. (1999). Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização. São Paulo: Hucitec.

SINHORETTO, J. e MORAIS, D. de S. (2018). “Violência e racismo: novas faces de uma afinidade reiterada”. Revista de Estudios Sociales 64: 15-26. https://doi.org/10.7440/res64.2018.02

SOUZA, A. L. S. (2009). Letramentos de Reexistência: culturas e identidades no movimento hip-hop. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas, SP: [s.n.].

TANNEN, D. (1989). Talking Voices: Repetition, Dialogue, and Imagery in Conversational Discourse. New York: Cambridge University Press.

TELLES, E. (2004). Race in Another America: The Significance of Skin Color in Brazil. Princeton; Oxford: Princeton University Press.

TOURAINE, A. Pensar outramente. Petrópolis: Vozes, 2007.

THOMPSON, R. A. (1990). Emotion and self-regulation. In Thompson, R. A. (Ed.) Socioemotional development. Nebraska Symposium on Motivation. Lincoln, NE: University of Nebraska Press, Vol. 36 (pp. 367-467).

WINANT, H. (2001). The world is a ghetto: Race and Democracy since World War II. New York: Basic Books.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

ARAÚJO, E. P. de .; BIAR, L. de A.; BASTOS, L. C. O engajamento em movimentos sociais e a luta por justiça: um estudo sobre as narrativas de mães negras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 1688–1709, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661204. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê