Banner Portal
Estudando práticas Quilombolas de resistência no instagram
PDF (English)

Palavras-chave

Mídias sociais
Práticas multissemióticas
Interseccionalidade
Resistência

Como Citar

MARQUES, Djankaw Matheus de Lima; CAMARGO, Mabia. Estudando práticas Quilombolas de resistência no instagram. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 3, p. 1946–1965, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661235. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Este artigo analisa a forma como as práticas semióticas e as subjetividades são performadas na mídia social Instagram por Djankaw, uma quilombola negra e trans. O objetivo do artigo é observar como, através das postagens de Djankaw, sua subjetividade é performada online, focando nas interseções de raça, classe, etnia e sexualidade por elx produzidas. A comunidade onde Djankaw vive luta contra muitas dificuldades, haja vista que seu território tem sido disputado no tribunal com os latifundiários suábios e o negócio capitalista de monocultura que eles praticam. Somente após intensas batalhas legais que parte das terras ancestrais dos quilombolas lhes foi restituída. Mantendo essas disputas jurídicas em nossa atenção, voltamo-nos às performances de Djankaw na internet e às formas como essas performances instigam um debate produtivo sobre a identidade Afro-brasileira ‘quilombola’ e ressoam com as lutas dos grupos marginalizados pela ocupação de diversos tempo-espaços no interior do Brasil. As postagens de Djankaw e suas práticas corpóreas operam como sítios propícios ao questionamento sobre o que significa ser negrx, trans e quilombola. A complexidade das posições de sujeito de Djankaw é aumentada por sua conexão com diferentes religiões; elx incorpora diferentes práticas espirituais que também orquestram discussões sobre raça, sexualidade e gênero. Quando Djankaw performa suas subjetividades na internet, elx mobiliza e reconfigura essas marcas sociais ao mesmo tempo em que se engaja em práticas semióticas de resistência contra o apagamento histórico das culturas quilombolas e luta por espaço nas redes sociais.

PDF (English)

Referências

BONFANTE, Gleiton. (2016). Erótica dos signos em aplicativos de pegação: processos multissemióticos em performances íntimo-espetaculares de si. Rio de Janeiro: Editora Multifoco.

BRAZIL. (2003) Decreto-lei n. 4. 887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, Brasília, DF.

BRAZIL. (1988) Constituição. Artigo 68 do ADCT – Direito à Propriedade das terras das comunidades remanescentes de quilombo.

BUTLER, Judith. (2018). Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CAMARGO, Mabia. (2019) “Acuenda esse bajubá: indexicalidades e interseccionalidades nas performances narrativas de uma travesti quilombola.” Doctoral dissertation. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

CARVALHO, Roberta; LIMA, Gustavo da Costa. (2013). Comunidades Quilombolas, Territorialidade e a Legislação no Brasil: uma análise histórica. Revista de Ciências Sociais, no. 39, 329-346.

COUPLAND, Nikolas. (2007). Style: language variation and identity. Cambridge University Press.

CRENSHAW, Kimberlé. (1994) Mapping the Margins: Intersectionality, Identity Politics, and Violence Against Women of Color. New York: Routledge.

CRUZ, Marcelus, et al. (2006). “Quilombos: referência de resistência à dominação e luta pela terra no Paraná”. In: História e cultura afro-brasileira e africana: educando para as relações étnico-raciais. Cadernos Temático. Curitiba: Secretaria de Estado do Paraná.

DELEUZE, Gilles. (2002) Espinosa: Filosofia prática. São Paulo: Escuta.

FABRÍCIO, Branca Falabella. (2015) Policing the borderland in a digital lusophone territory. In: MOITA LOPES, L. P. Global Portuguese: Linguistic ideologies in late modernity. New York: Routledge, 2015.

FABRÍCIO, Branca Falabella. (2020) Viagens textuais em tempo de crise. Contxt. http://contxt.letras.ufrj.br/blog/item/22-viagens-textuais.html>. Last access on September 14, 2020.

GOMES, Flávio dos Santos. (2015). Mocambos e quilombos: uma história do campesinato negro no Brasil. São Paulo: Claro Enigma.

GOMES, Nilma Lino. (2019). A compreensão da tensão regulação/emancipação do corpo e da corporeidade negra na reinvenção da resistência democrática. Revista Perseu, n. 17, ano 12.

HARTUNG, Mirian. (2013). "Ser E não ser", eis a questão: relatórios antropológicos, categorias nativas e Antropologia. Revista de Antropologia, USP: São Paulo, v. 56, n. 2, 2013.

HARTUNG, Mirian. (2004). O sangue e o espírito dos antepassados: escravidão, herança e

expropriação no grupo negro Invernada Paiol de Telha. Florianópolis: NUER/UFSC.

FOUCAULT, Michel. (1978). History of sexuality. Volume 1: An introduction. New York Pantheon Books.

O’RILLEY, Tim. (2007). What Is Web 2.0: Design Patterns and Business Models for the Next Generation of Software. Communications & Strategies, n. 65, p. 17-37.

PENNYCOOK, Alastair. (2007). Global Englishes and transcultural flows. New York: Routledge.

POULSEN, Søren Vigild; KVÅLE, Gunhild; LEEUWEN, Theo van. (2018). Special Issue: Social media as semiotic technology. Routledge: Social Semiotics, vol. 28, n. 5, p. 593-600.

RASSI, Natalie. (2016). Empowerment, control & the female body: is Instagram a platform for change? University of Ottawa: Canada.

REIS, João José; MAMIGONIAN, Beatriz Gallotti. (2004). “Nagô and Mina: The Yoruba Diaspora in Brazil.” In: Falola, T.; Childs, M. D. The Yoruba diaspora in the Atlantic world. Bloomington: Indiana University Press, p. 77-110.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.