Crítico "pero no mucho"

problematizando a abordagem de questões identitárias em uma unidade de um livro didático de inglês para o Ensino Médio

Autores

Palavras-chave:

Pedagogia de letramento queer, Letramento racial crítico, Prática problematizadora, Material didático de inglês para a Educação Básica, Formação docente

Resumo

Neste estudo problematizamos a visão de criticidade em um livro didático de inglês para o primeiro ano do Ensino Médio, pertencente a uma coleção aprovada pelo Programa Nacional do Livro e Material Didático 2018 (PNLD) e apontamos formas de preencher lacunas em tal material através de sugestões para uma formação de professores realmente crítica e antirracista. Alinhadas a uma abordagem pedagógica de letramento queer (LIN, 2014) e de letramento crítico racial (FERREIRA, 2015a; 2015b), defendemos a posição de que uma prática problematizadora (PENNYCOOK, 2004) antirracista deva estar presente na formação dos professores de língua, além de manuais e orientações elaborados para os docentes de inglês. Neste sentido, a perspectiva de "crítico" por nós adotada procura motivar o questionamento e estranhamento (LIN, 2014) dos discursos naturalizados, levando-se em consideração questões de acesso, poder, diferença, desigualdade e resistência (PENNYCOOK, 2004). Analisamos a primeira unidade do livro, intitulada "Who am I?" e voltada para aspectos referentes à identidade, e a fundamentação teórica do material didático, juntamente com as orientações dadas aos/às professores(as) para a abordagem das atividades de tal unidade. As considerações que fazemos ao final da análise apontam para a necessidade de uma formação docente que possa complementar o material e, dessa forma, ir além das sugestões das autoras para, de fato, promover práticas pedagógicas antirracistas problematizadoras, através da reflexão sobre questões identitárias de caráter interseccional e decolonial, pois neste caso, e possivelmente em outros, as orientações elaboradas para os docentes no material didático não problematizam tais aspectos, sinalizando a ausência de questionamentos que levem à uma agenda transformadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Helena da Silva Costa, Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro

Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora I de Inglês na SME/RJBrasil.

Raquel de Almeida Rodrigues, Colégio Pedro II

Doutoranda no Programa de Pós-graduação Interdisciplinar de Linguística Aplicada da UFRJ. Professora de inglês no Colégio Pedro II.

Referências

ABRAHÃO, A.L. et al. (2014). O Pesquisador IN-MUNDO e o processo de produção de outras formas de investigação em saúde. In: GOMES, M. P. C.; MERHY, E.E. (orgs.). Pesquisadores IN-MUNDO: Um estudo da produção do acesso e barreira em saúde mental. Coleção Micropolítica do Trabalho e o Cuidado em Saúde. Porto Alegre: Rede Unida, p. 155-170.

AOC Twitch Stream Becomes One of the Highest-Watched Ever, 2020. 1 vídeo (4min56s). Transmitido ao vivo em 23 de julho de 2020 pelo Canal Diálogos. Disponível em:. https://youtu.be/mtrAwh0fWeA Acesso em 29 out. 2020.

BRASIL. (2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Coordenação Geral do Ensino Médio. Programa Ensino Médio Inovador Documento Orientador. Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13249-doc-orientador-proemi2013-novo-pdf&category_slug=junho-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 28 out. 2020.

FANON, F. (1969). Em Defesa da Revolução Africana. Tradução de Isabel Pascoal. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1980.

FERREIRA, A. J. (2015a). Letramento racial crítico através de narrativas autobiográficas: com atividades reflexivas. Ponta Grossa: Estúdio Texto.

FERREIRA, A. J. (org). (2015b). Narrativas Autobiográficas de Identidades Sociais de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe em Estudos da Linguagem. Campinas: Pontes Editores.

FERREIRA, A. J. (2018). Educação Linguística Crítica e Identidades Sociais de Raça. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V. S.; MONTE MÓR, W. (orgs.). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de inglês. São Paulo: Pá de Palavra, p. 39-46, PDF.

FREIRE, P. (1967). Educação como Prática da Liberdade. In: FREIRE, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GEE, J. P. (1999). An Introduction to Discourse Analysis: Theory and method. Nova Iorque: Routledge, 2005.

GILL, R. (2010). Análise de discurso. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 8. ed. Petrópolis: Vozes, p. 244- 270.

GOMES, N. L. (2005). Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: OUANE, A. et al. (eds). Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal n० 10639/03. Coleção Educação para Todos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, p. 39-64.

HOOKS, B. (2010). Ensinando Pensamento Crítico: Sabedoria Prática. Tradução de Bhuvi Libanio. São Paulo: Elefante, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2020). Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios Contínua 2012/2019. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html. Acesso em: 28 out. 2020.

KIRMELIENE, V. C. C. et al. (2016). Circles 1. Livro do ela. São Paulo: FTD.

LIN, C. K. (2014). Frameworks for understanding LGTBQ-inclusive Environments. Disponível em: http://center.uoregon.edu/NCTE/uploads/2014NCTEANNUAL/HANDOUT/KEY_2013462/frameworksforUnderstandingLGBTQinclusiveenvironments.pdf. Acesso em: 03 nov. 2015.

LUKE, A.; FREEBODY, P. (1997). Critical Literacy and the Question of Normativity: An Introduction. In: LUKE, A.; FREEBODY, P. Constructing critical literacies: teaching and learning textual practice. Cresskill, New Jersey: Hampton Press, p. 1-18.

MELO, G. C. V. (2015). O lugar da raça na sala de aula de inglês. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN). v. 7, n. 17, p. 65-81. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/72. Acesso em: 28 out. 2020.

MOITA LOPES, L. P. (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 85-107.

PENNYCOOK, A. (2004). Critical Applied linguistics. In: DAVIES, A.; ELDER, C. (eds.). The Handbook of Applied Linguistics. Oxford: Blackwell Publishing, p. 784-807.

POR uma "proximidade crítica" nos estudos em Linguística Aplicada. Palestrantes: Luiz Paulo da Moita Lopes e Branca Falabella Fabrício. Ceará: Diálogos, 2020. 1 vídeo (73min48s). Transmitido ao vivo em 23 de julho de 2020 pelo Canal Diálogos. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=qWdcGxni8gA&feature=youtu.be. Acesso em 27 out. 2020.

SANTOS. B. S.; MENESES, M. P. (orgs.). (2009). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina S.A.

TILIO, R. (2017). Ensino crítico de língua: afinal, o que é ensinar criticamente? In: JESUS, D.; ZOLIN-VESZ, F.; CARBONIERI, D. (orgs.). Perspectivas críticas no ensino de línguas: novos sentidos para a escola. Campinas: Pontes, p. 19-31.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

COSTA, P. H. da S.; RODRIGUES, R. de A. Crítico "pero no mucho": problematizando a abordagem de questões identitárias em uma unidade de um livro didático de inglês para o Ensino Médio. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 500–517, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661811. Acesso em: 19 out. 2021.