Mercantilização da linguagem na promoção do turismo de luxo na Selva Iryapú (Misiones, Argentina)

autenticidade, deslocamentos e resistência

Autores

Palavras-chave:

Sociolinguística e turismo, Mercantilização da linguagem, Autenticidade

Resumo

Vivendo na região da tríplice fronteira Argentina-Brasil-Paraguai, comunidades indígenas da cidade argentina de Puerto Iguazú têm sofrido modificações sociais e territoriais devidas a políticas que resultaram na construção da área turística Selva Iryapú, explorada por redes hoteleiras nacionais e internacionais. Este artigo discute os usos da linguagem na promoção do turismo nessa área, onde elementos da língua e da cultura guaranis são mobilizados para produzir autenticidade e gerar valor agregado simbólico (HELLER; DUCHÊNE, 2012, 2016). Para elaborar este estudo de caso de caráter exploratório, foi realizada pesquisa bibliográfica sobre os guaranis e o turismo na tríplice fronteira; posteriormente, foram efetuadas seleção e análise de textos utilizados na promoção do turismo na área. A análise aponta que tanto os hotéis de luxo quanto as comunidades indígenas mobilizam recursos da língua e da cultura guaranis para gerar valor agregado a produtos e serviços turísticos. No caso dos guaranis, tais usos expressam tanto adesão ao enquadre de lucro quanto estratégias de resistência, de uso desses discursos em prol da preservação de sua língua e cultura. Embora diversos estudos da área apontem a mercantilização da linguagem como possível potencializadora da agentividade dos sujeitos e de geração de renda a grupos minoritários, no presente caso argumentamos que os guaranis, inseridos em uma relação de exploração e alienação capitalista com o empreendimento Selva Iryapú, posicionam-se entre a necessidade e a resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Simone da Costa Carvalho, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Professora assistente na Universidade Federal da Integração Latino-Americana, atuando na área de Letras e Linguística e no Ciclo Comum de Estudos (Eixo de Línguas).

Referências

APPADURAI, A. (1986). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EDUFF, 2008.

CANTORE, A.; BOFFELLI, C. (2017). Etnicidad mbyá en Puerto Iguazú: Explotación turística de/en comunidades indígenas en la triple frontera (Misiones, Argentina). Runa, v. 38, n. 2, p. 53-69.

DIECKOW, L. (2012). El uso de las fallas del mercado en los productos turísticos de destinos emergentes. Estudio de caso: destino Iguazú Cataratas (Argentina-Brasil). Palermo Business Review, v. 6, p. 163-176.

ENRIZ, N. (2011). Políticas públicas para familias indígenas en Misiones. Runa, n. 32, v. 1, p. 27-42.

ENRIZ, N. (2018). Turismo internacional de gran escala e identidad étnica en la Triple Frontera misionera. Etnografías, DOSSIER 20 años del Idaes - Investigación y docencia en Ciencias Sociales para una sociedad más justa, a. 4, p. 81-88.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

GONZÁLES, R.; RAMPELLO, P.; DOMÍNGUEZ, I. (2017). Impactos socio-territoriales: Puerto Iguazú y Reserva Iriapú, 600 hectáreas. Misiones, Argentina. Revista El periplo sustentable, n. 3, p. 363-393.

HARVEY, D. (2016). 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

HARVEY, D. (2018). Alienation. Triple C, n. 16, v. 2, p. 424-439.

HELLER, M. (2005). Language, skill and authenticity in the globalized new economy. Noves SL. Revista de Sociolinguística, n. 2, p. 1-7.

HELLER, M. (2010). The Commodification of Language. The Annual Review of Anthropology, v. 39, p. 101-114.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2012). Pride and profit: Changing discourses of language, capital and nation-state. In: Duchêne, A.; Heller, M. (orgs.), Language in late capitalism: Pride and profit. New York: Routledge, p. 1-21.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2016). Treating language as an economic resource: Discourse, data and debate. In: Coupland, N. (org.), Sociolinguistics: Theoretical debates. Cambridge: Cambridge Press, p. 139-156.

HELLER, M.; JAWORSKI, A.; THURLOW, C. (2014). Introduction: Sociolinguistics and tourism – mobilities, markets, multilingualism. Journal of Sociolinguistics, n. 18, v. 4, p. 425-458.

HELLER, M.; McELHINNY, B. (2017). Language, capitalism, colonialism: toward a critical history. Toronto: University of Toronto Press.

HELLER, M.; PUJOLAR, J.; DUCHÊNE, A. (2014). Linguistic commodification in tourism. Journal of Sociolinguistics, n. 18, v. 4, p. 539–566.

HERNÁNDEZ, F. M. (2017). “El mundo es ancho y turístico”. Apuntes teórico-metodológicos para una geografía del turismo en la actualidad. Espacio y Desarrollo, n. 29, p. 57-90.

JAFFE, A. (2019). Poeticizing the economy: The corsican language in a nexus of pride and profit. Multilingua, n. 38, v. 1, p. 9-27.

KELLY-HOLMES, H.; PIETIKÄINEN, S. (2014). Commodifying Sámi culture in an indigenous tourism site. Journal of Sociolinguistics, n. 18, v. 4, p. 518-538.

MASON, J. (2002). Qualitative researching. Londres: Sage Publications.

MELIÀ, B. (1989). La tierra-sin-mal de los Guaraníes: Economía y profecía. América Indígena, n. 3, v. XLIX, p. 491-507.

MELIÀ, B. (2008). (Org.) Guarani Retã 2008. Povos Guarani na fronteira Argentina, Brasil e Paraguai. Realização: UNaM, ENDEPA; CTI, CIMI, ISA, UFGD; CEPAG, CONAPI, SAI, GAT, SPSAJ, CAPI.

MELIÀ, B. (2016). (Org.) Mapa Guaraní Continental 2016. Povos Guarani na Argentina, Bolívia, Brasil e Paraguai. Argentina: ENDEPA e UNSA; Bolivia: APG, CIPCA, CERDET y ILC; Brasil: ATY GUASU, YVY RUPA, CIMI, CTI, ISA, FAIND, UNILA y FUNAI; Paraguai: CONAPI; Continental: CCNAGUA.

PIETIKÄINEN, S; KELLY-HOLMES, H. (2011). The local political economy of languages in a Sámi tourism destination: Authenticity and mobility in the labelling of souvenirs. Journal of Sociolinguistics, n. 15, v. 3, p. 323-346.

PIETIKÄINEN, S.; KELLY-HOLMES, H.; JAFFE, A.; COUPLAND, N. (2016). Sociolinguistics from the periphery: small languages in new circumstances. Cambridge: University Press.

SOUZA, A. L. (2011). Letramentos de reexistência – poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola Editorial.

SOUZA, A. L.; JOVINO, I. S.; MUNIZ, K. S. (2018). Letramento de reexistência – Um conceito em movimentos negros. Revista da ABPN, v. 10, p. 01-11.

THURLOW, C.; JAWORSKI, A. (2012). Elite mobilities: The semiotic landscapes of luxury and privilege. Social Semiotics, n. 4, v. 22, p. 487-516.

WILDE, G. (2007). De la depredación a la conservación. Génesis y evolución del discurso hegemónico sobre la selva misionera y sus habitantes. Ambiente & Sociedade, n. 1, v. X, p. 87-106.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

CARVALHO, S. da C. Mercantilização da linguagem na promoção do turismo de luxo na Selva Iryapú (Misiones, Argentina): autenticidade, deslocamentos e resistência. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 347–363, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664778. Acesso em: 19 out. 2021.