Nossa casa está caindo... e agora, Vanessa?

capitalismo, decolonialidade e futuros re-imaginados

Autores

Palavras-chave:

Modernidade/colonialidade, Interrupção, Futuros alternativos, Cosmologias indígenas , Responsabilidade visceral

Resumo

Fruto de diálogos estabelecidos ao longo de algum tempo, a presente entrevista intenta contribuir para ampliar os horizontes da pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil e das pesquisas fundamentadas em quadros de referência críticos e decoloniais, que colocam em xeque a modernidade/colonialidade, bem como noções de progresso, desenvolvimento, verdade, certeza e educação fundadas na separabilidade que privilegia o ser humano em relação a todos os outros seres. É nessa tônica que a professora Vanessa de Oliveira Andreotti, titular da Cátedra de Pesquisa Canadense em questões relacionadas a raça, globalização, desigualdades e transformações sociais na educação, nos convida a dar um passo atrás: não para enxergar o “verdadeiro” cenário e analisar as consequências da globalização, mas para tentarmos entender os padrões históricos e sistêmicos de reprodução dessas desigualdades e assim vislumbrar ou mesmo criar possibilidades outras de coexistência no planeta. O escopo da entrevista, neste sentido, insere a Linguística Aplicada num universo amplo que inclui nossas bases ontoepistemológicas na percepção do que seja construir conhecimento e fazer ciência num processo de ampliação de possibilidades de leitura de si, do outro e do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa de Oliveira Andreotti , Universidade da Colúmbia Britânica

Canada Research Chair & Associate Professor da Universidade da Colúmbia Britânica, Canadá.

Jhuliane Evelyn da Silva, Universidade Federal do Paraná

Doutoranda em Letras pela Universidade Federal do Paraná

Clarissa Menezes Jordão, Universidade Federal do Paraná

Professora sênior no Programa de Pós Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná - Curitiba - PR.

Referências

AHENAKEW, C. (2016). Grafting Indigenous ways of knowing onto non-Indigenous ways of being: the (underestimated) challenges of a decolonial imagination. International Review of Qualitative Research, v. 9, n. 3, p. 323-340.

AHENAKEW, C.; ANDREOTTI, V.; COOPER, G.; HIREME, H. (2014). Beyond epistemic provincialism: de-provincializing Indigenous resistance. AlterNative: An International Journal of Indigenous Peoples, v. 10, n. 3, p. 216-231.

ANDREOTTI, V. (2016). (Re) imagining education as an un-coercive re-arrangement of desires. Other Education, v. 5, n. 1, p. 79-88.

ANDREOTTI, V. (2019). The enduring challenges of collective onto- (and neuro-) genesis. Lapiz, n. 4, p. 61-78.

ANDREOTTI, V.; STEIN, S.; SIWEK, D.; CARDOSO, C.; CAJKOVA, T.; PATAXO, U.; PITAGUARY, B.; PITAGUARY, R.; HUNI KUI, N.; JIMMY, E. (2019). Sinalizando rumo a futuros decoloniais: observações pedagógicas e de pesquisa de campo. Sinergias – diálogos educativos para a transformação social, n. 9, p. 9-28.

ANDREOTTI, V.; STEIN, S.; SUSA, R. (2019). Da casa construída pela modernidade ao micélio saudável. Sinergias – diálogos educativos para a transformação social, n. 8, p. 9-19.

ASHER, K. (2019). Reivindicar la cercanía entre los feminismos poscoloniales y decoloniales con base en Spivak y Rivera Cusicanqui. Tabula Rasa, n. 30, p. 13-25.

BAKHTIN, M. (2010). Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores.

BAKHTIN, M. (2016). Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34.

BURMAN, A. (2012). Places to think with, books to think about. Human Architecture: Journal of the sociology of self-knowledge, v. 10, n. 1, p. 101-120.

CAMERON, D. (1997). Demithologyzing Sociolinguistics. In: Coupland, N. & Jaworski, A. (ed.), Sociolinguistics: a reader. New York: MacMillan.

CUSICANQUI, S. (2012). Ch'ixinakax utxiwa: a reflection on the practices and discourses of decolonization. South Atlantic Quarterly, v. 111, n. 1, p. 95-109.

DA SILVA, N. R.; SOTERO, A. L. E. (2020). A ineficiência da aplicabilidade na Lei Maria da Penha. São Paulo, Revista Âmbito Jurídico, n. 198, [não paginado].

DERRIDA, J. (2005). A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras.

FREIRE, P. (2014). Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Paz e Terra.

GROSFOGUEL, R. (2019). Epistemic extractivism: a dialogue with Alberto Acosta, Leanne Betasamosake Simpson, and Silvia Rivera Cusicanqui. In: Sousa Santos, B. & Meneses, M. P. (org.). Knowledges born in the struggle. New York: Routledge, p. 203-218.

HELLER, M.; MC ELHINNY, B. (2017). Language, capitalism, colonialism: toward a critical history. Toronto: University of Toronto Press.

JORDÃO, C.M. Applied linguistics “made in Brasil”: a guessing game. In: Silveira, Rosane & Rodrigues, Alison. Applied Linguistics at Issue: dialogues among Brazilian educators. Florianópolis: Editora da UFSC. No prelo.

MIKA, C. (2017). Indigenous education and the metaphysics of presence: a worlded philosophy. New York: Taylor & Francis.

MIKA, C.; ANDREOTTI, V.; AHENAKEW, C.; SILVA, D. F. da. (2020). The ontological differences between wording and worlding the world. Journal of Language, Discourse and Society, v. 8, n. 1 (15), p. 17-32.

MIGNOLO, W. (2017). Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 94, p. 1-18.

OLIVEN, R. G.; GARCEZ, P. de M. (2020). A mudança social se desenrola conflituosamente no terreno da linguagem: entrevista com Monica Heller (Professora da University of Toronto)”. Porto Alegre, Horiz. antropol., n. 57, p. 315-359.

PARO, C. A.; VENTURA, M.; SILVA, N. E. K. (2020). Paulo Freire e o inédito viável: esperança, utopia e transformação na saúde. Trab. educ. saúde: Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 1-22.

PLATÃO. (2000). Fedro ou da beleza. Tradução e notas de Pinharanda Gomes. 6. ed. Lisboa: Guimarães.

SOUZA, L. M. T. M. de; MONTE-MÓR, W. (2006) Linguagens, códigos e suas tecnologias: conhecimentos de línguas estrangeiras. Orientações curriculares para o ensino médio. Brasília: Ministério da Educação / Secretaria de Educação Básica, 2006.

SOUSA SANTOS, B. (2007). Beyond abyssal thinking: from global lines to ecologies of knowledges. Binghamton University Review, v. 30, n. 1, p. 45-89.

SOUSA SANTOS, B. (2019). O fim do império cognitivo. Belo Horizonte: Autêntica.

SOUSA SANTOS, B. (2020). A cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Almedina.

SPIVAK, G. (2004). Righting wrongs. The South Atlantic Quarterly, v. 103, n. 2, p. 523-581.

STEIN, S.; ANDREOTTI, V.; SUSA, R.; AMSLER, S.; HUNT, D.; AHENAKEW, C.; JIMMY, E.; CAJKOVA, T.; VALLEY, W.; CARDOSO, C.; SIWEK, D.; PITAGUARY, B.; D’EMILIA, D.; PATAXÓ, U.; CALHOUN, B.; OKANO, H. (2020). Gesturing towards decolonial futures: reflections on our learnings thus far. Nordic Journal of Comparative and International Education (NJCIE), v. 4, n. 1, p. 43-65.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

ANDREOTTI , V. de O. .; SILVA, J. E. da .; JORDÃO, C. M. Nossa casa está caindo... e agora, Vanessa? capitalismo, decolonialidade e futuros re-imaginados. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 595–607, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664791. Acesso em: 19 out. 2021.