Discursos sobre a criminalização da homofobia e da transfobia no portal de notícias "O antagonista"

Autores

Palavras-chave:

Homofobia, Transfobia, Estudos críticos do discurso

Resumo

Neste artigo, apresentamos uma amostra dos resultados da pesquisa SUPRIMIDO PARA REVISÃO ÀS CEGAS (AUTOR1, 2019), cujo objetivo foi analisar o modo como a decisão do Supremo Tribunal Federal brasileiro em tipificar como crime a homofobia e a transfobia foi mobilizado em uma cadeia de eventos discursivos publicada pelo portal de notícias O Antagonista. Com base em pressupostos teóricos  dos Estudos Críticos do Discurso, e utilizando a linguagem de descrição do sistema de transitividade, tomamos três textos do corpus para mostrar como os eventos e atores sociais envolvidos são representados, quais discursos tais textos atualizam e que efeitos de sentido potenciais têm. Os resultados apontam que a representação tematiza o possível descontentamento de religiosos e apaga os benefícios à comunidade LGBTQIA+. Tal apagamento é utilizado ideologicamente para sustentar a LGBTfobia como uma estrutura em que vidas LGBTQIA+ são desimportantes ou não merecedoras de proteções legais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raylton Carlos de Lima Tavares, Universidade de Brasília

Mestrando em Linguística pela Universidade de Brasília. É membro do Núcleo de Estudos de Linguagem e Sociedade (NELiS-Ceam/UnB), da Associação de Estudos sobre Discurso e Sociedade (EDiSo) e da Associação Latino-americana de Estudos do Discurso (ALED). Bolsista da CAPES.

Rosângela do Socorro Nogueira de Sousa, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará. Professora de ensino superior da Universidade Federal do Pará - Campus de Abaetetuba. Docente no Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades.

Referências

ACOSTA, M. P. T.; RESENDE, V. M. (2014). Gêneros e suportes: por um refinamento teórico dos níveis de abstração. Romanica Olomucensia, v. 2, n. 26, p. 127–142.

AKOTIRENE, C. (2018). O que é interseccionalidade?. Belo Horizonte: Letramento: Justificando.

BUTLER, J. (2018). Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão; Arnaldo Marques da Cunha. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. (1999). Discourse in late modernity: rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

CUNHA, M. A. F.; SOUZA, M. M. (2011). Transitividade e seus contextos de uso. São Paulo: Cortez.

FAIRCLOUGH, I.; FAIRCLOUGH, N. (2012). Political discourse analysis: a method for advanced students. London: New York: Routledge.

FAIRCLOUGH, N. (2003). Analysing discourse: textual analysis for social research. London: New York: Routledge.

FAIRCLOUGH, N.(2010). Critical discourse analysis: critical study of language. 2. ed. London: New York: Routledge.

FAIRCLOUGH, N. (2016). Discurso e mudança social. 2. ed. Cood. Trad. Izabel Magalhães. Brasília: Editora UnB.

FAIRCLOUGH, N. (1995). Media discourse. London: Arnold, 1995.

FAIRCLOUGH, N.; JESSOP, B.; SAYER, A. (2010). Critical realism and semiosis. In: Critical discourse analysis: critical study of language. 2. ed. London: New York: Routledge, p. 202–222.

FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. (2014). Introdução à gramática sistêmico-funcional em língua portuguesa. 1. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras.

HALLIDAY, M. A. K. (2001). El lenguaje como semiótica social: la interpretación social del lenguaje y del significado. Argentina: Fondo de Cultura Económica de Argentina.

HALLIDAY, M. A. K. (2014). Halliday’s introduction to functional grammar. 4. ed. Revided by Christian M. I. M. Matthiessen. Abingdon: Routledge.

HALLIDAY, M. A. K.; MATTHIESSEN, C. M. I. M. (1999). Construing experience through meaning. London: New York: Continuum.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2019. Disponível em Ipea - Atlas da Violencia v.2.7 - Atlas da Violência 2019. Acesso em 20 jun. 2021

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Atlas da violência 2020. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2010. Disponível em 3519-atlasdaviolencia2020completo.pdf (ipea.gov.br). Acesso em 20 jun. 2021.

JÄGER, M. (2017). Quão crítica é a análise de discurso crítica? In: RESENDE, V. M.; REGIS, J. F. S. (Orgs.). Outras perspectivas em análise discurso crítica. Campinas, SP: Pontes Editores, p. 103–130.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. (1987). Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. [S.l.]: Letra e.

RESENDE, V. M. (2017a). Análise de discurso crítica: reflexões teóricas e epistemológicas quase excessivas de uma analista obstinada. In: RESENDE, V. M.; REGIS, J. F. S. (Orgs.). Outras perspectivas em análise discurso crítica. Campinas, SP: Pontes Editores, p. 11–51.

RESENDE, V. M. (2019b). Estudos críticos do discurso e decolonialidade. Mesa do Programa de Pós-Graduação em Linguística. Brasília: Instituto de Letras, Universidade de Brasília.

RESENDE, V. M. (2019a). Perspectivas latino-americanas para decolonizar os estudos críticos do discurso. In: RESENDE, V. M. (Org.). Decolonizar os estudos críticos do discurso. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019b. p. 19–46.

RESENDE, V. M. (2017b). Textos e seus efeitos sociais como foco para a crítica social. In: MAGALHÃES, I.; MARTINS, A. R.; RESENDE, V. M. Análise de discurso crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília: Editora UnB, p. 61–92.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. (2016). Análise de discurso crítica. 2. ed. São Paulo: Contexto.

TAVARES, R. C. L. (2019). Facetas discursivas em torno da criminalização da homofobia e da transfobia. Trabalho de Conclucão de Curso (Licenciatura em Letras - Português), Faculdade de Ciências da Linguagem, Universidade Federal do Pará.

TAVARES, R. C. L. (2020) Homofobia em ambientes de interação virtual: um estudo em análise de discurso crítica de base sistêmico-funcional. Plano de trabalho em Iniciação Científica (2019-2020), Faculdade de Ciências da Linguagem, Universidade federal do Pará.

TAVARES, R. C. L.; RESENDE, V. M. (no prelo). Da coerência entre ontologia, epistemologia e metodologia: contribuição em estudos críticos do discurso.

THOMPSON, G. (2014). Introducing functional grammar. 3. ed. London: Routledge.

THOMPSON, J. B. (2011). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis, RJ: Vozes.

VAN DIJK, T. A. (2014). Discourse-Cognition-Society: current state and prospects of the socio-cognitive approach to discourse. In: HART, C.; CAP, P. (Orgs.). Contemporary critical discourse studies. London; New York: Bloomsbury, p. 121-146.

VAN DIJK, T. A. (2015). Discurso e poder. 2. ed. Org. Judith Hoffnagel e Karina Falcone. São Paulo: Contexto.

VAN LEEUWEN, T. (2008). Discourse and practice: new tools for critical discourse analysis. New York: Oxford University Press.

VIEIRA, V.; RESENDE, V. M. (2016). Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

Downloads

Publicado

2022-09-12

Como Citar

TAVARES, R. C. de L.; SOUSA, R. do S. N. de. Discursos sobre a criminalização da homofobia e da transfobia no portal de notícias "O antagonista". Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 2, p. 419–434, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666170. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigos