Mercantilização da linguagem no capitalismo recente

diversidades e mobilidades

Autores

Palavras-chave:

Linguagem, Diversidades, Mobilidade, Mercantilização da linguagem

Resumo

Na assim chamada "nova economia globalizada", em concomitância com a expansão do capital, avanços tecnológicos maciços produziram, por um lado, possibilidades inéditas de circulação de informações e recursos, bem como deslocamentos de populações que podem assumir identidades pós- ou transnacionais (DE FINA & PERRINO, 2013). Por outro lado, a lógica da globalização e o fracionamento das cadeias produtivas significaram em muitos contextos um aprofundamento das diferenças sociais, e a linguagem tornou-se parte ainda mais relevante nesse processo de estratificação, muitas vezes mediando processos de categorização que organizam e legitimam a desigualdade (HELLER, 2011). Tais fenômenos trouxeram novos desafios para os estudos da linguagem interessados em compreender o que se passa em cenários de grande diversidade sociolinguística, mais evidente em alguns cenários do que em outros, em geral conforme se observam os centros ou as periferias do capitalismo. A pandemia do Covid-19 tornou ainda mais complexa a compreensão das contradições do capitalismo e suas relações com a linguagem nesses cenários ao provocar alterações súbitas nas dinâmicas interacionais e nos fluxos de pessoas. Este dossiê reune trabalhos que examinam conceitos que entraram no cerne da discussão em Linguística Aplicada e Sociolinguística nos últimos 15 anos, como pós- nacionalismo, mercantilização da linguagem e repertórios linguísticos, entre outros, com base em estudos situados em cenários localizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Moraes Garcez, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil.

Neiva Maria Jung, Universidade Estadual de Maringá

Professora Associada da Universidade Estadual de Maringá, Brasil.

Referências

ANDERSON, B. (2006[1983]). Imagined communities: Reflections on the origin and spread of nationalism. Londres: Verso. [Tradução brasileira: Anderson, B. (2008). Comunidades imaginadas (D. Bottman, Trad.). São Paulo: Companhia das Letras.]

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. L. (2003). Voices of modernity: Language ideologies and the politics of inequality. Cambridge, RU: Cambridge University Press.

BLOCK, D. (2017). Political economy in applied linguistics research. Language Teaching, v. 50, n. 1, p. 32–64.

BLOCK, D. (2018). Political economy and sociolinguistics: Neoliberalism, inequality and social class. Londres/Nova Iorque: Bloomsbury Publishing.

BLOCK, D.; GRAY, J.; HOLBOROW, M. (2012) (orgs.). Neoliberalism and applied linguistics (p. 1-13). Routledge.

BLOMMAERT, J.; RAMPTON, B. (2011). Language and superdiversity. Diversities, v. 13, n. 2, p. 1-21.

CAVANAUGH, J. R.; SHANKAR, S. (2014). Producing authenticity in global capitalism: Language, materiality, and value. American Anthropologist, v. 116, p. 51–64.

CHUN, C. W. (2017). Discourses of capitalism: Everyday Economists and the Production of Common Sense. Oxon, Ru/Nova Iorque: Routledge.

DE FINA, A.; PERRINO, S. (2013). Transnational identities. Applied Linguistics, v. 34, n. 5, p. 509–515.

DUCHÊNE, A.; HELLER, M. (orgs.). (2012). Language in late capitalism: Pride and profit. Nova Iorque York: Routledge.

FINE, J. C.; LOVE-NICHOLS, J. (2021). Language and climate justice: A research agenda. Journal of Sociolinguistics. Publicação eletrônica antecipada. (DOI: https://doi.org/10.1111/josl.12469)

FIORIN, J. L.; PETTER, M. (2008). Prefácio. In: África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, p. 7-12.

FRASER, N. (1996). Social justice in the age of identity politics: Redistribution, recognition, and participation. Conferência na Universidade Stanford. The Tanner Lectures on Human Values. Disponível em: <https://tannerlectures.utah.edu/_documents/a-to-z/f/Fraser98.pdf>.

GAL, S.; IRVINE, J. T. (2019). Signs of difference: Language and ideology is social life. Cambridge, RU: Cambridge University Press.

HARVEY, D. (2005). A brief history of neoliberalism. Oxford, RU: Oxford University Press.

HARVEY, D. (2014). Seventeen contradictions and the end of capitalism. Oxford, RU: Oxford University Press.

HELLER, M. (2002). Globalization, the new economy and the commodification of language and identity”. Journal of Sociolinguistics, v. 7, n. 4, p. 473-492.

HELLER, M. (2005). Language, skill and authenticity in the globalized new economy. Revista de Sociolingüística, v. 2.

HELLER, M. (2010). The commodification of language. Annual Review of Anthropology, v. 39, p. 101-14.

HELLER, M. (2011). Paths to post-nationalism: A critical ethnography of language and identity. Oxford: Oxford University Press.

HELLER, M.; MCELHINNY, B. (2017). Language, capitalism, colonialism: toward a critical history. Toronto: University of Toronto Press.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2012). Pride and profit: Changing discourses of language, capital and nation-state. In A. Duchêne; M. Heller (orgs.), Language in late capitalism: Pride and profit. Nova Iorque: Routledge, p. 1-21.

HELLER, M.; DUCHÊNE, A. (2016). Treating language as an economic resource: Discourse, data and debate. In N. Coupland (org.), Sociolinguistics: Theoretical debates. Cambridge, RU: Cambridge University Press, p. 139-156.

HELLER, M.; PIETIKÄINEN, S.; PUJOLAR, J. (2018). Critical sociolinguistics research methods. Nova Iorque: Routledge.

HOBSBAWM, E. (1990). Nations and nationalism since 1780. Cambridge, RU: Cambridge University Press. [HOBSBAWM, E. (1990). Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Tradução de M. C. Paoli e A. M. Quirino. São Paulo: Paz e Terra.]

IRVINE, J. (2021, 7-10 de junho). Revisiting theory and method in language ideology research [Conferência plenária]. E-Sociolinguistics Symposium 23. Hong Kong, China.

JAFFE, A. (2011). Critical perspectives in language-in-education policy: The Corsican example. In: McCarty, T. L. (org.), Ethnography and language policy. New York: Routledge, p. 205-229.

MOITA-LOPES, L. P. (2006). Linguística aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In L. P. Moita-Lopes (org.), Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 85-107.

MOITA-LOPES, L. P. (2013a). Ideologia linguística: como construir discursivamente o português no século XXI. In: L. P. Moita-Lopes (org.), Português no século XXI: ideologias linguísticas. São Paulo: Parábola, p. 18-52.

MOITA-LOPES, L. P. (2013b). Como e por que teorizar o português: recurso comunicativo em sociedades porosas e em tempos híbridos de globalização cultural. In: L. P. Moita-Lopes (Org.), Português no século XXI: ideologias linguísticas. São Paulo: Parábola, p. 101-119.

OLIVEN, R. G.; GARCEZ, P. M. (2020). “A mudança social se desenrola conflituosamente no terreno da linguagem”. Entrevista com Monica Heller (Professora da University of Toronto). Horizontes Antropológicos, v. 26, n. 57, p. 315-359. (DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-71832020000200011)

PERLEY, B. C. (2021). Dare we hope? Journal of Sociolinguistics. Publicação eletrônica antecipada. (DOI: https://doi.org/10.1111/josl.12465)

URCIUOLI, B. (2008). Skills and selves in the new workplace. American Ethnologist, v. 35, n. 2, p. 211-228.

WILLIAMS, R. (1973). The country and the city. Londres: Chatto and Windus. [WILLIAMS, R. (1998). O campo e a cidade na história e na literatura. Tradução de Paulo Henriques Britto. São Paulo: Cia. das Letras.]

Downloads

Publicado

2021-09-14

Como Citar

GARCEZ, P. M.; JUNG, N. M. Mercantilização da linguagem no capitalismo recente: diversidades e mobilidades. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 2, p. 338–346, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666196. Acesso em: 19 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)