A variação denominativa em Libras no Maranhão

uma análise de sinais-termo da eletrotécnica usados no IFMA/Monte Castelo e no SENAI-MA

Autores

Palavras-chave:

Libras, Eletrotécnica, Variação, Teoria Comunicativa da Terminologia, sinais-termo

Resumo

O presente artigo consiste em um estudo sobre a variação terminológica na Língua Brasileira de Sinais – Libras, no contexto da área da eletrotécnica em São Luís-Maranhão. Mais precisamente, esta pesquisa teve como objetivo analisar os principais fatores de variação denominativa de sinais-termo usados nos cursos de eletrotécnica ofertados pelo Instituto Federal do Maranhão – IFMA/Monte Castelo e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – SENAI/MA. Para alicerçar teórica e metodologicamente este trabalho, foram considerados os estudos desenvolvidos por Cabré (1995), Felten (2016), Krieger (2001), Prometi et al. (2015), Quadros (2019), entre outros. Os dados analisados foram retirados de dois glossários maranhenses de eletrotécnica produzidos para a comunidade surda: o glossário produzido pela equipe do SENAI-MA (2011) e o do autor (2019). Os resultados obtidos ratificam os princípios da Teoria Comunicativa da Terminologia – TCT, uma vez que o número expressivo de variantes denominativas catalogadas em Libras, na área da eletrotécnica, corrobora a afirmativa de que há variação no discurso especializado e que essa variação é causada por diferentes fatores: distintos contextos de interação, diversificados perfis sociais, entre outros. Pelo exposto, espera-se evidenciar a necessidade de ampliação dos estudos terminológicos relacionados à Libras, contribuir para a reflexão sobre a importância da normalização em contraposição à normatização na área da Terminologia e fomentar trabalhos que favoreçam a educação inclusiva de surdos/as também em áreas técnicas, como a da eletrotécnica.
Palavras-chave: Libras; sinais-termo; eletrotécnica; variação; teoria comunicativa da terminologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brandon Jhonata Cardoso Santana, Instituto Federal do Maranhão

Especialização em LIBRAS pela Faculdade FAMART. Tradutor intérprete de Libras do Instituto Federal do Maranhão, Brasil

Georgiana Marcia Oliveira Santos, Universidade Federal do Maranhão

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará. Professora Adjunta - Classe C da Universidade Federal do Maranhão, Brasil.

Referências

ALMEIDA, G. M. de B. (2003). O Percurso da Terminologia: de atividade prática à consolidação de uma disciplina autônoma. Tradterm. São Paulo, v. 9, n. 9, p. 211-222.

BAGNO, M. (2017). Dicionário crítico de sociolinguística. São Paulo: Parábola Editorial.

BIASI-RODRIGUES, B.; ARAÚJO, J. C.; SOUSA, S. C. T. (Org.). (2009). Gêneros textuais e comunidades discursivas: um diálogo com John Swales. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

BARROS, L. A. (2004). Curso Básico de Terminologia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm Acesso em: 02/07/2020.

CABRÉ, M. T. (1995). La terminología hoy: concepciones, tendencias y aplicaciones. In: La terminología: representación y comunicación: elementos para una teoría de base comunicativa y outros artículos. Versão Kindle.

CABRÉ, M. T. (1998). Una nueva teoría de la terminología: de la denominación a la comunicación. In: La terminología: representación y comunicación: elementos para una teoría de base comunicativa y outros artículos. VI Simposio Iberoamericano de Terminología. La Habana. Versão Kindle.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D.; MARTINS, A. C.; TEMOTEO, J. G. (2017). Dicionário da Língua de Sinais do Brasil: a libras em suas mãos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

COSTA, M. R. (2012). Proposta de modelo de enciclopédia visual bilíngue juvenil: enciclolibras. 2017. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade de Brasília – UnB, Brasília.

ERSE, Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Glossário de eletricidade. Disponível em: https://www.erse.pt/glossario/?filtro=C Acesso em: 02/07/2020

FAULSTICH, E. (2006). A socioterminologia na comunicação científica e técnica. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 58, n. 2.

FAULSTICH, E. (2016). Especificidade semânticas e lexicais: a criação de sinais-termo na Língua Brasileira de Sinais. In: BIDARRA, J; MARTINS, T. A.; SEIDE, M. S. (orgs) Entre a Libras e o Português: desafios face ao bilinguismo. Cascavel, EDUNIOESTE; Londrina: EDUEL.

FARIA-NASCIMENTO, S. P. (2009). Representações Lexicais da Língua de Sinais Brasileira: uma proposta lexicográfica. Tese de Doutorado em linguística. Universidade de Brasília, Brasília.

FELTEN, E. F. (2016). Glossário sistêmico bilíngue Português-Libras de termos da história do Brasil. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade de Brasília – UnB, Brasília.

KRIEGER, M. G.; MACIEL, A. M. B. (Org.). (2001). Temas de Terminologia. 1. ed. Porto Alegre, São Paulo: Universidade (UFRGS), Humanistas (USP).

KRIEGER, M. G; FINATTO, M. J. B. (2020). Introdução à terminologia: teoria & prática. 2. ed. São Paulo: Contexto.

LAKATOS, E. M. (2003). Fundamentos de metodologia científico. 5. ed. - São Paulo: Atlas.

PEREIRA FILHO, T. (2011). Glossário de termos técnicos em Libras: eletrotécnica / Telasco Pereira Filho, Ana Ruth Albuquerque. – Brasília: SENAI/DN.

PROMETI, D. (2013). Glossário Bilíngue da Língua de Sinais Brasileira: Criação de sinais dos termos da música. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade de Brasília – UnB, Brasília.

PROMETI, D.; COSTA, M. R.; TUXI, P. (2015). Sinal-termo, língua de sinais e glossário bilíngue: atuação da universidade de Brasília nas pesquisas terminológicas. In: Anais do I Congresso Nacional de LIBRAS da Universidade Federal de Uberlândia- Uberlândia.

PROMETI, D.; COSTA, M. R. Criação de Sinais-termo nas áreas de especialidades da língua de sinais brasileira – LSB. Revista Espaço, n. 49, p. 131-151, 2018.

QUADROS, R. M; KARNOPP, L. B. (2004). Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

QUADROS, R. M. (2019). Libras. São Paulo: Parábola.

SANTANA, B. J. C. (2019). Língua de especialidade em Libras: um estudo terminológico no curso técnico em eletrotécnica no Instituto Federal do Maranhão campus São Luís, Monte Castelo. Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Letras-Libras. Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Maranhão.

TUXI, P. S. (2017). A terminologia na língua de sinais brasileira: proposta de organização e de registro de termos técnicos e administrativos do meio acadêmico em glossário bilíngue. Tese de Doutorado em Linguística. Universidade de Brasília – UnB, Brasília.

Downloads

Publicado

2022-06-29

Como Citar

SANTANA, B. J. C. .; SANTOS, G. M. O. . A variação denominativa em Libras no Maranhão: uma análise de sinais-termo da eletrotécnica usados no IFMA/Monte Castelo e no SENAI-MA. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 61, n. 1, p. 5–17, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8667728. Acesso em: 2 out. 2022.