Trabalho coletivo e organização do ensino de matemática: princípios e práticas

Anemari Roesler Luersen Vieira Lopes, Manoel Oriosvaldo de Moura, Elaine Sampaio Araujo, Wellington Lima Cedro

Resumo


A colaboração de pesquisadores de diferentes instituições em torno do ensino e da aprendizagem da Matemática nos anos iniciais do Ensino Fundamental resultou na organização de uma pesquisa formativa por núcleos em rede, desenvolvida no âmbito do OBEDUC/CAPES em consonância com os pressupostos da pesquisa colaborativa e da teoria histórico-cultural. Este artigo busca apresentar discussões acerca do fenômeno formação docente e organização do ensino de matemática. A intenção é que estes estudos possam se constituir em indicadores teórico-metodológicos para o processo de aprendizagem docente centrado no modo de produção coletivo. O principal resultado aponta para a importância do compartilhamento do processo de formação em atividades em comum como forma de possibilitar aos sujeitos a oportunidade de desenvolver for- mas específicas de cooperação que venham a favorecer a apropriação do processo significativo da produção coletiva do conhecimento sobre a atividade pedagógica.


Palavras-chave


Formação de professores. Trabalho coletivo. Organização do ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, E. (2003). Da formação e do formar-se: a atividade de aprendizagem docente em uma escola pública. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BARROS, L. (2007). Desenvolvimento do conceito de avaliação na formação inicial de professores em atividade colaborativa. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BOLZAN, D. (2002). Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. Porto Alegre: Mediação.

CAMARGO, R. M. (2004). Atividade formadora do professor de Matemática de um projeto em parceria numa escola pública. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

CEDRO, W. L. (2008). O motivo e a atividade de aprendizagem do professor de matemática: uma perspectiva histórico-cultural. (242 pp.). Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

DIAS, M. (2007). Formação da imagem conceitual da reta real: um estudo do desenvolvimento do conceito na perspectiva lógico-histórica. (252 ff.). Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

FIORENTINI, D., & NACARATO, A. M. (Orgs.) (2005). Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática. São Paulo: Musa.

FRAGA, L. P. (2013). Futuros professores e a organização do ensino: o Clube de Matemática como espaço de aprendizagem da docência. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

FURLANETTO, F. R. (2013). O movimento no sentido pessoal na formação inicial do professor. Tese de Doutorado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LOPES, A. R. L.V. (2004). A aprendizagem docente no estágio compartilhado. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

LOPES, C. E., & CURI, E. (Orgs.) (2008). Pesquisas em Educação Matemática: um encontro entre a teoria e a prática. São Carlos, SP: Pedro & João Editores.

MIGUEL, A. (2005). História, Filosofia e Sociologia da Educação Matemática na formação dos professores: um programa de pesquisa. Educação e Pesquisa, 31(1), 137-152.

MISKULIN, R. G. S., NACARATO, A. M., PASSOS, C. L. B., LOPES, C. A. E., FIORENTINI, D., BRUM, E.D., ... GRANDO, R. C. (2005). Pesquisas sobre trabalho colaborativo na formação de professores de matemática: um olhar sobre a produção do Prapem/Unicamp. In: D. FIORENTINI, & A. M. NACARATO (Orgs.), Cultura, formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática (pp.196-216). São Paulo: Musa.

MORAES, S. G. (2008). Avaliação do processo de ensino e aprendizagem em Matemática: contribuições da teoria histórico-cultural. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MORETTI, V. D. (2007). Professores de matemática em atividade de ensino: uma perspectiva histórico-cultural para a formação docente. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MOURA, M. O. (1996). A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema, 2(12), 29-43.

MOURA, M. O. (2000). O educador matemático na coletividade de formação: uma experiência com a escola pública. Tese de Docência em Metodologia do Ensino de Matemática, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MOURA, M. O. (2001). A atividade de ensino como ação formadora. In: A. D. Castro, & A. M. P. Carvalho (Orgs.), Ensinar a ensinar: didática para a escola fundamental e média (pp. 143-162). São Paulo: Pioneira Thompson Learning.

MOURA, M. O. (2011). A aprendizagem inicial do professor em atividade de ensino. In: A. R. L.V. Lopes, M. T. C. Trevisol, & P. S. Pereira (Orgs.), Formação de professores em diferentes espaços e contextos (pp. 87-102). Campo Grande, MS: Editora UFMS.

MOURA, M. O., ARAUJO, E. S., RIBEIRO, F. D., PANOSSIAN, M. L., & MORETTI, V. D. (2010). A atividade orientadora de ensino como unidade entre ensino e aprendizagem. In: M. O. Moura (Org.), A atividade pedagógica na teoria histórico-cultural (pp. 81-109). Brasília: Líber Livro.

POLIVANOVA, N. (1996). Particularidades da solução de um problema combinatório por alunos em atuação de cooperação. In: C. GARNIER, N. BEDNARZ, & I. ULANOVSKAYA (Orgs.), Após Vygotsky e Piaget: perspectiva social e construtivista. Escola russa e ocidental (Eunice Gruman, trad., pp. 151-159). Porto Alegre: Artes Médicas.

RUBTSOV, V. (1996). A atividade de aprendizado e os problemas referentes à formação do pensamento teórico dos escolares. In: C. GARNIER, N. BEDNARZ, & I. ULANOVSKAYA (Orgs.), Após Vygotsky e Piaget: perspectiva social e construtivista. Escola russa e ocidental (Eunice Gruman, trad., pp. 129-137). Porto Alegre: Artes Médicas.

SANTOS, V. M. (2008). A matemática escolar, o aluno e o professor: paradoxos aparentes e polarizações em discussão. Caderno CEDES, 28(74), 25-38.

SERRÃO, M. (2004). Estudantes de Pedagogia e a “atividade de aprendizagem”: do ensino em formação. Tese de Doutorado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

SILVA, S. M. (2008). Matemática na infância: uma construção, diferentes olhares. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

TAVARES, S. C. A. (2002). A profissionalidade ampliada na atividade educativa. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VACCAS, H. L. (2012). A significação do planejamento de ensino em uma atividade de formação de professores. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VAZ, H. G. B. (2013). Formação de professoras dos anos iniciais: a organização do ensino de matemática. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS.

VAZ, H. G. B., LOPES, A. R.L.V., & SILVA, D. S. G. (2012). Dimensão colaborativa no movimento de ensinar, aprender e formar-se professor que ensina matemática. Roteiro, 37(1), 127-146.

VIGOTSKY, L. S. (2002). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes.

VYGOTSKI, L. S. (1997). Obras escogidas V. Madrid: Visor.




DOI: https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646526

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

(c) Zetetiké, Campinas (SP) - ISSN 2176-1744.