Banner Portal
Escritas reflexivas de professores que ensinam matemática enquanto desenvolvem produtos educacionais, coletivamente
PDF

Palavras-chave

Atividades de ensino
Observatório da Educação (OBEDUC)
Parcerias colaborativa
Oficial e dirigida
Política nacional de formação de professores

Como Citar

SOUSA, Maria do do Carmo de. Escritas reflexivas de professores que ensinam matemática enquanto desenvolvem produtos educacionais, coletivamente. Zetetike, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 43–58, 2016. DOI: 10.20396/zet.v24i45.8646528. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646528. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

Este artigo apresenta escritas reflexivas de professores da Educação Básica que ensinam Matemática, decorrentes de sínteses individuais e coletivas feitas durante uma investigação qualitativa, do tipo participante e longitudinal, com metodologia de trabalho denominada parceria colaborativa, cuja temática se relacionou ao desenvolvimento de produtos educacionais. A partir de análise interpretativa definiram-se os eixos temáticos: dificuldades e questionamentos de professores sobre implementação curricular que desconsideram suas participações; definição do conceito de atividade de ensino; e questionamentos sobre verdades matemáticas apresentadas na formação de professores e o fazer docente. As escritas reflexivas permitiram compreender discursos pedagógicos norteadores das práticas escolares de professores, revelaram angústias que se manifestaram durante o processo de constituírem-se profissionais do ensino e problematizaram a organização do ensino que ministram. 

https://doi.org/10.20396/zet.v24i45.8646528
PDF

Referências

BOHM, D. (2005). Diálogo: comunicação e redes de convivência. São Paulo: Palas Athena.

BORGES, A. A. A., GOMES, A. N., PAEZ, G. R., SILVA, L. T., & SOUSA, M. C. (2009). Constituindo rede de investigação colaborativa sobre o ensino de Matemática com licenciandos, professores da Educação Básica e pesquisadores. In Anais, 10 Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores (pp. 6613-6625). Águas de Lindóia: UNESP.

COCHRAN-SMITH, M., & LYTLE, S. L. (2002). Dentro/fuera: enseñantes que investigan. Madrid: Akal.

COUTINHO, M. W. (2011). Por enquanto. Crônica elaborada no OBEDUC-UFSCar. Mimeo.

FIORENTINI, D., & LORENZATO, S. (2006). Investigação em Educação Matemática. Campinas: Autores Associados.

FOERSTE, E. (2005). Parceria na formação de professores. São Paulo: Cortez.

FREITAS, H. C. L. (2007, outubro). A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educ. Soc. – Especial, 28(100), 1203-1230, 1205. Retirado em 06 de janeiro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2628100.

GASPAR, R. O. (2013). O jogo pedagógico enquanto atividade orientadora de ensino na iniciação algébrica de estudantes de 6a. série (96 ff.). Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências Exatas, Centro de Ciências Exatas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. Retirado em 08 de abril de 2015, de http://www.ppgece.ufscar.br/index.php/ppgece/dissertacoes-e-teses.

GATTI, B. A., BARRETTO, E. S. de S., & André, M. E. D. A. (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília, DF: UNESCO. Retirado em 06 de janeiro de 2016, de http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002121/212183por.pdf.

INSTITUTO Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Decreto no 5.803, de 8 de junho de 2006. Retirado em 03 de março de 2016, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5803.htm.

JACOMELLI, C. V. (2011). Pássaro prisioneiro. Crônica elaborada no OBEDUC-UFSCar. Mimeo.

MAGALHÃES, M. H. (2014). Produção de sentidos e de significados de estudantes do ensino médio sobre o conceito de volume e capacidade de prismas. (121ff.). Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências Exatas, Centro de Ciências Exatas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos. Retirado em 08 de abril de 2015, de http://www.ppgece.ufscar.br/index.php/ppgece/dissertacoes-e-teses.

MIZUKAMI, M. G., Reali, A. M. de M. R., Reyes, C. R., Martucci, E. M., Lima, F. L., Tancredi, R. M., & Mello, R. R. (2002). Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: UFSCar.

MOURA, M. O. (1999). O estágio na formação compartilhada do professor: retratos de uma experiência. São Paulo: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

MOURA, M. O., ARAÚJO, E. S., MORETTI, V. D., PANOSSIAN, M. L., & RIBEIRO, F. D. (2010, janeiro/abril). A atividade orientadora de ensino: unidade entre ensino e aprendizagem. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, 10(29), 205-229. Retirado em 06 de janeiro de 2016, de http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=3432&dd99=view&dd98=pb.

SCHMIDT, M. L. S. (2006). Pesquisa participante: alteridade e comunidades interpretativas. Psicologia USP, 17(2), 11-41. Retirado em 06 de janeiro de 2016, de http://www.scielo.br/pdf/pusp/v17n2/v17n2a02.pdf.

SECRETARIA de Estado da Educação de São Paulo – Saresp. (2007). Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de SP. Retirado em 03 de março de 2016, de http://www.educacao.sp.gov.br/saresp.

SOUSA, M. C. (2013, novembro). Escritas reflexivas na formação de professores de Matemática. Leitura: Teoria & Prática, 31(61), 81-95. Retirado em 06 de janeiro de 2016, de http://ltp.emnuvens.com.br/ltp/article/view/173.

SOUSA, M. C., LEODORO, M. P., & GARCIA, D. (2008). Produtos educacionais no Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática: itinerários de desenvolvimento e implementação, a partir da rede de pesquisa participante Escola-Universidade. Projeto de pesquisa (Capes/Inep). São Carlos.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2016 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.