Pedagogia culturalmente relevante e fundos de conhecimento em aulas de matemática

Autores

  • Davidson Paulo Azevedo Oliveira Instituto Federal de Minas Gerais
  • Milton Rosa Universidade Federal de Ouro Preto
  • Marger da Conceição Ventura Viana Universidade Federal de Ouro Preto

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v23i44.8646542

Palavras-chave:

Pedagogia culturalmente relevante. Fundos de conhecimento. Aulas de matemática.

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal apresentar conceitos e teorizações que discutem as influências social, cultural e política na prática pedagógica dos professores, visto que a aquisição do conhecimento matemático, em sala de aula, pode estar relacionada com as experiências socioculturais vividas pelos alunos no ambiente no qual estão inseridos. Nesse sentido, é importante o estudo de teorias educacionais que possam auxiliar os alunos a ter acesso ao conhecimento matemático necessário para reconhecer a importância da própria cultura no desenvolvimento desse saber. Neste trabalho, são apresentados os Fundos de Conhecimento e a Pedagogia Culturalmente Relevante que, além de valorizar os conhecimentos provenientes de contextos culturais distintos, tentam, pedagogicamente, utilizar o background cultural dos alunos para desenvolver atividades curriculares que incluam e problematizem as práticas cotidianas no processo de ensino e aprendizagem em Matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Davidson Paulo Azevedo Oliveira, Instituto Federal de Minas Gerais

Mestre em Educação Matemática (UFOP). Professor do Instituto Federal de Minas Gerais. Câmpus Ouro Preto.

Milton Rosa, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutor em Educação em Liderança Educacional pela California State University, Sacramento (CSUS). Professor do Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). 

Marger da Conceição Ventura Viana, Universidade Federal de Ouro Preto

Obteve o título de Mestre em Matemática pela Universidade de Brasília onde iniciou sua carreira na docência do ensino superior em 1978, no Departamento de Matemática. Depois, obteve o Doutoramento em Ciências Pedagógicas no Instituto Central de Ciencias Pedagógicas/Cuba, em convênio com a UFOP e o MEC, tendo defendido sua tese na área de Currículos para Formação de Professores de Matemática. Como professora do Departamento de Matemática da UFOP, tem atuado desde 1980 no ensino de graduação e pós-graduação. Foi nomeada Coordenadora de Administração Acadêmica da UFOP, Vice-Diretora do Centro de Educação Aberta e a Distância (CEAD), Presidente do Colegiado de Curso de Matemática e coordenadora do Curso de Especialização em Educação Matemática. Eleita Vice - Diretora do CEAD, tomou posse em 17 de setembro de 2007. Foi reeleita para o cargo e exercido até o dia 17 de outubro de 2015. Foi fundadora, vice-diretora e participou da diretoria regional da SBEM / MG. Pesquisadora em Educação Matemática, elaborou o primeiro currículo do Curso de Matemática da UFOP. ?Entre outras atividades, tem apresentado trabalhos em congressos nacionais e internacionais, nas áreas de ?Currículos para Formação de Professores de Matemática?,? História da Matemática?, " História da Educação Matemática", "Resolução de Problemas" e "Avaliação", nas quais tem orientado pesquisas de iniciação científica, monografias de graduação e pós-graduação e dissertações no Mestrado Profissional em Educação Matemática da UFOP. Atualmente tem se dedicado também ao estudo da utilização do cinema na sala de aula, e pesquisado sobre o Movimento da Matemática Moderna em Minas Gerais.

Referências

Azevedo Oliveira, D. P. (2012). Um estudo misto para entender as contribuições de atividades baseadas nos fundos de conhecimento e ancoradas na perspectiva sociocultural da história da matemática para a aprendizagem de funções por meio da pedagogia culturalmente rele-

vante. Dissertação de Mestrado profissional em Educação Matemática, Departamento de Matemática. Ouro Preto, MG: UFOP.

Bourdieu, P. (1997). The forms of capital. In A. H. Halsey, H. Lauder, P. Brown, & A. S. Wells (Eds.), Education: culture, economy, and society (pp. 40-58). Oxford, England: Oxford University Press.

D’Ambrosio, U. (1998). Etnomatemática: arte ou técnica de explicar ou conhecer. São Paulo, SP: Ática.

Fauvel, J., & Van Maanen, J. (2000). History in mathematics education: the ICMI study. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic Publishers.

Gandin, L. A., Diniz-Pereira, J., & Hypolito, A. M. (2002). Para além de uma educação multicultural: teoria racial crítica, pedagogia culturalmente relevante e formação docente. Entrevista com a professora Gloria Ladson-Billings. Educação & Sociedade, 23(79), 175-293.

Gay, G. (2002). Preparing for culturally responsive teaching. Jounal of Teacher Education, 53(2), 106-116.

Gerdes P. (1988). On culture, geometrical thinking and mathematics education. Educational Studies in Mathematics, 19, 137-162.

González, Z, N., Andrade, R., Civil, M., & Moll, L. C. (2001). Bridging funds of distributed knowledge: creating zones of practices in mathematics. Journal of Education for students placed at risk, 6(1-2), 115-132.

Hogg, L. (2011). Funds of knowledge: an investigation of coherence within the literature. Teaching and Teacher Education, 27(3), 666-677.

Howard, T. C. (2003). Culturally relevant pedagogy: ingredients for critical teacher reflection. Theory into Practice, 42(3), 195-202.

Ladson-Billings, G. (1995a). Toward a theory of culturally relevant pedagogy. American Educational Research Journal, 32(3), 465-491.

Ladson-Billings, G. (1995b). But that’s just good teaching: the case for culturally relevant pedagogy. Theory into Practice, 34(3), 159-165.

Ladson-Billings, G. (2006). Yes, but how do we do it? Practicing culturally relevant pedagogy. In J. Landsman, & G. Lewis (Orgs.), White teachers/diverse classrooms: a guide to building inclusive schools, promoting high expectations and eliminating racism (pp. 29-41). Hern-

don, VA: Stylus Publishing.

Moll, L. C., & Greenberg, J. B. (1990). Creating zones of possibilities: combining social contexts. Cambridge, England, Cambridge University Press.

Moll, L. C., Amanti, C., Neff, D., González, N. (1992). Funds of knowledge for teaching: using a qualitative approach to connect homes and classrooms. Theory into Practice, 31(2), 132-141.

Motta, C. D. V. B. (2006). História da matemática na educação matemática: espelho ou pintura? Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação. São Paulo, SP: USP.

Orey, D. C., & Rosa, M. (2008). Ethnomathematics and cultural representations: teaching in highly diverse contexts. Acta Scientiae, 10(1), 27-46.

Radford, L. , & Grenier, M. (1996). Entre les chose, les symboles et les idées... une séquence d’enseignement d’introduction à l’algébre. Revue des Sciences de L’éducation, 22(2), 253–276.

Rosa, M. (2010). The perceptions of high school leaders about English language learners (ELL): the case of mathematics. Tese de Doutorado, College of Education. Sacramento: California State University. Sacramento, CA: CSUS.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2005a). Las raíces históricas del programa etnomatemáticas. Revista Latinoamericana de Investigacion em Matemática Educativa, 8(3), 363-377.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2005b). Tendências atuais da etnomatemática como um programa: rumo à ação pedagógica. Zetetiké, 13(23), 121-136.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2006). Abordagens atuais do programa etnomatemática: delinenandose um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, 19(26), 19-48.

Rosa, M., & Orey, D. C. (2009). Challenges faced by multicultural and multilingual schools in the United States: the case of mathematics. La Salle, 14(1), 29-44.

Sacristán, J. G. (1995). Currículo e diversidade cultural. In T. T. Silva, & A. F. B. Moreira (Orgs.), Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais (pp. 83-113).Petrópolis, RJ: Vozes.

Wolff, K. H. (1966). The sociology of knowledge in the United States. Current Sociology, 15(1), 5-25.

Downloads

Publicado

2016-03-18

Como Citar

OLIVEIRA, D. P. A.; ROSA, M.; VIANA, M. da C. V. Pedagogia culturalmente relevante e fundos de conhecimento em aulas de matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 329–346, 2016. DOI: 10.20396/zet.v23i44.8646542. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646542. Acesso em: 25 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigo