Banner Portal
Dificuldades e obstáculos apresentados por um grupo de professores de matemática no estudo da Geometria Hiperbólica
PDF

Palavras-chave

Ensino de geometrias
Geometria hiperbólica
Dificuldades e obstáculos epistemológicos

Como Citar

LOVIS, Karla Aparecida; FRANCO, Valdeni Soliani; BARROS, Rui Marcos de Oliveira. Dificuldades e obstáculos apresentados por um grupo de professores de matemática no estudo da Geometria Hiperbólica. Zetetike, Campinas, SP, v. 22, n. 2, p. 11–29, 2014. DOI: 10.20396/zet.v22i42.8646565. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646565. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever as dificuldades e os obstáculos apresentados por um grupo de professores de Matemática da Educação Básica observados durante um minicurso introdutório sobre a Geometria Hiperbólica. Os sujeitos da pesquisa são quarenta e um professores de Matemática de cidades da região norte do estado do Paraná. Para obter os dados da pesquisa, realizou-se um minicurso sobre a Geometria Hiperbólica, especificamente o Modelo de Poincaré, e o GeoGebra, no qual foram gravadas, em áudio e vídeo, as falas dos professores e as atividades por eles realizadas. Da análise, destaca-se que as dificuldades e os obstáculos para a compreensão de conceitos básicos da Geometria Hiperbólica estão relacionados à representação dos objetos geométricos nesta Geometria, bem como à “contaminação” que a Geometria Euclidiana desempenha no momento do aprendizado da Geometria Hiperbólica. Observou-se também dois obstáculos epistemológicos: geral e verbal.

https://doi.org/10.20396/zet.v22i42.8646565
PDF

Referências

ANDRADE, D. A. A importância dos obstáculos epistemológicos para o desenvolvimento da ciência: a contribuição de Gaston Bachelard. Pensar, Fortaleza, v. 9, p. 45-49, 2004.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico. Tradução de Estela dos S. Abreu. 3. reimp. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARKER, S. F. Filosofia da Matemática. Tradução de Leonidas Hegenberg e Octanny S. da Mota. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

BOYER, C. História da Matemática. Tradução de Elza F. Gomide. 2. ed. São Paulo: Edgard Blucher, 1999.

EUCLIDES. Os elementos. Tradução de Irineu Bicudo. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

EVES, H. História da Geometria. Tradução de Hygino H. Domingues. São Paulo: Atual, 1992.

GÁLVEZ, D. A geometria, a psicogênese das noções espaciais e o ensino da geometria na escola primária. In: SAIZ, C. P. I. (Org.). Didática da Matemática. São Paulo: Artmed, 2006.

GEOGEBRA. Software. Disponível em: <http://www.geogebra.org>. Acesso em: 24 fev. 2014.

GERDES, P. Sobre o despertar do pensamento geométrico. Curitiba: Editora da UFPR, 1992.

JAPIASSÚ, H. Introdução ao pensamento epistemológico. 4. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares de Matemática para a Educação Básica. Curitiba, 2008.

PIAGET, J.; GARCIA, R. Psicogénese e história das ciências. Tradução de Maria Fernanda de M. R. Jesuíno. Lisboa: Dom Quixote, 1987.

POINCARÉ, H. Ensaios fundamentais. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto; PUC Rio, 2008.

POINCARÉ, H. O valor da ciência. Tradução de Maria Helena F. Martins. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

SANTOS, T. S. A inclusão das geometrias não-euclidianas no currículo da Educação Básica. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática. Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009. 138f.

SOUZA, J. C. de M. O escândalo da Geometria. Rio de Janeiro: Aurora, 1948.

TROVON, A. Obstáculos epistemológicos e didáticos. Disponível em: http://people.ufpr.br/~trovon/cursos/2012_Especializacao/obstaculos.pdf Acesso em: 24 fev. 2014.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2015 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.