Um olhar semiótico sobre modelos e modelagem : metáforas como foco de análise

Autores

  • Lourdes Maria Werle de Almeida Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646663

Palavras-chave:

Semiótica. Metáforas. Modelagem matemática.

Resumo

Considerando a importância da linguagem sígnica para a conceitualização em Matemática, nosso trabalho se propõe a apresentar reflexões sobre o papel de um tipo especial de signo, a metáfora, em atividades de modelagem matemática. As reflexões sobre possíveis aproximações entre modelos matemáticos e metáforas, são orientadas pela análise de uma atividade de modelagem desenvolvida por alunos de um curso de Licenciatura em Matemática em relação às questões: Um modelo matemático é uma metáfora? A modelagem matemática é um processo equivalente ao processo de produção de uma metáfora? O uso ou a produção de modelos e metáforas favorece a construção de significados para objetos dos domínios conceituais a que estão associados? As reflexões sinalizam que podemos vislumbrar aproximações entre modelos, modelagem e metáforas que podem ser importantes para a construção de conhecimentos dos alunos envolvidos em atividades de uso e produção de modelos e metáforas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lourdes Maria Werle de Almeida, Universidade Estadual de Londrina

Docente do programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática UEL – Londrina – PR

Referências

ALMEIDA, L. M. W.; BRITO, D. S. Atividades de modelagem matemática: que sentido os alunos podem lhe atribuir? Ciência & Educação, v. 11, n. 3, p. 483- 498, 2005.

ALMEIDA, L. M. W.; FERRUZZI, E. C. Uma aproximação socioepistemológica para a modelagem matemática. Alexandria, v. 2, p. 117-134, 2009.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática. São Paulo: Contexto, 2002.

BLUM, W.; NISS, M. Applied mathematical problem solving, modelling, applications, and links to others subjects: states, trends and issues in mathematics intruction. Educational Studies in Mathematics, Dordrecht, v. 22, n.1, p. 37-68, 1991.

BOLITE F. J.; ACEVEDO, J.; FONT, V. Cognição corporificada e linguagem na sala de aula de matemática: analisando metáforas na dinâmica do processo de ensino de gráficos de funções. Boletim GEPEM, n. 46, p. 41-54, 2005.

CANTORAL, R.; FARFÁN, R-M; LEZAMA, J.; MARTINEZ-SIERRA, G. Socioepistemologia y representación: algunos ejemplos. In: Relime, número especial, p. 83-102, 2006.

CARREIRA, S. Where there’s a model, there’s a metaphor: Metaphorical thinking in students’ understanding of a mathematical model. Mathematical Thinking and Learning, v. 3, n. 4, p. 261-87, 2001.

CHAMARELLI FILHO, M. Linguagem, cultura e cognição: uma abordagem lingüístico-semiótica. Travessias, v. 1, n. 1, 10 p., 2007.

D’AMBRÓSIO, U. Educação matemática: da teoria à prática. Campinas: Papirus, 1996. 121p.

DUBINSKY, E. Mathematical reasoning: Analogies, metaphors, and images. Notices of the AMS, v. 47, n. 5, maio 1991.

DUPUY, M. Jean-Pierre. Nas origens das ciências cognitivas. São Paulo: Editora da UNESP, 1996.

GENTNER, D.; JEZIORSKI, M. The shift from metaphor to analogy in western science. In: ORTONY, A. (Ed.). Metaphor and thought. Cambrige: Cambridge University, 1979. p. 447-480.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Metáforas da vida cotidiana. Trad. Maria Sophia Zanotto e Vera Maluf. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

LAKOFF, G.; NÚÑEZ, R. Where mathematics comes from: How the embodied mind brings mathematics into being. New York: Basic Books, 2000.

LAVE, J. Cognition in practice: mind, mathematics, and culture in everyday life. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.

LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: Legitimate peripheral participation. Cambridge: Cambridge University Press, 1991.

LEITE, K. G.; OTTE, M. F. O pensamento metafórico na Matemática. In: SEMINÁRIO EDUCAÇÃO 2008: 20 ANOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - UFMT, 2008, Cuiabá-MT. Anais... Cuiabá, 2008. v. 1.

LESH, R.; CARMONA, G.; HJALMARSON, M. Working group: models and modeling. In: PME-NA, 2006, Mérida. Proceedings… Mérida, 2006. p. 1-4.

NERLICH, B. Media, metaphors and modelling: How the UK newspapers reported the epidemiological modeling controversy during the 2001 foot and mouth outbreak. Science, Technology & Human Values, v. 32, n. 4, p. 432-457, 2007.

NÖTH, W. Panorama da semiótica – de Platão a Peirce. São Paulo: Annablume, 2003. (Coleção E – 3).

OTTE, M. F. Epistemologia matemática de um ponto de vista semiótico. Trad. Maria Laura Magalhães Gomes et al. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 11-58, 2001.

PEIRCE, C. S. Os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1980. 120 p.

PEIRCE, C. S. Semiótica. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. 2. reimpr. da 3. ed. de 2000. São Paulo: Perspectiva, 2005. (Estudos, v. 46). RICOEUR, P. A metáfora viva. Porto, Portugal: Rés-Editora, 1983.

RODRIGUES, L. P. Analogias, modelos e metáforas na produção do conhecimento em Ciências Sociais. Pensamento Plural, v. 1, p. 11-28, 2007.

SANTAELLA, L. Matrizes da linguagem e do pensamento: sonora, visual, verbal. Aplicações na hipermídia. São Paulo: Iluminuras, 2001.

SANTAELLA, L. O que é semiótica. 27. reimpr. da 1. ed. de 1983. São Paulo: Brasiliense, 2008. (Coleção Primeiros Passos, v. 103).

SANTOS, L. R. Metáforas da razão ou economia poética do pensar kantiano. Lisboa, Portugal: Fundação Calouste Gulbenkian; Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica, 1994.

SFARD, A. Commentary: On metaphorical roots of conceptual growth. In: ENGLISH, L. D. Mathematical reasoning, analogies, metaphors and images. Nova Jersey: Lawrence Eribaum Associate Inc.Publishers, 1997.

TREVISAN, M. D.; CARNEIRO, M. C. Uma descrição semiótica da metáfora no ensino de biologia: asserções sobre a célula animal. Investigações em Ensino de Ciências, v. 14, n. 3, p. 479-496, 2009.

WILLIAMS, J.; WAKE, G. Metaphors and models in translation between college and workplace Mathematics. Educational Studies in Mathematics, v. 64, p. 345- 371, 2007.

Downloads

Publicado

2011-02-11

Como Citar

Almeida, L. M. W. de. (2011). Um olhar semiótico sobre modelos e modelagem : metáforas como foco de análise. Zetetike, 18. https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646663