Desconstruindo a matemática escolar sob uma perspectiva pós-metafísica de educação

  • Antonio Miguel Universidade Estadual de Campinas
  • Denise Silva Vilela Universidade Federal de São Carlos
  • Anna Regina Lanner de Moura Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Educação (matemática) escolar. Práticas socioculturais. Jogos simbólico-discursivos. Problematização (in)disciplinar. Transgressão. Desconstrução.

Resumo

Neste artigo, que se desenvolve no âmbito da filosofia da educação matemática, estabelecemos diálogo com perspectivas discursivas pós-metafísicas constituídas, sobretudo, nos campos da filosofia e da linguística aplicada. O nosso propósito é investigar estratégias que poderiam viabilizar e dar visibilidade a uma perspectiva transgressiva de ação educativa escolar. Tal perspectiva se pauta em uma ética política desconstrutiva que se desenvolve através da realização do que estamos aqui denominando práticas (in)disciplinares de problematização cultural. Essa problematização incide sobre duas questões centrais, a saber: a desconstrução da matemática como disciplina escolar e a desconstrução da concepção de educação escolar como transmissão ou apropriação individual de conhecimentos disciplinares. Num primeiro momento, fazemos breves comentários acerca dos desdobramentos político-epistemológicos da ética subjacente à concepção euclidiana de matemática. Em seguida, com base sobretudo em ideias do último Wittgenstein, de Foucault e Derrida, desenvolvemos um modo pluralista de ver e ler matemáticas na realização de práticas socioculturais em diferentes contextos de atividade humana. Esse modo (in)disciplinar de praticar matemáticas é ilustrado pela desconstrução do conceito matemático de ordem. Num segundo momento, inspirando-nos no rastro sugerido por Wittgenstein de que aprender é aprender a ver de outras maneiras, procuramos produzir significação preliminar à prática de desconstrução da educação escolar como desvio cultural e como processo neutro de transmissão ou apropriação de conteúdos disciplinares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Miguel, Universidade Estadual de Campinas
Professor do Departamento de Ensino e Práticas Culturais da Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas (SP) – Brasil. Integrante do Grupo PHALA: Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturais
Denise Silva Vilela, Universidade Federal de São Carlos
Professora do Departamento de Metodologia de Ensino da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos (SP) – Brasil. Integrante do Grupo PHALA: Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturais
Anna Regina Lanner de Moura, Universidade Estadual de Campinas
Professora do Departamento de Ensino e Práticas Culturais da Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas (SP) – Brasil. Integrante do Grupo PHALA: Grupo de Pesquisa em Educação, Linguagem e Práticas Culturais

Referências

AUSTIN, John L. How to do things with words. Cambridge, Massachusetts: 1977.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

CARROLL, L. Alice's adventures in wonderland & Through the looking-glass. London: CRW Publishing Limited, 2004.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault - Um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CHARLOT, B. A mistificação pedagógica. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

CONDÉ, M. L. L. Wittgenstein: linguagem e mundo. São Paulo: Annablume, 1998.

COSTA, C. Filosofia da linguagem. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

DELEUZE, G. Proust e os signos. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2009.

DUMMETT, M. Wittgenstein's Philosophy of Mathematics. The Philosophical Review, n. 68, p. 324-48.

ËNGESTRÖM, Y. Non scolae sed vitae discimus: Toward overcoming the encapsulation of school learning. Learning and instruction, n. 1, p. 243-259, 1991.

ENGESTRÖM, Y. Los estudios evolutivos del trabajo como punto de referencia de la teoria de la actividad: el caso de la práctica médica de la assistência básica. In: CHAIKLIN, S.; LAVE, J. (Comp.). Estudiar las prácticas: perspectivas sobre actividad y contexto. Buenos Aires: Amorrortu, 2001. p. 78-118.

ERDEMAN, D. V. The poetry and prose of William Blake. New York: Doubleday/Anchor, 1970.

FABRÍCIO, B. F. Lingüística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 45-65.

FEARN, N. Aprendendo a filosofar em 25 lições: do poço de Tales à desconstrução de Derrida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. 3. ed., 4. reimpressão. Rio de Janeiro: NAU, 2008.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos IV: estratégia, poder-saber. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

GALLO, S.; VEIGA-NETO, A. Michel Foucault: a descolonização do pensamento. Pedagogia Contemporânea, v. 3: memória, história e escolarização, p. 60-75. São Paulo: Segmento, 2009.

GERRARD, S. A philosophy of mathematics between two camps. In: SLUGA, H.; STERN, D.G. (Ed.). The Cambridge companion to Wittgenstein. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1999. p. 171-197.

GLOCK, H.-J. Dicionário de Wittgenstein. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

GLOCK, H.-J. Necessity and normativity. In: SLUGA, H.; STERN, D. G. (Ed.). The Cambridge companion to Wittgenstein. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1999. p. 198-225.

HEUSER, E. M. D. No rastro da filosofia da diferença. In: SKLIAR, C. (Org.). Derrida & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 59-82.

HOOKS, B. Teaching to transgress: education as the practice of freedom. New York: Routledge, 1994.

JAMES, W. Pragmatism: a new name for some old ways of thinking. New York: Barnes & Noble World Digital Library, 1907.

LANG, S. Estruturas algébricas. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico S.A.; Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1972.

LAVE, J. Do lado de fora do supermercado. In: FERREIRA LEAL, M. Idéias matemáticas de povos culturalmente distintos. São Paulo: Global, 2002. p. 65-98.

LEKTORSKY, V. A. Historical change of the notion of activity: philosophical pressuppositions. In: CHAIKLIN, S.; HEDEGAARD, M.; JENSEN, U. J. (Ed.). Activity theory and social practice: cultural-historical approaches. Copenhagen: Aarhus University Press, 2002. p. 100-113.

LIVET, P. As normas: análise da noção, estudo de textos: Wittgenstein, Leibniz, Kelsen, Aristóteles. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em análise do discurso. 2. ed. Campinas (SP): Pontes; Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1993.

MAINGUENEAU, D. Cenas de enunciação. São Paulo: Parábola, 2008.

MANGUEL, A. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

MARX, K. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Abril Cultural, 1978. (Coleção Os pensadores).

MIGUEL, A. Percursos indisciplinares na atividade de pesquisa em história (da educação matemática): entre jogos discursivos como práticas e práticas como jogos discursivos. Bolema — UNESP, Rio Claro (SP), v. 35A, p. 1-57, 2010.

MIGUEL, A.; MENDES, I. A. Mobilizing histories in mathematics teacher education: memories, social practices, and discursive games. ZDM - The International Journal on Mathematics Education, v. 42, Issue 3, p. 381-392, 2010. Berlin/Heidelberg: Springer.

MIGUEL A.; MOURA, A. R. L. Avaliação sistêmica em Matemática: alterando focos, concepções e intenções para se dimensionar tensões. In: DALBEN, A. I. L. de F.; PEREIRA, J. E. D.; LEAL, L. de F. V.; SANTOS, L. de C. P. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 647-671.

MIGUEL, A.; VILELA, D. S. Práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Cadernos Cedes, v. 28, n. 74, jan./abr. 2008.

MIGUEL, A.; VILELA, D. S.; MOURA, A. R. L. Problematização nas práticas escolares de mobilização de cultura matemática. Texto integrante do PAINEL intitulado “Tensões Metodológicas na Prática Educativa e na Pesquisa em Educação Matemática”. In: DALBEN, A. I. L. de F.; PEREIRA, J. E. D.; LEAL, L. de F. V.; SANTOS, L. de C. P. (Org.). Anais do XV Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino (XV ENDIPE), 20 a 23 de abril de 2010, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. CD-ROOM. Arquivo PDF, Subtema 16: Educação Matemática. p. 15-27.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Lingüística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

PECORARO, R. R. Niilismo, metafísica, desconstrução. In: DUQUE-ESTRADA, P. C. (Org.). Às margens: a propósito de Derrida. São Paulo: Loyola, 2002. p. 49-72.

PENNYCOOK, A. Uma lingüística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Lingüística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 67-84.

PETERS, M. A. Wittgenstein, Education and the Philosophy of Mathematics. Theory & Science, ISSN: 1527-5558, 2002. Disponível em: http://theoryandscience.icaap.org/content/vol003.002/peters.html. Acesso em: 16 jan. 2010.

PETERS, M. A.; MARSHALL, J. D. Wittgenstein: Philosophy, Postmodernism, Pedagogy. Westport: CT.; London: Bergin & Garvey, 1999.

PIAGET, J. A situação das ciências do homem no sistema das ciências. Lisboa: Livraria Bertrand, 1970.

RAJAGOPALAN, K. Jacques Derrida e a corda bamba como o caminho da ética. In: NASCIMENTO, E. (Org.). Jacques Derrida: pensar a desconstrução. São Paulo: Estação Liberdade, 2005. p. 119-124.

SHIBLES, W. Wittgenstein, linguagem e filosofia. São Paulo: Cultrix;Usp, 1974.

SILVA, F. M. M. A. P. Da literatura, do corpo e do corpo na literatura: Derrida, Deleuze e monstros do Renascimento. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2009. Colecção Teses LUSOSOFIA: PRESS. Direcção: José Rosa e Artur Morão.

SPANIOL, W. Filosofia e método no Segundo Wittgenstein. São Paulo: Loyola, 1989.

STROUD, B. Mind, meaning, and practice. In: SLUGA, H.; STERN, D. G. (Ed.). The Cambridge companion to Wittgenstein. Cambridge (UK): Cambridge University Press, 1999. p. 296-319.

SUDJIC, D. A linguagem das coisas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2010.

THOMPSON, J. B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

VILELA, D. S. A terapia filosófica de Wittgenstein e a educação matemática. Educação e Filosofia, v. 24, n. 48, p. 435-456, jul./dez. 2010.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Abril Cultural, 1979. (Coleção Os pensadores).

WITTGENSTEIN, L. Cultura e valor. Lisboa: Edições 70, 1980.

WITTGENSTEIN, L. Observaciones sobre los fundamentos de la Matemática. Alianza, 1987.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes, 1996.

WITTGENSTEIN, L. Philosophical investigations. New York: Basil Blackwell, 2001. 50th Anniversary Commemorative Edition.

Publicado
2011-02-11
Como Citar
Miguel, A., Vilela, D. S., & Moura, A. R. L. de. (2011). Desconstruindo a matemática escolar sob uma perspectiva pós-metafísica de educação. Zetetike, 18. https://doi.org/10.20396/zet.v18i0.8646675

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>