Banner Portal
A comunicação promovida por futuros professores na aula de matemática
PDF

Palavras-chave

Padrões de interacção
Tipos de perguntas e tempo de espera pelas respostas
Formação inicial de professores de matemática

Como Citar

ALMEIDA, Matilde G.; FERNANDES, José António. A comunicação promovida por futuros professores na aula de matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, n. 2, p. 109–154, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i34.8646681. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646681. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como principal objectivo descrever e analisar os modos de comunicação de futuros professores de Matemática. No estudo que serviu de base a este texto, adoptou-se uma metodologia de natureza qualitativa, baseada na elaboração de estudos de caso, de dois futuros professores de Matemática que integravam o núcleo de estágio orientado pela investigadora. Quanto à comunicação na aula de Matemática, os dois futuros professores apresentam concepções e práticas diferentes. João associa a comunicação ao modo como o professor expõe a matéria e às interacções professor-aluno, implementando um ensino centrado no professor que expõe e explica, transmitindo conhecimentos. Sara considera que devem prevalecer as interacções horizontais entre os alunos, advogando que estas são mais favoráveis a uma aprendizagem centrada no aluno e com compreensão, e no ensino valoriza, sem sempre conseguir implementar, as discussões entre os alunos e o recurso a questões abertas como forma de clarificarem as suas ideias e de apresentarem estratégias alternativas de resolução das tarefas.
https://doi.org/10.20396/zet.v18i34.8646681
PDF

Referências

AINLEY, J. (1988). Perceptions of teachers’ questioning styles. In A. Borbás (Ed.), Proceedings of the 12th Annual Meeting of the International Group for the Psychology of Mathematics Education (pp. 92-99). Veszprém, Hungary.

ALMIRO, J. (1997). O discurso na aula de Matemática e o desenvolvimento profissional do professor (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, 1997). Lisboa: APM.

ARENDS, R. I. (1995). Aprender a ensinar. Lisboa: McGraw-Hill de Portugal.

ARTZT, A. F. e ARMOUR-THOMAS, E. (2002). Becoming a reflective mathematics teacher: a guide for observations and self-assessment. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

BOGDAN, R., & BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

BRENDEFUR, J., & FRYKHOLM, J. (2000). Promoting mathematical communication in the classroom: Two perspectives teachers’ conceptions and practices. Journal of Mathematics Teacher Education, 3, 125-153.

BRUNHEIRA, L. (2000). O conhecimento e as atitudes de três professores estagiários face à realização de actividades de investigação na aula de Matemática (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, 2000). Lisboa: APM.

FERREIRA, R. A. (2005). Portuguese mathematics student teacher’s evolving teaching modes: a modified teacher development experiment. Tese de Doutoramento não publicada, Illinois State University.

LÜDKE, M. e ANDRÉ, M. (1986). Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária.

MARTINHO, M. H., & PONTE, J. P. (2005). Comunicação na sala de aula de Matemática: Práticas e reflexão de uma professora de Matemática. In Actas do XVI SIEM (pp. 273-293). Lisboa: APM.

MATOS, J. F., & Carreira, S. P. (1994). Estudos de caso em Educação Matemática – Problemas actuais. Quadrante, 3(1), 19-53.

MATOS, J. M., & Serrazina, M. L. (1996). Didáctica da Matemática. Lisboa: Universidade Aberta.

MENEZES, L. (1996a). Concepções e práticas de professores de matemática: Contributos para o estudo da pergunta (Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa, 1995). Lisboa: APM.

MENEZES, L. (1996b). A importância da pergunta do professor na aula de Matemática. In J. Ponte, C. Monteiro, M. Maia, L. Serrazina e C. Loureiro (Eds.), Desenvolvimento profissional dos professores de Matemática: Que formação? (pp. 105-116). Lisboa: SPCE.

MENEZES, L. (2000). Matemática, linguagem e comunicação. In Comissão Organizadora do ProfMat99 (Org.), Actas do ProfMat99 (pp. 71-81). Lisboa: APM. Consultado em 25 de Abril de 2006, em: www.ipv.pt/millenium/20_ect3.html.

MENEZES, L. (2004). Investigar para ensinar Matemática: Contributos de um projecto de investigação colaborativa para o desenvolvimento profissional de professores. (Tese de Doutoramento, Universidade de Lisboa, 2004). Lisboa: APM.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (1991). Organização curricular e programas 3.º ciclo do ensino básico. Lisboa: Autor.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2001). Currículo Nacional do Ensino Básico ¬ Competências Essenciais. Lisboa: Autor.

MOTA, M. R. (1998). Concepções e comunicação: Uma abordagem reflexiva para a formação de professores de matemática (Dissertação de Mestrado, Universidade de Aveiro, 1998). Lisboa: APM.

MOYER, P. S., & Milewicz, E. (2002). Learning to question: Categories of questioning used by preservice teachers during diagnostic mathematics interviews. Journal of Mathematics Teacher Education, 5(4), 293-315.

NCTM (1994). Normas profissionais para o ensino da Matemática. Lisboa: APM e IIE.

OLIVEIRA, I., & Serrazina, L. (2002). A reflexão e o professor como investigador. In Grupo de Trabalho de Investigação (Org.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional (pp. 29-42). Lisboa: Associação de Professores de Matemática

OLIVEIRA, H. (2004). Ser professor de Matemática: Percursos de identidade no início da carreira. In Actas do XV SIEM (pp. 65-92). Lisboa: APM.

PEDROSA, M. H. (2000). A comunicação na sala de aula: as perguntas como elementos estruturadores da interacção didáctica. In C. Monteiro, F. Tavares, J. Almiro, J. P. Ponte, J. M. Matos, & L. Menezes (Eds.), Interacções na aula de matemática (pp. 149-161). Viseu: Secção de Educação e Matemática da SPCE.

PONTE, J. P. (1994). O estudo de caso na investigação em Educação Matemática. Quadrante, 3(1), 3-18.

PONTE, J. P., & Serrazina, M. L. (2000). Didáctica da Matemática do 1.º ciclo. Lisboa: Universidade Aberta.

PONTE, J. P., Boavida, A. M., Graça, M., & Abrantes, P. (1997). Didáctica da Matemática. Lisboa: Ministério da Educação.

PONTE, J. P., Fialho, G., Marques, A. P., Marçal, M., Lemos, F., Rocheta, I. et al. (1999). A formação inicial de professores na Universidade de Lisboa. (Documento de trabalho não publicado). Consultado em 18 de Agosto de 2006, em: www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/artigos-portemas.htm#Formacao%20inicial%20de%20professores%20e%20inducao

SERRAZINA, L., & Oliveira, H. (2004). Editorial. Quadrante, 13(1), 1-3.

Sierpinska, A. (1998). Three epistemologies, three views of classroom communication: Constructivism, sociocultural approaches, interactionism. In H. Steinbring, M. G. Bartolini Bussi, & A. Sierpinska (Eds.), Language and communication in the mathematics classroom (pp. 30-62). Reston, VA: NCTM.

STUBBS, M. (1987). Linguagem, escolas e aulas. Lisboa: Livros Horizonte.

VOIGT, J. (1995). Thematic patterns of interaction and sociomathematical norms. In P. Cobb, & H. Bauersfeld (Eds.), The emergence of mathematical meaning: Interaction in classroom cultures (pp. 163-202). Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

WOOD, T. (1998). Alternative patterns of communication in mathematics classes: Funneling or focusing? In H. Steinbring, M. Bartolini Bussi, & A. Sierpinska (Eds.), Language and communication in the mathematics classroom (pp. 167-178). Reston, VA: NCTM.

YIN, R. K. (1994). Case study research: design and methods. Thousands Oaks, California: Sage Publications.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.