Um texto e um outro

Autores

  • Antonio Carlos Carrera de Souza Universidade Estadual Paulista
  • Alayde Maria Pinto Digiovanni Unicentro
  • Carlos Roberto Vianna Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v18i34.8646685

Palavras-chave:

Educação matemática. História oral. Rizomas. Acontecimento histórico.

Resumo

Este é um exercício de linguagem que se constitui como um movimento transversal à Educação Matemática e à História Oral. Abordam-se temas como “verdade”, “vontade de poder”, “vontade de saber”, argumentando pela impossibilidade de uma teoria sozinha, qualquer que seja ela, dar conta de explicar ou apontar verdades históricas encadeadas. Pretende-se a desconcertação do discurso histórico. Algumas noções deleuzianas são mobilizadas, de modo que a ideia de História toma a forma de uma História Oral nômade, sem fronteiras ou margens. Isso se dá contra certa ciência considerada régia, estatal, oficial e verdadeira. A partir das noções de rizomas e máquina de guerra nômades, discute-se a noção de acontecimento e acontecimento histórico. Citando e analisando, por dentro, nas vísceras, olhando entranhas nuas e sangrentas das várias teorias, este artigo foi tecido como uma crítica à sociedade que inventou “origens” para tudo, obrigando a história dos homens ao longo exercício metafísico de negar sempre as evidências humanas, emotivas e sensuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Carlos Carrera de Souza, Universidade Estadual Paulista

Professor da pós-graduação em Educação do Instituto de Biociências/UNESP/RC – (Rio Claro/SP, Brasil)

Alayde Maria Pinto Digiovanni, Unicentro

Professora da Unicentro

Carlos Roberto Vianna, Universidade Federal do Paraná

Professor da pós-graduação em Ensino de Ciências e em Matemática (PPGECM) da UFPR

Referências

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

ARTIÈRES, P. Dizer a atualidade: o trabalho de diagnóstico em Michel Foucault. In: GROS, F. (Org.) Foucault – a coragem da verdade. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BLOCH, M. Apologia da História ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo – capitalismo e esquizofrenia. Lisboa: Assírio & Alvim, 1966.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs – capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995-1997. Cinco volumes.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

KUNZRU, H. Você é um ciborgue: um encontro com Donna Haraway. In: SILVA, T. T. (Org.) Antropologia do ciborgue – as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LEVY, T. S. A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.

LINS, D. (Org.). Nietzche e Deleuze – pensamento nômade, Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

NIETZSCHE, F. Segunda consideração intempestiva – da vantagem e desvantagem da história para a vida. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

Downloads

Publicado

2011-01-20

Como Citar

SOUZA, A. C. C. de; DIGIOVANNI, A. M. P.; VIANNA, C. R. Um texto e um outro. Zetetike, Campinas, SP, v. 18, n. 2, 2011. DOI: 10.20396/zet.v18i34.8646685. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646685. Acesso em: 16 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo