A diferenciação entre figuras geométricas não-planas e planas: o conhecimento dos alunos das séries iniciais do ensino fundamental e o ponto de vista dos professores

Autores

  • Mônica Vasconcellos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v16i30.8646892

Palavras-chave:

Figuras geométricas não-planas e planas. Conhecimento dos alunos. Ponto de vista dos professores.

Resumo

Esta pesquisa teve por objetivo identificar e analisar o conhecimento que têm os alunos da 4ª série do Ensino Fundamental sobre a diferenciação entre figuras geométricas não-planas e planas e contrastar esse conhecimento com o ponto de vista dos seus professores. Participaram da investigação 30 alunos e 13 professores de três escolas, uma de cada rede: municipal, estadual e particular. Os dados foram coletados em entrevistas individuais. As questões propostas às crianças envolviam as semelhanças e as diferenças que existem entre tais figuras. Aos professores, as perguntas foram formuladas com o intuito de apreender o ponto de vista de cada um a respeito do que sabiam, pensavam e ensinavam de Geometria. Os resultados da pesquisa indicam, no geral, que tanto os alunos como os professores tiveram poucas oportunidades de vivenciar situações relacionadas ao assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Vasconcellos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda do PPGEdu/UFMS.

Referências

ARAÚJO, Maria Auxiliadora Sampaio. Por que ensinar Geometria nas séries iniciais de 1º grau. Educação Matemática em Revista, São Paulo, ano 2, n. 3, p. 12-16, 1994.

BERTHELOT, René ; SALIN, Marie-Hèlène. La ensenãnza de la Geometria en la escuela primária. Bordeaux, Laboratorio de Didáctica de las Ciencias Y Técnicas. Universidade Bordeaux I – IUFM de Aquitania, s.d.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto/ Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997. 8 v.

CROWLEY, Mary, L. O modelo Van Hiele de desenvolvimento do pensamento geométrico. In: LINDQUIST, Mary Montgomery; SHULTE, Albert P. (Org.). Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual, 1994. p. 1-19.

CURI, Edda. Formação de professores polivalentes: uma análise de conhecimentos para ensinar Matemática e de crenças e atitudes que interferem na constituição desses conhecimentos. 2004. 278 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2004.

DAMM, Regina Flemming. Registros de representação. In: MACHADO, Silvia Dias Alcântara et al. Educação Matemática: uma introdução. São Paulo: EDUC, 1999. p. 135-153. (Trilhas).

DEGUIRE, Linda, J. Geometria: um caminho para o ensino da resolução de problemas do jardim-de-infância à nona série. In: LINDQUIST, Mary Montgomery; SHULTE, Albert P. (Org.). Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual, 1994. p. 1-19.

FIORENTINI, Dario. Alguns modos de ver e conceber o ensino da Matemática no Brasil. Zetetiké — CEMPEM-FE/UNICAMP, Campinas, ano 3, n. 4, p. 1-37, 1995.

FREITAS, José Luiz Magalhães de. Uma reflexão sobre crenças relativas à aprendizagem matemática. Série-Estudos — UCDB, Campo Grande, n. 11, p. 99-109, 2001.

GÁLVEZ, Grécia. A. Geometria, a psicogênese das noções espaciais e o ensino da Geometria na escola primária. In: PARRA, Cecília, SAIZ, Irma (Org.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Tradução de Juan Acuña Llorens. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 236-258.

KALEFF, Ana Maria. Tomando o ensino da Geometria em nossas mãos. Educação Matemática em Revista, São Paulo, ano 1, n. 2, p. 19- 25, 1994.

MAIA, Lícia de Souza Leão. O ensino da Geometria: analisando diferentes representações. Educação Matemática em Revista, São Paulo, ano 7, n. 8, p. 24- 33, jun. de 2000.

MANRIQUE, Ana Lúcia. Processo de formação de professores em Geometria: mudanças em concepções e práticas. 2003. 168f. Tese (Doutorado em Educação: Psicologia da Educação) — Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2003.

MILAUSKAS, George A. Problemas de geometria criativos podem levar à resolução criativa de problemas. In: LINDQUIST, Mary Montgomery; SHULTE, Albert P. (Org.). Aprendendo e ensinando Geometria. São Paulo: Atual, 1994. p. 1-19.

MORON, Claudia Fonseca. As atitudes e as concepções dos professores de Educação Infantil com relação à Matemática. Zetetiké — CEMPEMFE/UNICAMP, Campinas, v. 7, n. 11, p. 87-102, 1999.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de. Professor de Matemática: a formação como solução construída. Revista de Educação Matemática – SBEM, São Paulo, ano 1, n. 1, p. 1-15, setembro de 1993.

MOURA, Manoel Oriosvaldo de. A formação do profissional de Educação Matemática. Temas e Debates – Sociedade Brasileira de Educação Matemática, São Paulo, ano VIII, n. 7 p. 16- 31, 1995.

NACARATO, Adair Mendes; PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. A Geometria nas séries iniciais: uma análise sob a perspectiva da prática pedagógica e da formação de professores. São Carlos: EdUFSCar, 2003. 151p.

NACARATO, Adair Mendes. Educação continuada sob a perspectiva da pesquisaação: currículo em ação de um grupo de professoras ao aprender ensinando Geometria. 2000. 330f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

NACARATO, Adair Mendes. A Geometria no Ensino Fundamental. In: SISTO, Fermino Fernandes; DOBRANSZKY, Enid Abreu; MONTEIRO, Alexandrina (Org.). Matemática e aprendizagem. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 84- 99.

NEVES, Aniceh Farah. Em busca de uma vivência geométrica mais significativa. 1998. 225f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual de São Paulo, Marília, 1998.

PAIS, Luiz Carlos. Intuição, experiência e teoria geométrica. Zetetiké — CEMPEMFE/UNICAMP, Campinas, v. 4, n. 6, p. 65-74, 1996.

PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion. Representações, interpretações e prática pedagógica: a Geometria na sala de aula. 2000. 348 f. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2000.

PAVANELLO, Regina Maria. O abandono do ensino da Geometria no Brasil: causas e conseqüências. Zetetiké — CEMPEM-FE/UNICAMP, Campinas, ano 1, n. 1, p. 7-17, 1993.

PAVANELLO, Regina Maria. Geometria: atuação de professores e aprendizagem nas séries iniciais. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 1, 2001, Curitiba. Anais... p. 172-183.

PIRES, Célia Maria Carolino; CURI, Edda; CAMPOS, Tânia Maria Mendonça (Org.). Espaço e forma: a construção de noções geométricas pelas crianças das quatro séries iniciais do Ensino Fundamental. São Paulo: PROEM, 2000. 285p.

PONTE, João Pedro et al. Investigações geométricas. In: PONTE, João Pedro et al. Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 71-89. (Tendências em Educação Matemática).

SAIZ, Irma. Análise de situações didáticas em Geometria para alunos entre 4 e 7 anos. In: GROSSI, Esther Pillar; BORDIN, Jussara (Org.). Construtivismo póspiagetiano: um novo paradigma sobre aprendizagem. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.

SANTALÓ, LUIS A. Matemática para não-matemáticos. In: SAIZ, Irma; PARRA, Cecília (Org.). Didática da Matemática. Reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 11-25.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SERRAZINA, Maria de Lurdes; PONTE, João Pedro da, OLIVEIRA, Isolina. Grandes temas matemáticos. In: SERRAZINA, Maria de Lurdes; PONTE, João Pedro da, OLIVEIRA, Isolina. A Matemática na Educação Básica. Lisboa: Ministério da Educação Básica, 1999. p. 41- 91. (Reflexão participada sobre os currículos do ensino básico).

Downloads

Publicado

2009-10-11

Como Citar

Vasconcellos, M. (2009). A diferenciação entre figuras geométricas não-planas e planas: o conhecimento dos alunos das séries iniciais do ensino fundamental e o ponto de vista dos professores. Zetetike, 16(2). https://doi.org/10.20396/zet.v16i30.8646892

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)