Banner Portal
O que há de concreto no ensino da matemática
PDF

Palavras-chave

Educação matemática
Formação de professores
Ensino-aprendizagem
Psicologia da educação
Representação social da matemática

Como Citar

MAIA, L. de S. L. O que há de concreto no ensino da matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 9, n. 1-2, p. 77–98, 2001. DOI: 10.20396/zet.v9i15-16.8646934. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646934. Acesso em: 23 fev. 2024.

Resumo

Propomos discutir a dimensão concreta do ensino da matemática, defendida por aqueles que aspiram à melhoria da qualidade do ensino desta disciplina. Tal problemática será abordada a partir de um estudo sobre a relação entre dois tipos de matemática: uma abstrata e outra concreta. Podemos falar em matemática concreta quando, na sua essência, a ciência matemática é um construto mental, no sentido dado por Piaget à Ação do Homem sobre o mundo? Propomos discutir que elementos do conhecimento de senso comum justificam tal diferenciação. Adotando a teoria das representações sociais como referencial teórico, analisamos as representações sociais de professores sobre a matemática. 127 professores foram interrogados. O que deve ser visto como concreto no ensino da matemática não se refere ao saber matemático, propriamente dito, e sim às situações utilizadas pelo professor em sala de aula.
https://doi.org/10.20396/zet.v9i15-16.8646934
PDF

Referências

ABRIC, J. C. Pratiques sociales et représentations. Paris. PUF, 1994, 251 p.

FERREIRO, E. Jean Piaget: el hombre y su obra. In: Vigencia de Jean Piaget. Buenos Aires, Siglo XXI editores, 1999, p. 93-134.

JODELET, D., MOSCOVICI, S. Editorial. Revue Internationale de Psychologie Sociale,. Paris, T.3. n. 3, 1990.

MAIA, L. Les représentations des enseignants sur les mathématiques: l'exemple des pourcentages. Mémoire de DEA en Sciences de l'Education, Université René Descartes, Paris V, 1993.

MAIA, L. O ensino da geometria: analisando diferentes representações. Educação Matemática em Revista, São Paulo, ano 7, n. 8, p. 24 –33, 2000.

MAIA, L. Les représentations des mathématiques et de leur enseignement: exemple des pourcentages. 343p., 1997. Tese de doutorado. Presses Universitaires du Septentrion, Villeneuve D’Asq, França.

MOSCOVICI, S. La psychanalyse, son image et son public, 1a Édition, Paris, PUF, 1961.

NIMIER, J. Mathématique et affectivité. Paris, Editions Stock, 1976.

NIMIER, J. Entretiens avec mathématiciens. Lyon, IREM, 1989.

SCHUBRING, G., GOLDSTEIN, C., KAHANE, J.P., BARBIN, E., REVUZ ,A. Les mythes historiques, sociaux et culturels des mathématiques : leur impact sur l’éducation. Paris: IREM, Université Paris VII, 1993.

PIAGET, J. et al. Abstração reflexionante: relações lógico-aritméticas e ordem das relações spaciais; Trad. Fernando Becker e Petronillha G. da Silva. Porto Alegre, Artes Médicas, 1995, 291p.

SCHUBRING, G. Desenvolvimento histórico do conceito e do processo de aprendizagem de recentes concepçãoes matemático-didáticas (erro, obstáculos, transposição). Zetetiké, - CEMPEM – FE/UNICAMP, Campinas, v.6, n. 10, p. 9-34, junho 1998.

VERGNAUD, G., La théorie des champs conceptuels. Recherches enDidactiques des Mathématiques, v. 10, n.23, p. 133-170, nov. 1990.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.