Banner Portal
História oral e educação matemática
PDF

Palavras-chave

História oral
Educação matemática

Como Citar

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti. História oral e educação matemática: de um inventário a uma regulação. Zetetike, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 9–56, 2003. DOI: 10.20396/zet.v11i19.8646949. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646949. Acesso em: 25 maio. 2024.

Resumo

Apresentamos, nesse artigo, uma “regulação” da prática em História Oral para a Educação Matemática. Nessa regulação focamos a seleção dos depoentes, a coleta de dados, a transcrição e a textualização dos relatos e a análise (que preferimos chamar “arremate de compreensões”), entendendo História Oral como um fazer hermenêutico. Finalizamos discutindo, ainda que brevemente, a restituição e os compromissos sociais dos pesquisadores em História Oral e apresentamos, em seguida, uma listagem bibliográfica composta não somente dos textos referenciados nesse artigo, mas de materiais vários que poderão servir de guia aos possíveis leitores interessados em debruçar-se mais nesse tema cujas linhas são aqui tramadas de modo apenas inicial.
https://doi.org/10.20396/zet.v11i19.8646949
PDF

Referências

ABAURRE, M.B.M.; FIAD, R.S.; MAYRINK-SABINSON, M.L.T. Cenas de aquisição da escrita: o sujeito e o trabalho com o texto. Campinas: Mercado de Letras, 1997.

ABRAHÃO, M.H.M.B. História e Histórias de Vida – Destacados educadores fazem a história da educação rio-grandense. Porto Alegre: PUC-RS, 2001.

AGUIAR, F.; MEIHY, J.C.S.B.; VASCONCELOS, S.G.T. (orgs.). Gêneros de Fronteira: cruzamentos entre o Histórico e o Literário. São Paulo: Xamã, 1997.

BACON, F. Advancement of Learning. Novum Organum. Chicago: New Atlantis/Enciclopedia Britannica, 1952.

BERGAMO, G. Documento não publicado enviado ao Conselho de Curso da Licenciatura em Matemática. UNESP: Bauru (mimeo), 2000.

BLOCH, M. Os reis taumaturgos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BLOCH, M. Apología para la historia o el oficio de historiador. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S.K. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1991.

BOSI, E. Memória e Sociedade. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

BROWN, C.S. Like it was: a complete guide to writing oral history. New York: Teachers & Writers, 1988.

BURCKHARDT, J. A cultura do Renascimento na Itália. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

BURKE, P. A Escola dos Annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Editora Unesp, 1997.

CASTRO, F.M. de O. A Matemática no Brasil. Campinas: Unicamp, 1992.

CATANI, D.B. et al. Docência, memória e gênero – Estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997.

CLARK, M.M. Esquecendo Louise Rouget: o problema do individualismo, da coletividade e das lembranças não-compartilhadas na História Oral e na cultura dos Estados Unidos. Revista Projeto História, n. 15. São Paulo: Educ, 1997. p. 85-117.

D'AMBRÓSIO, U. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP, Brasil: Papirus, 1999.

DELGADO, J.M.; GUTIÉRREZ, J. (org.). Métodos y técnicas cualitativas de investigación en ciencias sociales. Madri: Editorial Síntesis, 1994.

DEMARTINI, Z.de B.F.; LANG, A.B.da S.G. Educando para o trabalho: família e escola como agências educadoras. São Paulo: Loyola, 1985.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y.S. (eds.). Handbook of Qualitative Research. California: Sage Publications, 1994.

DESCARTES, R. Rules for the Direction of the Mind. Indianapolis: Bobbs-Merrill, 1961.

DESCARTES, R. Regras para a direcção do espírito. Lisboa: Editorial Estampa, 1971.

DUNAWAY, D.K.; BAUM, W.K. (ed.). Oral History – An Interdisciplinary Anthology. New York: Altamira Press, 1996.

ECO, U.; SEBEOK, T. A. (eds.). Dupin, Holmes, Peirce: The sign of three. Bloomington, IN: Indiana University Press, 1988.

ENCICLOPÉDIA EINAUDI. Método – Teoria/Modelo. v. 21. Portugal: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1992.

ERNEST, P. Philosophy of Mathematics Education. London: Falmer Press, 1991.

FAZENDA, I. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez, 1989.

FERREIRA, M. de M.; AMADO, J. Usos e Abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

FERREIRA, L.S.. Educação e História. Ijuí: Ed. Unijuí, 2001.

FREITAS, M.T. de A. (org.). Narrativas de professoras: pesquisando leitura e escrita numa perspectiva sócio-histórica. Rio de Janeiro: Ravil, 1998.

FREITAS, M. C. de. Da Micro-História à História das Idéias. São Paulo: Cortez/USF-IFAN, 1999.

FÓRUM “A INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO” (I). Anais. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora, 1998.

FÓRUM “A INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA EM EDUCAÇÃO” (II). Anais. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juíz de Fora, 2000.

GADAMER, H.G. et al. História e Historicidade. Lisboa: Gradiva, 1988.

GARNICA, A.V.M. Fascínio da Técnica, Declínio da Crítica: um estudo sobre a prova rigorosa na formação do professor de Matemática. Zetetiké. Campinas: CEMPEM, v. 4, n. 5, p. 07-28, 1996.

GARNICA, A.V.M. História, Filosofia, Educação e Matemática: interfaces. In. IV SEMINÁRIO NACIONAL DE HISTÓRIA DA MATEMÁTICA, 2001, Natal. Anais do IV SNHMat, Rio Claro (SP) /Natal (RN): Editora da Sociedade Brasileira de História da Matemática, 2001, p. 244-252.

GARNICA, A.V.M. Contribution to the Qualitative Research based on Phenomenology to the Scientific Practice of Mathematics Education. In: MALARA, N. An International View on Didactics of Mathematics as a Scientific Discipline. Proceedings of working group 25 of the 8th International Congress on Mathematical Education. Modena, Itália: University of Modena, 1996b, p. 49-64.

GARNICA, A.V.M. O escrito e o Oral: uma discussão inicial sobre os métodos da História. Ciência e Educação. Bauru: UNESP, v. 5, n.1, 1998, p. 27-35.

GARNICA, A.V.M. Filosofia da Educação Matemática: algumas ressignificações. In BICUDO, M.A.V. Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

GARNICA, A.V.M. É necessário ser preciso? É preciso ser exato? ‘Um estudo sobre argumentação matemática’ ou ‘Uma investigação sobre a possibilidade de investigação’ In: CURY, H.N. (org.). Formação de Professores de Matemática: perspectivas. Porto Alegre: PUC-RS. 2000 (no prelo).

GARNICA, A.V.M. Pesquisa Qualitativa e Educação (Matemática): de regulações, regulamentos, tempos e depoimentos. Bauru: USC, MIMESIS. V.22, n.1, 2001, p. 35-48.

GARNICA, A.V.M. História Oral e Educação Matemática: um inventário. BOLEMA. Rio Claro: UNESP, 2002 (no prelo).

GATTAZ, A.C. Braços da Resistência – Uma história oral da imigração espanhola. São Paulo: Xamã, 1996.

GINZBURG, C. Mitos, Emblemas e Sinais: Morfologia e História. São Paulo: Cia das Letras, 1991.

GINZBURG, C. Olhos de Madeira. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

GOODY, J. The interface between the written and the oral. New York: Cambridge University Press, 1993.

GUÉRIOS, E. C. Espaços Oficiais e Intersticiais da Formação Docente: histórias de um grupo de professores na área de Ciências e Matemática. 2002. Tese (Doutoramento em Educação) – Faculdade de Educação – Unicamp – Campinas.

HADAMARD, J. Psicologia de la invención en el campo matematico. Buenos Aires, Argentina: Espasa-Calpe, 1947.

HAGUETTE, M.T.F. Metodologias Qualitativas na Sociologia. Petrópolis: Vozes, 1987.

HELLER, A. O Cotidiano e a História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1970.

HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

KENSKI, V.M. Memória e Prática docente. Série Seminários. Faculdade de Educação da Unicamp: Centro de Memória. (s/d).

LANDO, J. O ensino de Matemática em Sinop nos anos de 1973 a 1979: uma história oral temática. Universidade Estadual de Mato Grosso, Faculdade de Ciências Exatas, Sinop, 2002.

LEIBING, A.; BENNINGHOFF-LÜHL, S. Devorando o tempo – Brasil, o país sem memória. São Paulo: Mandarim, 2001.

LE GOFF, J.; LADURIE, L.; DUBY, G. et al. A Nova História. Portugal: Edições 70, 1977. LE GOFF, J. A História Nova. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

LE GOFF, J.; NORA, P. História: Novas Abordagens. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1988.

LE GOFF, J. Memória e História. São Paulo: Unicamp, 1994.

LENKIJ, T.; HELFER, N.E. A memória e o ensino de história. Santa Cruz do Sul: Ed. UNISC, 2000.

LEWIS, B. History: Remembered, Recovered, Invented. Princeton: Princeton University Press, 1975.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MARTINS, J. Não somos Chrno’s, somos Kairós. São Paulo: PUC. (s/d) (mimeo).

MARTINS, J. A Pesquisa Qualitativa. In Fazenda, I. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo: Cortez. 1989, p. 48-58.

MEIHY, J.C.S.B. Manual de História Oral. São Paulo: Loyola, 1996.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MICHELET, J. O povo. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

MICHELET. J. Imagens da França. Bauru: Edusc, 2000.

MIORIM, M.A. Introdução a História da Educação Matemática. São Paulo: Atual, 1998.

MIORIM, M.A.; MIGUEL, A. A constituição de três campos afins de investigação: história da Matemática, Educação Matemática e História & Educação Matemática In Teoria e Prática da Educação, Maringá: UEM. 2001, 4(8): p. 35-62.

MOLES, A. As ciências do impreciso. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

MONTEIRO, R. (org.). Fazendo e aprendendo Pesquisa Qualitativa. Juiz de Fora: FEME, 1999.

MONTENEGRO, A.T. História Oral e Memória: a cultura popular revisitada. São Paulo: Contexto, 1994.

MORAES, M. de (org.). História Oral. Rio de Janeiro: Diadorim/Finep, 1994.

MORLEY, H. Minha Vida de Menina. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

NIETHAMMER, L. Conjunturas de identidade coletiva. In Revista Projeto História, n. 15. São Paulo: Educ. 1997, p. 119-144.

NOVAES, A. (org.). Tempo e História. São Paulo: Cia das Letras e Secretaria Municipal de São Paulo, 1994.

NÓVOA, A. (org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1995.

OLIVEIRA, P. de S. Vidas compartilhadas: cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 1999.

OLIVEIRA, M.A.G. O ensino de álgebra elementar: depoimentos e reflexões daqueles que vêm fazendo sua história. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação – Unicamp.

PALLARES-BURKE, M.L.G. As muitas faces da história – nove entrevistas. São Paulo: Unesp, 2000.

PERKS, R.; THOMSOM, A. (ed.). The Oral History Reader. London/New York: Routledge, 1998.

PESSANHA, J.A. da M. Filosofia e Modernidade: racionalidade, imaginação e ética. Cadernos ANPED, 04, 1993.

PORTELLI, A. The death of Luigi Trastulli and other stories – Form and meaning in Oral History. New York: State University of New York Press, 1991.

PORTELLI, A. Tentando aprender um pouquinho. Algumas reflexões sobre a ética na história oral. In Revista Projeto História, n. 15. São Paulo: Educ., 1997, p. 13-49.

QUEIROZ, M.I.P.de. Relatos Orais: do ‘indizível’ ao ‘dizível’ In: VON SIMSON, O. de M. (org.). Experimentos com História de Vida: Itália-Brasil. São Paulo: Vértice, Editora Revista dos Tribunais, 1988, p. 14-45.

REIS, J.C. A História: entre a filosofia e a ciência. São Paulo: Ática, 1996.

REIS, J.C. Escola dos Annales – a inovação em História. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

RICOEUR, P. O discurso da ação. Lisboa: Edições 70, 1988.

RICOEUR, P. Teoria da Interpretação – O discurso e o excesso de significação. Lisboa: Edições 70, 1976.

RICOEUR, P. O conlito das interpretações – ensaios de hermenêutica. Porto: Rés, 1988.

RITCHIE, D. Doing Oral History. New York: Simon & Schuster, 1994.

ROSENBLUTH, V. Keeping Family Memories Alive – Discovering & Recording the stories & reflections of a lifetime. Vancouver: Hartley & Marks Publishers, 1997.

SAVIANI, D.; LOMBARDI, J.C.; SANFELICE, J.L. (orgs.). História e História da Educação – O debate teórico-metodológico atual. São Paulo: Autores Associados, 2000.

SANTAMARINA, C.; MARINAS, J.M. Historias de vida e historia oral. In: DELGADO, J.M.; GUTIÉRREZ, J. (org.). Métodos y técnicas cualitativas de investigación en ciencias sociales. Madri: Editorial Síntesis, 1994, p.257-285.

SCHWARZ, R. Duas Meninas. São Paulo: Cia das Letras, 1997.

SIMSOM, O.R. de M. von. (org.). Os desafios contemporâneos da História Oral. Campinas: Centro de Memória – Unicamp, 1997.

SILVA, C.P. da. A Matemática no Brasil: uma história de seu desenvolvimento. Londrina: UFPR, 1992.

SOUZA, G.L.D. de. Cotidiano, Memória e História: três décadas de Educação Matemática na Baixada Santista. 1999. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Rio Claro – Unesp.

SOUZA, A.C.C. de.; SOUZA, G.L.D. de. Cotidiano e Memória. Teoria e Prática da Educação, Maringá: UEM. 2001, 4(8), p. 63-72.

STEINER, G. Language and Silence: essays on language, literature and the inhuman. New York: Atheneum, 1970.

TEIXEIRA, A.M.R. A sinfonia dos números: Maria Fialho Crusius – uma vida dedicada à Educação Matemática na UPF. 2000. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação. Universidade de Passo Fundo.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-Ação. São Paulo: Cortez. 9 ed., 2000.

THOMSON, A; Perks, R. (eds.). The Oral History reader. London: Routledge, 1998.

THOMSON, A. Recompondo a Memória: questões sobre a relação entre a História Oral e as memórias. In Revista Projeto História, n. 15. São Paulo: Educ., 1997, p. 51-84.

THOMPSON, P. A voz do passado – História Oral. 2. edição. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

THOMPSON, P. The voice of the past. 3. edition. Oxford/New York: Oxford University Press, 2000.

VANSINA, J. Oral Tradition as history. Madison: University of Wisconsin Press, 1985.

VIANNA, C.R. Vidas e Circunstâncias na Educação Matemática. 2000. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação – USP.

WITTER, G.P. (coord.). Pesquisas Educacionais. São Paulo: Símbolo, 1979.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.