Os graduandos em pedagogia e suas filosofias pessoais frente à matemática e seu ensino

Autores

  • Adair Mendes Nacarato Universidade São Francisco
  • Cármen Lúcia Brancaglion Passos Universidade Federal de São Carlos
  • Dione Lucchesi de Carvalho Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v12i21.8646963

Palavras-chave:

Crenças e valores. Filosofias pessoais. Formação de professores das séries iniciais. Ensino de matemática.

Resumo

O presente estudo buscou discutir as filosofias pessoais que os graduandos em Pedagogia trazem de sua formação matemática na Educação Básica e compreender como elas interferem nas relações que estabelecem com essa ciência e o seu ensino. Participaram do estudo 157 sujeitos, de três diferentes instituições de ensino superior de campi localizados em quatro cidades paulistas. O instrumento utilizado foi a discussão de um caso de ensino. A análise se centrou em: 1) a identificação ou não das idéias matemáticas presentes nas estratégias utilizadas no caso de ensino; 2) as filosofias pessoais dos graduandos frente à matemática e ao seu ensino e à educação de forma mais ampla. A maioria dos graduandos limitou-se a descrever os procedimentos utilizados pelos alunos no caso proposto, relegando a questão conceitual para um plano secundário e encontrou dificuldades em se colocar no lugar da professora, além de revelar uma visão dualista do ensino de matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adair Mendes Nacarato, Universidade São Francisco

Docente do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Educação, Universidade São Francisco, SP.

Cármen Lúcia Brancaglion Passos, Universidade Federal de São Carlos

Docente UFSCar/DME/PPGE.

Dione Lucchesi de Carvalho, Universidade Estadual de Campinas

Docente FE/UNICAMP.

Referências

BISHOP, Alan; CLARKSON, Philip. What values do you think you are teaching when you teach mathematics? In: GOUGH, J.; MOUSLEY, J. (eds.). Mathematics: Exploring all angles. Melbourne: Mathematical Association of Victoria, 1998, p.30-38.

CURY, Helena Noronha. Concepções e crenças dos professores de matemática: Pesquisas realizadas e significados dos termos utilizados. Bolema, Rio Claro, ano 12, n. 13, p. 29-43, 1999.

ECHEVERRÍA, Maria del Puy P. A solução de problemas matemáticos. In: POZO, Juan I. A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p.43-65.

ERNEST, Paul. The philosophy of mathematics education. London: The Falmer Press, 1991, 329p.

FIORENTINI, Dario; MIORIM, Maria Ângela (orgs.) Por trás da porta, que matemática acontece? Campinas, SP: FE/Unicamp-Cempem, 2001, 231p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997,165p.

GARRIDO, Elsa. Sala de aula: espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In: CASTRO, Amelia; CARVALHO, Anna M. P. Ensinar a Ensinar: Didática para Escola Fundamental e Média. São Paulo: Pioneira, 2001, p. 125-141.

MIGUEL, Antonio. Formas de ver e conceber o campo de interações entre filosofia e Educação Matemática. In: BICUDO, M. Aparecida V. (org.) Filosofia da Educação Matemática: concepções e movimento. Brasília: Plano Editora, 2003, p. 25-44.

MIZUKAMI, Maria da Graça N. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002, 203p.

OLIVEIRA, Isolina; SERRAZINA, Lurdes. A reflexão e o professor como investigador. In: GTI – Grupo de Trabalho de Investigação: Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Portugal: Associação de Professores de Matemática, 2002, p.29-42.

ONUCHIC, Lourdes de La Rosa; BOTTA, Luciene Souto. Reconceitualizando as quatro operações fundamentais. Revista de Educação Matemática, São Paulo: SBEM, ano 6, n. 4, 1998, p. 19-26.

PINTO, Neuza Bertoni. Erro: uma estratégia para diferenciação do ensino. In: ANDRÉ, Marli (org.) Pedagogia das diferenças na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999. p. 47-79.

PONTE, João Pedro da. Investigar a nossa própria prática. In GTI – Grupo de Trabalho de Investigação: Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Portugal: Associação de Professores de Matemática, 2002. p 5-28.

SHULMAN, L. Those who understand: the knowledge growths in teaching. Educational Researcher, fev. 1986, p.4-14.

SCHÖN, Donald A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000, 256p.

SERRAZINA, M. Lurdes. Concepções dos professores do 1º Ciclo relativamente à Matemática e práticas de sala de aula. Quadrante: Revista Teórica e de Investigação, Lisboa: APM, v. 2, n. 1, 1993, p.127-136.

SKOVSMOSE, Ole; BORBA, Marcelo C. A ideologia da certeza em Educação Matemática. In: SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática crítica: a questão da democracia. Campinas, SP: Papirus, 2001,160p.

SOUZA, Eliana da Silva. Um estudo histórico-pedagógico das crenças de futuros professores acerca do ensino-aprendizagem da noção de número natural. 1996. 168 p. Dissertação (Mestrado em Educação – Educação Matemática). Faculdade de Educação/Unicamp, Campinas, SP.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação de professores: idéias e práticas. Lisboa: EDUCA, 1993, 131p.

Downloads

Publicado

2009-02-18

Como Citar

NACARATO, A. M.; PASSOS, C. L. B.; CARVALHO, D. L. de. Os graduandos em pedagogia e suas filosofias pessoais frente à matemática e seu ensino. Zetetike, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 9–34, 2009. DOI: 10.20396/zet.v12i21.8646963. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646963. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>