Banner Portal
Os graduandos em pedagogia e suas filosofias pessoais frente à matemática e seu ensino
PDF

Palavras-chave

Crenças e valores
Filosofias pessoais
Formação de professores das séries iniciais
Ensino de matemática

Como Citar

NACARATO, Adair Mendes; PASSOS, Cármen Lúcia Brancaglion; CARVALHO, Dione Lucchesi de. Os graduandos em pedagogia e suas filosofias pessoais frente à matemática e seu ensino. Zetetike, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 9–34, 2004. DOI: 10.20396/zet.v12i21.8646963. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646963. Acesso em: 23 maio. 2024.

Resumo

O presente estudo buscou discutir as filosofias pessoais que os graduandos em Pedagogia trazem de sua formação matemática na Educação Básica e compreender como elas interferem nas relações que estabelecem com essa ciência e o seu ensino. Participaram do estudo 157 sujeitos, de três diferentes instituições de ensino superior de campi localizados em quatro cidades paulistas. O instrumento utilizado foi a discussão de um caso de ensino. A análise se centrou em: 1) a identificação ou não das idéias matemáticas presentes nas estratégias utilizadas no caso de ensino; 2) as filosofias pessoais dos graduandos frente à matemática e ao seu ensino e à educação de forma mais ampla. A maioria dos graduandos limitou-se a descrever os procedimentos utilizados pelos alunos no caso proposto, relegando a questão conceitual para um plano secundário e encontrou dificuldades em se colocar no lugar da professora, além de revelar uma visão dualista do ensino de matemática.
https://doi.org/10.20396/zet.v12i21.8646963
PDF

Referências

BISHOP, Alan; CLARKSON, Philip. What values do you think you are teaching when you teach mathematics? In: GOUGH, J.; MOUSLEY, J. (eds.). Mathematics: Exploring all angles. Melbourne: Mathematical Association of Victoria, 1998, p.30-38.

CURY, Helena Noronha. Concepções e crenças dos professores de matemática: Pesquisas realizadas e significados dos termos utilizados. Bolema, Rio Claro, ano 12, n. 13, p. 29-43, 1999.

ECHEVERRÍA, Maria del Puy P. A solução de problemas matemáticos. In: POZO, Juan I. A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: ArtMed, 1998, p.43-65.

ERNEST, Paul. The philosophy of mathematics education. London: The Falmer Press, 1991, 329p.

FIORENTINI, Dario; MIORIM, Maria Ângela (orgs.) Por trás da porta, que matemática acontece? Campinas, SP: FE/Unicamp-Cempem, 2001, 231p.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997,165p.

GARRIDO, Elsa. Sala de aula: espaço de construção do conhecimento para o aluno e de pesquisa e desenvolvimento profissional para o professor. In: CASTRO, Amelia; CARVALHO, Anna M. P. Ensinar a Ensinar: Didática para Escola Fundamental e Média. São Paulo: Pioneira, 2001, p. 125-141.

MIGUEL, Antonio. Formas de ver e conceber o campo de interações entre filosofia e Educação Matemática. In: BICUDO, M. Aparecida V. (org.) Filosofia da Educação Matemática: concepções e movimento. Brasília: Plano Editora, 2003, p. 25-44.

MIZUKAMI, Maria da Graça N. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCar, 2002, 203p.

OLIVEIRA, Isolina; SERRAZINA, Lurdes. A reflexão e o professor como investigador. In: GTI – Grupo de Trabalho de Investigação: Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Portugal: Associação de Professores de Matemática, 2002, p.29-42.

ONUCHIC, Lourdes de La Rosa; BOTTA, Luciene Souto. Reconceitualizando as quatro operações fundamentais. Revista de Educação Matemática, São Paulo: SBEM, ano 6, n. 4, 1998, p. 19-26.

PINTO, Neuza Bertoni. Erro: uma estratégia para diferenciação do ensino. In: ANDRÉ, Marli (org.) Pedagogia das diferenças na sala de aula. Campinas, SP: Papirus, 1999. p. 47-79.

PONTE, João Pedro da. Investigar a nossa própria prática. In GTI – Grupo de Trabalho de Investigação: Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Portugal: Associação de Professores de Matemática, 2002. p 5-28.

SHULMAN, L. Those who understand: the knowledge growths in teaching. Educational Researcher, fev. 1986, p.4-14.

SCHÖN, Donald A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000, 256p.

SERRAZINA, M. Lurdes. Concepções dos professores do 1º Ciclo relativamente à Matemática e práticas de sala de aula. Quadrante: Revista Teórica e de Investigação, Lisboa: APM, v. 2, n. 1, 1993, p.127-136.

SKOVSMOSE, Ole; BORBA, Marcelo C. A ideologia da certeza em Educação Matemática. In: SKOVSMOSE, Ole. Educação Matemática crítica: a questão da democracia. Campinas, SP: Papirus, 2001,160p.

SOUZA, Eliana da Silva. Um estudo histórico-pedagógico das crenças de futuros professores acerca do ensino-aprendizagem da noção de número natural. 1996. 168 p. Dissertação (Mestrado em Educação – Educação Matemática). Faculdade de Educação/Unicamp, Campinas, SP.

ZEICHNER, Kenneth M. A formação de professores: idéias e práticas. Lisboa: EDUCA, 1993, 131p.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.