Sentidos da integração curricular e o ensino de matemática nos parâmetros curriculares nacionais

Autores

  • Jane Bittencourt Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v12i22.8646973

Palavras-chave:

Interdisciplinaridade. Currículo. Integração curricular. Ensino de matemática.

Resumo

Este trabalho busca investigar a perspectiva de integração curricular em relação ao ensino de matemática, presente nos documentos curriculares atuais, particularmente nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental e Médio. Procuramos analisar de que maneira a proposta de integração se constrói a partir de diferentes vertentes, visando principalmente adequar o ensino às demandas atuais do mercado de trabalho. Além disso, analisamos as dificuldades de implementação desta integração almejada, diante da organização tradicional dos conteúdos curriculares ou do distanciamento de tais propostas em relação ao contexto escolar. No que se refere ao ensino de matemática, procuramos, através desta análise, evidenciar permanências e mudanças, assim como identificar tendências, de modo a caracterizar a dinâmica curricular presente nestes documentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jane Bittencourt, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: Classe, códigos e controle. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEF, 1999.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

D’AMBRÓSIO, U. Educação Matemática. Campinas: Papirus, 1997.

D’AMBROSIO, Ubiratan. Globalização e Multiculturalismo. Blumenau: Editora da FURB, 1996.

FAZENDA, I.C.A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 1994.

FOUCAULT, M. Surveiller et punir: naissance de la prison. Paris: Éditions Gallimard, 1975.

GOODSON, I. A construção social do currículo. Lisboa: Educa, 1997.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições :Loyola, 1992.

LELLIS, M. e IMENES, L.M. O currículo tradicional e o problema: um descompasso. A Educação Matemática em Revista, SBEM, ano I, n.2, 1994, p.5- 12.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1998.

LOPES, A.C. Parâmetros Curriculares para o ensino médio: quando a integração perde seu potencial crítico. In: LOPES, A.C.; MACEDO, E. (org.). Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

MACHADO, N.J. Epistemologia e Didática. São Paulo: Cortez, 1995.

PIRES, C.M.C. Currículos de matemática: da organização linear à idéia de rede. São Paulo: Editora FTD, 2000.

SACRISTÁN, J.G. Poderes instáveis em educação. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

SANTOS, L.C.; LOPES, A.C. A produção brasileira sobre integração curricular (anos 80 e 90). Anais da XI ENDIPE, Goiânia, 2002.

TOURAINE, A. Crítica da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994.

Downloads

Publicado

2009-02-17

Como Citar

BITTENCOURT, J. Sentidos da integração curricular e o ensino de matemática nos parâmetros curriculares nacionais. Zetetike, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 71–88, 2009. DOI: 10.20396/zet.v12i22.8646973. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8646973. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigo