Banner Portal
O jogo computacional Simcity 4 e suas potencialidades pedagógicas para as aulas de matemática
PDF

Palavras-chave

Jogo computacional
Educação matemática
Resolução de problemas
Prática pedagógica

Como Citar

MENDES, Rosana Maria; GRANDO, Regina Célia. O jogo computacional Simcity 4 e suas potencialidades pedagógicas para as aulas de matemática. Zetetike, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 118–154, 2008. DOI: 10.20396/zet.v16i29.8647038. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647038. Acesso em: 19 jun. 2024.

Resumo

Neste artigo apresentamos uma pesquisa em que investigamos as estratégias que os sujeitos utilizaram no processo de resolução de problemas matemáticos gerados pela estrutura, pela ação e mediação pedagógica com o jogo computacional Simcity 4. Buscamos: (1) discutir o potencial pedagógico do jogo Simcity 4 para as aulas de Matemática, no que diz respeito ao papel do professor e (2) verificar as potencialidades do jogo computacional para a apropriação dos conceitos matemáticos e para a produção de significados para os objetos matemáticos. Foram considerados como sujeitos quatro alunos com idade média de quinze anos. Para a análise, consideramos os registros orais e escritos dos sujeitos e o diário de campo da pesquisadora. A análise foi processada tendo em vista os momentos de intervenção pedagógica com jogos na aprendizagem matemática (GRANDO, 2000, 2004). Evidenciaram-se as características pedagógicas do jogo Simcity 4 — como este ofereceu aos sujeitos a oportunidade de elaborar e refletir sobre as diferentes estratégias de resolução de problemas, levantando hipóteses, analisando estratégias e discutindo resultados. Ofereceu, ainda, um ambiente favorável à mobilização/apropriação de conceitos matemáticos que envolvem a análise de gráficos e tabelas, tomada de decisões frente a custos e benefícios e a exploração do espaço do jogo de forma proporcional.
https://doi.org/10.20396/zet.v16i29.8647038
PDF

Referências

ANDRADE, Maria Margarida de. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação. São Paulo: Atlas, 2001. 150 p.

BATTAIOLA, André Luiz. Jogos por Computador –Histórico, Relevância Tecnológica e Mercadológica, Tendências e Técnicas de Implementação. 2000, Departamento de Computação da Universidade Federal de São Carlos. Disponível em: http://www.design.ufpr.br/lai/publicacoes/jogoscomputadores.pdf. Acesso em 19jul.2005.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em Educação. Portugal: Porto Editora Ltda, 1994. 335 p.

BORBA, Marcelo de Carvalho; PENTEADO, Miriam Godoy. Informática e Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 98 p.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 1991. 164 p.

GIL, A.C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002. 175 p.

GRANDO, Regina Célia. O jogo e a Matemática no contexto da sala de aula. São Paulo: Paulus, 2004. 115 p.

GRANDO, Regina Célia. O conhecimento matemático e o uso de jogos na sala de aula. 2000. 224 p. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Disponível em: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000314236. Acesso em: 08 jan.2004.

GRANDO, Regina Célia. O jogo e suas possibilidades metodológicas no processo ensino-aprendizagem da Matemática. 1995. 175 p. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

LÜDKE, Menga; André, Marli E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 100 p.

MARCO, Fabiana Fiorezi de. Estudo dos processos de resolução de problema mediante a construção de jogos computacionais de matemática no ensino fundamental. 140 p. Dissertação (Mestrado em Educação), 2003, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Disponível em: http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000316327. Acesso em: 29 jul. 2004.

MASETTO, Marcos T. Mediação pedagógica e o uso da tecnologia. In: MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000, p. 133-173.

MENDES, Rosana Maria. As potencialidades pedagógicas do jogo computacional Simcity 4. 201 p. Dissertação (Mestrado em Educação), 2006, Universidade São Francisco, Itatiba. Disponível em: http://www.saofrancisco.edu.br/cursos/propep/mestrado/educacao/ dissertacoes2006.asp. Acesso em: 09 mai.2007.

MOURA, Manoel Oriosvaldo. A Construção do Signo Numérico em Situação de Ensino. 151 p. Tese (Doutorado em Educação), 1992, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

PAIS, Luiz Carlos. Uma análise do significado da utilização de recursos didáticos no ensino da Geometria. 2000. Artigo completo em Anais. Disponível em: www.anped.org.br/23/textos/1919t.pdf. Acesso em: 20 out. 2004.

PENTEADO, Miriam G. Possibilidades para a formação de professores de Matemática. In: PENTEADO, Miriam G.; BORBA, Marcelo de Carvalho (orgs.) A informática em ação: formação de professores, pesquisa e extensão. São Paulo: Olho D´água, 2000, 1 ed., v. 1, p. 23-34.

PORTO, Tânia Maria Esperon. As tecnologias de comunicação e informação na escola; relações possíveis...relações construídas. In: Revista Brasileira de Educação. Campinas, Autores Associados, ANPED, jan./abr. de 2006, v. 11, n. 31, p. 43-57.

VALENTE, José Armando. A espiral da aprendizagem e as tecnologias da informação e comunicação: repensando conceitos. In: JOLY, Maria Cristina Rodrigues Azevedo (org). A tecnologia no ensino: implicações para a aprendizagem. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002, p. 15-37.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2014 Zetetiké: Revista de Educação Matemática

Downloads

Não há dados estatísticos.