Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil

Autores

  • Flávia Cristina Figueiredo Coura Universidade Federal d São João del Rei
  • Cármen Lúcia Brancaglion Passos Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i1.8647556

Palavras-chave:

Estado do conhecimento. Formador de professores de matemática. Formação de professores de matemática.

Resumo

Este estudo tem o objetivo de descrever e sistematizar o conhecimento produzido nas pesquisas defendidas de 2001 a 2012 que trazem resultados sobre o formador de professores de Matemática e foram desenvolvidas em programas brasileiros de pós-graduação stricto sensu das áreas de Educação e Ensino. A partir da leitura integral do texto das 30 investigações identificadas, foi feita uma análise qualitativa, que possibilitou agrupar esses estudos em duas temáticas. Os resultados indicam que as concepções e as práticas dos docentes da universidade que atuam na Licenciatura em Matemática têm implicações na formação dos futuros professores e que os saberes são constituídos e constitutivos da prática docente do formador, pois dominá-los, integrá-los e mobilizá-los são condições para que essa formação ocorra. Essas pesquisas não discriminaram os saberes específicos do formador, necessários à sua atividade profissional, nem indicaram em que medida se diferenciam dos saberes do professor que ele forma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Cristina Figueiredo Coura, Universidade Federal d São João del Rei

Mestre em Educação (2008) pela Faculdade de Educação da UFMG, pela linha de pesquisa Educação Matemática, com Licenciatura em Matemática (2002) e a Especialização em Educação Matemática (2005) pela Universidade Federal de Ouro Preto. Atualmente, é professora adjunta do quadro permanente da Universidade Federal de São João Del-Rei, vinculada ao Departamento de Matemática e Estatística. Além das atividades relacionadas à docência no Ensino Superior, orienta estágio supervisionado na Licenciatura em Matemática e foi vice-coordenadora do curso de 2011 a 2013. Atuou também como Coordenadora de Tutores e docente responsável por unidades curriculares na Licenciatura em Matemática na modalidade a distância. Anteriormente, foi professora da Educação Básica por seis anos em escolas da rede pública e particular em Minas Gerais. Desenvolve pesquisas sobre o ensino de Matemática na Escola Básica, Escrita Matemática e Aprendizagem e Formação de professores. (flaviacoura@ufsj.edu.br) 

Cármen Lúcia Brancaglion Passos, Universidade Federal de São Carlos

Licenciada em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1977), Mestre em Educação (Metodologia de Ensino) pela Unicamp (1995) e Doutora em Educação (Educação Matemática) pela Unicamp (2000), Pós-Doutorado na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (2008). Professora Associada (nível 3) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), atualmente lotada no Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas, leciona e orienta nos cursos de Licenciatura em Pedagogia (presenciais) e Pedagogia (EaD). Atua e coordena projetos de Extensão ligados ao ensino de matemática na Educação Básica. Exerceu dois mandados como Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSCar (01/07/2010 a 30/05/2013 e 01/06/2013 a 30/06/2015). No PPGE investiga e orienta pesquisas de mestrado e doutorado em temáticas da área de Educação e Educação Matemática, em especial, sobre a formação e desenvolvimento profissional de professores que ensinam matemática e narrativas de formação de professores que ensinam matemática. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática (GEM) na UFSCar e é pesquisadora do grupo PRAPEM/GEPFPM na Unicamp. Bolsista CNPq Produtividade desde 2011.

Referências

Altet, M., Paquay, L., & Perrenoud, P. (2003). A profissionalização dos formadores de professores. Porto Alegre: Artmed.

André, M. E. D. A., Almeida, C. A. A., Hobold, M. S., Ambrosetti, N. B., Passos, L. F., & Manrique, A. L. (2010). O trabalho docente do professor formador no contexto atual das reformas e das mudanças no mundo contemporâneo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 91(227), 122-143. Retirado em 07 de junho de 2013, de http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/606/587.

Brasil. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2015). ENADE 2014 – Relatório de Área: Matemática. Brasília: MEC/Inep. Retirado em 25 de maio de 2016, de http://portal.inep.gov.br/enade/relatorio-sintese-2014.

Brasil, V. R. A. (2001). As concepções e crenças dos professores de matemática da URCamp sobre “formar professores de matemática”. Dissertação de Mestrado em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (3a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Dal-Forno, J. P., & Reali, A. M. M. R. (2009). Formação de formadores: delineando um programa de desenvolvimento profissional da docência via internet. Revista Profissão Docente, 9(20), 75-99. Retirado em 27 de maio de 2015http://www.revistas.uniube.br/index.php/rpd/article/view/236

Fiorentini, D. (2004). A investigação em Educação Matemática sob a perspectiva dos formadores de professores. In Anais do XV Seminário de Investigação em Educação Matemática (pp.)13-35, Covilhã: APM.

Fiorentini, D., Nacarato, A. M., Ferreira, A. C., Lopes, C. S., Freitas, M. T. M., & Miskulin, R. G. S. (2002). Formação de professores que ensinam Matemática: um balanço de 25 anos da pesquisa brasileira. Educação em Revista, 36, 137-160.

Garnica, A. V. M. (1995). Fascínio da técnica, declínio da crítica: um estudo sobre a prova rigorosa na formação do professor de matemática. Tese de doutoramento em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquista Filho”, Rio Claro.

Gonçalves, T. O. (2000). Formação e desenvolvimento profissional de formadores de professores: o caso dos professores de matemática da UFPA. Tese de doutorado em Educação Matemática, Faculdade de Educação, Universidade estadual de Campinas-Unicamp, Campinas. Retirado em 07 de julho de 2013, de http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/code=vtls000195854&fd=y.

Kothagen, F., Loughran, J., & Lunenberg, M. (2005). Teaching teachers: studies into the expertise of teacher educators: an introduction to this theme issue. Teacher and Teacher Education, 21(2), 107-115. Retirado em 13 de junho de 2016, de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0742051X0400126X

Marcelo García, C. (1999). La formación de los formadores como espacio de trabajo e investigación: dos ejemplos. XXI Revista de Educación, 1, 33-57. Retirado em 18 de janeiro de 2016, de http://www.redes-cepalcala.org/inspector/DOCUMENTOS%20Y%20LIBROS/FORMACION/Formadores.pdf.

Mizukami, M. G. N. (2005). Aprendizagem da docência: professores formadores. In J. Romanowski, P. L. Martins, & S. R. A. Junqueira. Conhecimento local e conhecimento universal: formação docente, aprendizado e ensino (pp. 69-80). Curitiba: Editora Universitária Champagnat.

Nacarato, A. M., Passos, C. L. B., Cristóvão, E. M., Megid, M. A. B. A. & Coelho, M. A. V. M. P. (2016). Tendências das pesquisas brasileiras que têm o professor que ensina matemática como campo de estudo: uma síntese dos mapeamentos regionais. In: D. Fiorentini, C. L. B. Passos, & R. C. R. Lima (2016). Mapeamento da pesquisa acadêmica brasileira sobre o professor que ensina Matemática: período 2001 – 2012. FE-Unicamp: Campinas. Retirado em 08 de março de 2017, de https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/pf/subportais/biblioteca/fev-2017/e-book-mapeamento-pesquisa-pem.pdf.

Oliveira, A. T. C. C., & Fiorentini, D. (2013). O lugar das matemáticas na licenciatura em matemática: que matemáticas, que práticas formativas? Bolema. Boletim de Educação Matemática, 27, 917-938. Retirado em 12 de março de 2014, de file:///C:/Users/Fl%C3%A1via/Downloads/8286-43636-1-PB.pdf

Roldão, M. C. (2007). A formação de professores como objeto de pesquisa – contributos para a construção do campo de estudo a partir de pesquisas portuguesas. Revista Eletrônica de Educação, 1(1), 50-118. Retirado em 15 de abril de 2015, de http://www.reveduc.ufscar.br.

Romanowski, J. P., & Ens, R. T. (2006). As pesquisas denominadas do tipo “Estado da Arte” em Educação. Revista Diálogo Educacional, 6(19). Retirado em 12 de abril de 2016, de http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=189116275004.

Santos, V. M. (2005). A formação de formadores: que formação é essa?. Revista de Educação PUC-Campinas, 18, 61-64. Retirado em 12 de abril de 2106, de http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/viewFile/260/243.

Silva, M. T. (2001). Relação entre formação e prática pedagógica de matemática do professor do curso de magistério das séries iniciais do ensino fundamental. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes.

Thompson, A. G. (1992). Teachers’ beliefs and conceptions: a synthesis of the research. In D. A. Grouws, Handbook of research on Mathematics teaching and learning. , (pp. 127- 146). New York: Macmillan Publishing Company.

Vaillant, D. (2003). Formación de formadores. Estado de la práctica. Buenos Aires: Preal, 2002. Retirado em 13 de novembro de 2015, de http://www.oei.es/docentes/articulos/formacion_formadores_estado_practica_vaillant_portugues.pdf.

Zeichner, K. (2005). Becoming a teacher educator: a personal perspective. Teaching and Teacher Education, 21 (2), p. 117–124. Retirado em 30 de junho de 2015, de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0742051X04001234

Downloads

Publicado

2017-04-30

Como Citar

COURA, F. C. F.; PASSOS, C. L. B. Estado do conhecimento sobre o formador de professores de Matemática no Brasil. Zetetike, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 7–26, 2017. DOI: 10.20396/zet.v25i1.8647556. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8647556. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê temático - 2017