Currículo de matemática na educação do campo: panoramas e zoons

Autores

  • Línlya Sachs

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8647567

Palavras-chave:

Educação matemática. Educação do campo. Currículo. Etnomatemática.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir maneiras de entender o currículo de matemática na educação do campo, como uma atualização da pesquisa realizada por Barbosa (2014). Para isso, foi feito um levantamento de publicações acadêmicas, em um periódico, em um evento e em dissertações e teses, que aproximem a educação do campo e a educação matemática. A partir da metáfora da fotografia, são feitas imagens panorâmicas, que buscam dar uma ideia do todo. Com a análise dessas publicações, foram constituídas quatro categorias – chamadas de zoons, que focam aspectos relevantes do currículo escolar. A primeira delas entende que é importante “partir da realidade” para chegar ao objeto matemático; a segunda sugere que sejam incluídos nos currículos os “saberes locais”; a terceira afirma que não deve haver especificidade no programa curricular de matemática dessas escolas; e, por fim, a quarta compreende que a escola deveria, também, oferecer uma formação técnica para o trabalho rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amarante, A. A. (2011). O uso do Tinkerplots para exploração de dados por professores de escolas rurais. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática e Tecnológica. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Antunes-Rocha, M. I. (2009). Licenciatura em Educação do Campo: histórico e projeto político-pedagógico. In Antunes-Rocha, M. I.; Martins, A. A. Educação do Campo: desafios para a formação de professores (pp. 39-55). Belo Horizonte: Autêntica.

Barbosa, L. N. S. C. B., Carvalho, D. F. & Elias, H. R. (2014). As relações estabelecidas entre o cotidiano camponês e a sala de aula: análise da produção científica em 10 edições do Encontro Nacional de Educação Matemática. Revista de Educação Matemática e Tecnológica Iberoamericana, Recife, 5(1), 1-21.

Barbosa, L. N. S. C. (2014). Entendimentos a respeito da matemática na educação do campo: questões sobre currículo. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Univ Estadual Paulista.

Basso, J. D. & Bezerra Neto, L. (2012). As contradições presentes nas reivindicações do Movimento por uma Educação do Campo e a Pedagogia Histórico-Crítica. Itinerarius Reflectionis, Jataí, 2(13), 1-15.

Bourdieu, P. (2007). A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: Nogueira, M. A.; Catani, A. (Org.) Escritos da Educação (pp. 39-64). Petrópolis: Vozes.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Resolução nº 1, de 3 de abril de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Ministério da Educação (MEC). (2008). Resolução nº 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD) (2009). Edital de Convocação nº 09, de 29 de abril de 2009. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade e Inclusão (SECADI). (2012). Edital de Chamada Pública nº 2, de 31 de agosto de 2012. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília.

Camini, I. (2009). Escola itinerante dos acampamentos do MST: um contraponto à escola capitalista? Tese de Doutorado em Educação Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Org.) (2012). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2009). Educação do Campo: notas para uma análise de percurso. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, 7(1), 35-64.

Caldart, R. S. (2012). Pedagogia do Movimento Sem Terra. (4a ed). São Paulo: Expressão Popular.

Costa, L. F. M. (2012). A etnomatemática na educação do campo, em contextos indígena e ribeirinho, seus processos cognitivos e implicações à formação de professores. Dissertação de Mestrado em Educação em Ciências na Amazônia. Manaus: Universidade do Estado do Amazonas.

D’Ambrosio, U. (2004). Etnomatemática e Educação. In Knijnik, G., Wanderer, F. & Oliveira, C. J. Etnomatemática: currículo e formação de professores (pp. 39-52). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Feyh, C. R. N. (2013). Modelagem matemática na educação do campo. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Blumenau: Universidade Regional de Blumenau.

Fontana, D. L. (2006). Adaptações no ensino de matemática: uma análise da prática dos educadores do campo. Dissertação de Mestrado em Educação. Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). (2015). II PNERA: Relatório da II Pesquisa Nacional sobre a Educação na Reforma Agrária. Brasília: IPEA.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). (2007). Panorama da educação do campo. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Justi, J. C., & Bennemann, M. (2016). Etnomatemática: uma proposta pedagógica contextualizada. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo, SP, Brasil, 12.

Knijnik, G. (2001). Educação Matemática, Exclusão Social e Política do Conhecimento. Bolema, Rio Claro, 14(16), 1-15.

Knijnik, G. (2004a). Etnomatemática e politicidade da Educação Matemática. Anais do Congresso Brasileiro de Etnomatemática, Natal, RN, Brasil, 2. Disponível em: http://www2.fe.usp.br/~etnomat/site-antigo/anais/GelsaKnijnik.html.

Knijnik, G. (2004b). Itinerários da Etnomatemática: questões e desafios sobre o cultural, o social e o político na educação matemática. In Knijnik, G.; Wanderer, F.; Oliveira, C. J. Etnomatemática: currículo e formação de professores (pp. 19-38). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Kniknik, G., & Duarte, C. G. (2010). Entrelaçamentos e Dispersões de Enunciados no Discurso da Educação Matemática Escolar: um estudo sobre a importância de trazer a “realidade” do aluno para as aulas de matemática. Bolema, Rio Claro, 23(37), 863-886.

Lima, A. F. C., & Carvalho, D. L. (2010). Relacionando conhecimentos matemáticos do contexto rural e os do contexto escolar em aulas de matemática dos três anos finais do Ensino Fundamental. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-8). Salvador, BA, Brasil, 10.

Lopes, R. M. G. (2016). O trieiro, o Narrador e suas histórias. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-9). São Paulo, SP, Brasil, 12.

Lopes Filho, F. D. (2014). Os saberes matemáticos presentes nas práticas agrícolas em Tamatateua e a relação com o saber escolar. Dissertação de Mestrado em Linguagens e Saberes da Amazônia. Bragança: Universidade Federal do Pará.

Matos, E. A. (2014). Proposta de material didático sobre função afim específico para o curso de Agroecologia. Dissertação de Mestrado em Matemática em Rede Nacional. Mossoró: Universidade Federal Rural do Semi-Árido.

Moraes, R. & Galiazzi, M. C. (2007). Análise Textual Discursiva. Ijuí: Unijuí.

Munarim, A. (2008). Movimento Nacional de Educação do Campo: uma trajetória em construção. Anais da Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (pp. 1-17). Caxambu, MG, Brasil, 31.

Oliveira, H. D. L. (1998). Unidades populares de medida de comprimento e área: o rural e o currículo escolar. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 215-217). São Leopoldo, RS, Brasil, 6.

Sachs, L. (2017). Teorias curriculares e implicações pedagógicas da etnomatemática no contexto da educação do campo. In K. A. Silva & J. O. Dalto, Educação Matemática e Pesquisa: algumas perspectivas (pp. 297-318). São Paulo: Livraria da Física.

Sachs, L., & Elias, H. R. (2016). A Formação Matemática nos Cursos de Licenciatura em Educação do Campo. Bolema, Rio Claro, 30(55), 439-454.

Santos, L. M. S. (2010). Cálculo de área na vida e na escola: possíveis diferenças conceituais. Dissertação de Mestrado em Educação. São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe.

Saviani, D. (2011). Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados.

Seckler, D. M. (2010). O ensino de função polinomial do 1º grau na oitava série do Ensino Fundamental: um trabalho com situações do cotidiano. Dissertação de Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática. Santa Maria: Centro Universitário Franciscano.

Silva, M. V., Marques, M. R. A., & Gandin, L. A. (2012). Contradições e ambiguidades do currículo e das políticas educacionais contemporâneas – entrevista com Michael Apple. Currículo sem Fronteiras, Porto Alegre, 12(1), 175-184.

Silva, P. S. P. (2011). A formação de professores(as) na Escola Normal Rural de Juazeiro do Norte/CE sob uma perspectiva Etnomatemática. Tese de Doutorado em Educação Matemática. São Paulo: Universidade Bandeirante de São Paulo, São Paulo.

Silva, T. T. (2010). Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. (3a ed). Belo Horizonte: Autêntica.

Souza, R. B. (2016). Programa Etnomatemática: análise de práticas pedagógicas de ensino de matemática no contexto de educação no/do campo. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo, SP, Brasil, 12.

Thiesen, J. S., & Oliveira, M. A. (2012). O lugar do currículo na/da educação do campo no Brasil: aproximações e teorias curriculares. Revista Educação Pública, 21(45), 13-28.

Toledo, N. T. (2016). Educação matemática e a formação do técnico agrícola: uma análise de uma escola gaúcha na década de 1980. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-12). São Paulo, SP, Brasil, 12.

Downloads

Publicado

2018-06-13

Como Citar

Sachs, L. (2018). Currículo de matemática na educação do campo: panoramas e zoons. Zetetike, 26(2), 404–422. https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8647567

Edição

Seção

Artigo