“Os homens que sabem”: as mulheres da Cooperativa de Jaguarão e as matemáticas

  • Marta Cristina Pozzobon Universidade Federal do Pampa
  • Talita Mendes de Araujo Universidade Federal do Pampa
Palavras-chave: Mulheres da cooperativa. Matemática escolar. Usos das matemáticas.

Resumo

Neste artigo, discutimos sobre a matemática escolar e o uso das diferentes matemáticas, tendo como objetivo identificar a relação das mulheres da Cooperativa de Aliança Solidária e Prestadora de Serviços (COOADESPS) do município de Jaguarão/RS com o trabalho e com o uso das matemáticas. Para dar conta de tal objetivo, realizamos uma pesquisa qualitativa, com observações e entrevistas semiestruturadas com três mulheres cooperadas e com o coordenador da Cooperativa. O material foi analisado a partir dos seguintes referenciais: Wittgenstein (1979); Gottschalk (2014); Knijnik, Wanderer, Giongo e Duarte (2013); Walkerdine (2007); entre outros. Os materiais foram organizados em três grupos de recorrências: “As mulheres da Cooperativa”, “Alguns usos da matemática pelas mulheres” e “Os homens (...) que sabem”. Consideramos que o uso das matemáticas pelas mulheres da Cooperativa estava relacionado ao sustento da sua família, ao salário, ao preço do gás, ou melhor, aos usos próprios do seu grupo de convivência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Cristina Pozzobon, Universidade Federal do Pampa
Docente no curso de Pedagogia, pesquisa sobre sobre formação de professores que ensinam matemática nos anos iniciais.
Talita Mendes de Araujo, Universidade Federal do Pampa
Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Pampa

Referências

Brasil. (2006). Atlas da Economia Solidária no Brasil. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Secretária Nacional de Economia Solidária (SENAES). Disponível em: http://base.socioeco.org/docs/sies_atlas_parte_1.pdf.

D’ambrosio, U. (1990). Etnomátematica. São Paulo: Ática.

Gottschalk, C. M. C. (2014). Fundamentos filosóficos da matemática e seus reflexos no contexto escolar. International Studies on Law and Education, 18, 73-82.

Green, J. L.; Dixon, C. N.; & Zaharlick, A. (2005). A etnografia como uma lógica de investigação. Educação em Revista, Belo Horizonte, 42, 13-79.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2013). A efetividade da participação social no Brasil. Base de dados. Disponível em www.ipea.gov.br/participacao Brasília: Ipea.

Kauark, F., Manhães, F. C., & Medeiros, C. (2010). Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum.

Knijnik, G., Wanderer, F., Giongo, I. M., & Duarte, C. G. (2013). Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Lizcano, E. (2004). As matemáticas da tribo europeia: um estudo de caso. In: G. Knijnik, F. Wanderer; C. J. Oliveira (org.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. (pp. 124-138). Santa Cruz: EDUNISC.

Meneghetti, R. C. G. (2013). Educação Matemática e Economia Solidária: Uma aproximação por meio da etnomatemmática. Revista Latinoamercicana de Etnomatemática, 6(l), 40-66. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2740/274025755002.pdf

Saffioti, H. I. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Editora Perseu Abramo.

Scott, J.W. (1995). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, 20(2), 71-99. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667

Souza, M. C. R. F. (2008). Gênero e matemática(s) – jogos de verdade nas práticas de numeramento de alunas e alunos da educação de pessoas jovens e adultas. Belo Horizonte: Autêntica.

Souza, M. C. R. F.. & Fonseca, M. C. F. R. (2010). Razão cartesiana, matemática e sujeito – olhares foucaultianos. Educação & Realidade, 35(3), 303-322. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/9437

Velho, E. M. H,. & Lara, I. C. M. de. (2011). O Saber Matemático na Vida Cotidiana: um enfoque etnomatemático. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 4(2), 3-30. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/alexandria/article/download/37558/28850

Walkerdine, V. (2007). Ciência, razão e a mente feminina. Educação & Realidade, 32(1), 7-24.

Wanderer, F. (2007). Escola e Matemática Escolar: Mecanismo de Regulação sobre Sujeitos Escolares de uma Comunidade Rural de Colonização Alemã do Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado em Educação. São Leopoldo: Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Acesso em: 20 de agosto de 2015. Retirado em 20 de agosto, 2015, de: http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/tede/escola%20e%20matematica.pdf.

Wittgenstein, L. (1979). Investigações Filosóficas. São Paulo: Abril Cultural.

Publicado
2017-12-27
Como Citar
Pozzobon, M. C., & Araujo, T. M. de. (2017). “Os homens que sabem”: as mulheres da Cooperativa de Jaguarão e as matemáticas. Zetetike, 25(3), 405-417. https://doi.org/10.20396/zet.v25i3.8648207
Seção
Artigo