Afetividade e o ensino de Matemática: uma história de mediação pedagógica no Ensino Médio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8649169

Palavras-chave:

Mediação pedagógica. Afetividade. Ensino de matemática

Resumo

Este artigo baseia-se em pesquisa cujo objetivo foi identificar aspectos de uma prática pedagógica que podem ser considerados facilitadores do processo de aproximação afetiva positiva entre o aluno e os conteúdos de um campo específico do conhecimento: a matemática. Os dados foram coletados através de sessões de observação da prática pedagógica de um professor de matemática, em uma turma de primeiro ano do Ensino Médio, além de entrevistas com o mesmo e com alguns dos alunos. A partir do material coletado, foram criados núcleos temáticos com o intuito de reproduzir os aspectos identificados nos dados que possam ser interpretados como fatores de natureza afetiva e que, portanto, produzem impactos positivos ou negativos nos alunos. Os dados sugerem, fortemente, que as relações que se estabelecem entre sujeito (aluno) e objeto (conteúdos matemáticos) são determinadas basicamente pela mediação do professor, sendo que tais relações são, também, de natureza afetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Antônio da Silva Leite, Universidade Estadual de Campinas

Professor Titular da Faculdade de Educação da Unicamp

Valéria de Araújo Lima, Universidade Estadual de Campinas e Prefeitura Municipal de Campinas

Professora da rede municipal de Campinas.

Referências

Adams, V. (1989). Affective issues in teaching problem solving: a teacher’s perspective. In: D. Mcleod & V. Adams (Eds.), Affect and mathematical problem solving: A new perspective. (pp. 192-201) Nova York: Springer-Verlag.

Bishop, A. (1999). Enculturación matemática. La educación matemática desde una perspectiva cultural. Barcelona: Paidós.

DeBellis, V., & Goldin, G. (1991). Interactions between cognition and affect in high school student’s individual problem solving. In: R. Undehill (Ed.) Proceedings of the Thirteenth Annual Meeting on the Psycology of Mathematicas Education, North American Chapter of International Group. Virginia Polytechinic Institute and State University. Vol. I, 29-35.

Freitas, L. C. (2003). Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo: Moderna.

Galvão, I. (1995). Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Goméz Chacón, I. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed.

Leite, S. A. S. (2012). Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, 20(2), 355 – 368. Disponível em: http://www.temasempsicologia.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=6

Leite, S. A. S., & Kager, S. (2009). Efeitos aversivos das práticas de avaliação da aprendizagem escolar. Ensaio – avaliação e políticas públicas em Educação, 17(62), 109-134.

Lima, V. de A. (2014). Afetividade e o ensino de matemática. Trabalho de Conclusão de Curso em Pedagogia. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Retirado em 15 de março, 2017, de: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=000943946

Luckesi, C. C. (1984). Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Tecnologia Educacional, 13(61), 6-15.

Lüdke, M., & André, M. E. D. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mahoney, A. A., & Almeida, L. R. (2010). A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Edições Loyola.

McLeod, D. B. (1985). Affective issues in research on teaching mathematical problem solving. In: E. A. Silver (Ed.), Teaching and learning mathematical problem solving: multiple research perspectives. (pp. 267- 279). Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

McLeod, D. B. (1988). Affective issues in mathematical problem solving: Some theoretical considerations. Journal for Research in Mathematics Education, 19(2), 134-141.

McLeod, D. B. (1989). The role of affect in mathematical problem solving. In: D. B. McLeod & V. M. Adams (Eds.), Affect and mathematical problem solving: A new perspective (pp. 20-36). Nova York: Springer-Verlag.

McLeod, D. B. (1990). Information-processing theories and mathematics learning: the role of affect. International Journal of Educational Research, 1990, 14(1), 13-29.

McLeod, D. B. (1992). Research on affect in mathematics education: A reconceptualization. In: D. A. Grows (Ed.), Handbook ok Research on Mathematics Teaching and learning (pp.575-596). Nova York: Macmillan.

McLeod, D. B. (1994). Research on affect and mathematics learning in the JRME: 1970 to the present. Journal for Research in Mathematics Education, 25(6), 637-647.

Oliveira, M. K. (1997). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione.

Vygotsky, L. S. (1984). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1989). Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Wallon, H. (1968). A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70.

Wallon, H. (1971). As origens do caráter na criança. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Wallon, H. (1975). Psicologia da Educação e da Infância. Lisboa, Portugal: Editora Estampa.

Wallon, H. (1979). Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores.

Zan, R.; Brown, L.; Evans, J.; Hannula, M.S. (Eds.) (2006). Special Issue on Affect in Mathematics Education. Educational Studies in Mathematics.

Downloads

Publicado

2018-06-13

Como Citar

Leite, S. A. da S., & Lima, V. de A. (2018). Afetividade e o ensino de Matemática: uma história de mediação pedagógica no Ensino Médio. Zetetike, 26(2), 337–353. https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8649169

Edição

Seção

Artigo