Banner Portal
Afetividade e o ensino de Matemática
PDF

Palavras-chave

Mediação pedagógica
Afetividade
Ensino de matemática

Como Citar

LEITE, Sérgio Antônio da Silva; LIMA, Valéria de Araújo. Afetividade e o ensino de Matemática: uma história de mediação pedagógica no Ensino Médio. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 337–353, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i2.8649169. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8649169. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

Este artigo baseia-se em pesquisa cujo objetivo foi identificar aspectos de uma prática pedagógica que podem ser considerados facilitadores do processo de aproximação afetiva positiva entre o aluno e os conteúdos de um campo específico do conhecimento: a matemática. Os dados foram coletados através de sessões de observação da prática pedagógica de um professor de matemática, em uma turma de primeiro ano do Ensino Médio, além de entrevistas com o mesmo e com alguns dos alunos. A partir do material coletado, foram criados núcleos temáticos com o intuito de reproduzir os aspectos identificados nos dados que possam ser interpretados como fatores de natureza afetiva e que, portanto, produzem impactos positivos ou negativos nos alunos. Os dados sugerem, fortemente, que as relações que se estabelecem entre sujeito (aluno) e objeto (conteúdos matemáticos) são determinadas basicamente pela mediação do professor, sendo que tais relações são, também, de natureza afetiva.

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8649169
PDF

Referências

Adams, V. (1989). Affective issues in teaching problem solving: a teacher’s perspective. In: D. Mcleod & V. Adams (Eds.), Affect and mathematical problem solving: A new perspective. (pp. 192-201) Nova York: Springer-Verlag.

Bishop, A. (1999). Enculturación matemática. La educación matemática desde una perspectiva cultural. Barcelona: Paidós.

DeBellis, V., & Goldin, G. (1991). Interactions between cognition and affect in high school student’s individual problem solving. In: R. Undehill (Ed.) Proceedings of the Thirteenth Annual Meeting on the Psycology of Mathematicas Education, North American Chapter of International Group. Virginia Polytechinic Institute and State University. Vol. I, 29-35.

Freitas, L. C. (2003). Ciclos, seriação e avaliação: confronto de lógicas. São Paulo: Moderna.

Galvão, I. (1995). Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes.

Goméz Chacón, I. (2003). Matemática emocional: os afetos na aprendizagem matemática. Porto Alegre: Artmed.

Leite, S. A. S. (2012). Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia, 20(2), 355 – 368. Disponível em: http://www.temasempsicologia.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=6

Leite, S. A. S., & Kager, S. (2009). Efeitos aversivos das práticas de avaliação da aprendizagem escolar. Ensaio – avaliação e políticas públicas em Educação, 17(62), 109-134.

Lima, V. de A. (2014). Afetividade e o ensino de matemática. Trabalho de Conclusão de Curso em Pedagogia. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. Retirado em 15 de março, 2017, de: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?down=000943946

Luckesi, C. C. (1984). Avaliação educacional escolar: para além do autoritarismo. Tecnologia Educacional, 13(61), 6-15.

Lüdke, M., & André, M. E. D. (1986). Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Mahoney, A. A., & Almeida, L. R. (2010). A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Edições Loyola.

McLeod, D. B. (1985). Affective issues in research on teaching mathematical problem solving. In: E. A. Silver (Ed.), Teaching and learning mathematical problem solving: multiple research perspectives. (pp. 267- 279). Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

McLeod, D. B. (1988). Affective issues in mathematical problem solving: Some theoretical considerations. Journal for Research in Mathematics Education, 19(2), 134-141.

McLeod, D. B. (1989). The role of affect in mathematical problem solving. In: D. B. McLeod & V. M. Adams (Eds.), Affect and mathematical problem solving: A new perspective (pp. 20-36). Nova York: Springer-Verlag.

McLeod, D. B. (1990). Information-processing theories and mathematics learning: the role of affect. International Journal of Educational Research, 1990, 14(1), 13-29.

McLeod, D. B. (1992). Research on affect in mathematics education: A reconceptualization. In: D. A. Grows (Ed.), Handbook ok Research on Mathematics Teaching and learning (pp.575-596). Nova York: Macmillan.

McLeod, D. B. (1994). Research on affect and mathematics learning in the JRME: 1970 to the present. Journal for Research in Mathematics Education, 25(6), 637-647.

Oliveira, M. K. (1997). Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento: um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione.

Vygotsky, L. S. (1984). A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes.

Vygotsky, L. S. (1989). Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Wallon, H. (1968). A evolução psicológica da criança. Lisboa: Edições 70.

Wallon, H. (1971). As origens do caráter na criança. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Wallon, H. (1975). Psicologia da Educação e da Infância. Lisboa, Portugal: Editora Estampa.

Wallon, H. (1979). Do acto ao pensamento. Lisboa: Moraes Editores.

Zan, R.; Brown, L.; Evans, J.; Hannula, M.S. (Eds.) (2006). Special Issue on Affect in Mathematics Education. Educational Studies in Mathematics.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Zetetike

Downloads

Não há dados estatísticos.