Que ações didáticas escolher diante de erros de alunos em problemas matemáticos?

Autores

  • Maria Lucia Faria Moro Universidade Federal do Paraná
  • Maria Tereza Carneiro Soares Universidade Federal do Paraná
  • Alina Galvão Spinillo Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v25i3.8649678

Palavras-chave:

Ações didáticas e tipos de erros em problemas multiplicativos. Interpretação de professores. Professores e futuros professores de matemática

Resumo

O estudo descreve as ações didáticas que doze professores e doze futuros professores de matemática propõem para corrigir erros antes identificados de alunos do ensino fundamental em seis problemas de estrutura multiplicativa (produto de medida, isomorfismo de medida). Examina também se há relação entre o tipo de ação didática proposta e o tipo de erro identificado. Cada participante passou por uma entrevista semiaberta e os dados obtidos foram audiogravados. Os resultados mostram que professores e futuros professores propõem certa variedade de ações didáticas, com diferenças entre os dois grupos que variam quantitativamente conforme o tipo de problema. Já os sinais, pouco consistentes, de relação entre os tipos de ação didática e os tipos de erro identificado parecem variar, não exclusivamente pela formação e a experiência profissional, mas por alguma interação dessa variável com o tipo de problema. Implicações para a formação docente são discutidas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lucia Faria Moro, Universidade Federal do Paraná

Professor titular aposentado, Universidade Federal do Paraná.

Maria Tereza Carneiro Soares, Universidade Federal do Paraná

Professor associado, Departamento de Planejamento e Administração Escolar, Setor de Educação.

Alina Galvão Spinillo, Universidade Federal de Pernambuco

Professor titular do Departamento de Psicologia.

Referências

Astolfi, J. P. (1999). El “error”, un medio para enseñar. Coleção “Investigación y Enseñanza”. Sevilha: Díada.

Bessot, A. (1980). Analyse d’erreurs dans 1’utilisation de la suite des nombres par les enfants de la 1ére. année de 1’énseignement obligatoire en France au cours préparatoire. In Proceedings of the International Congress on Mathematical Education, v. 4, (pp. 474-476). Berkeley/CA: ICME 5.

Borasi, R. (1996). Reconceiving mathematics instruction: a focus on errors. Norwood, NJ: Ablex Publishing Corporation.

Borba, R., Pessoa, C. & Rocha, C. (2012). How primary students and teachers reason about combinatorial problems. In ICMI-International Commission do MathematicalInstruction, (Ed.), 12th. International Congress of Mathematical Education: Pre-proceedings, (pp. 1795-1802). Seoul: ICMI.

Brousseau, G. (1998). Théorie des situations didactiques: didactique des mathématiques 1970-1990. Grenoble: La Pensée Sauvage.

Castro-Rodriguez, E., Rico, L. & Gómez, P. (2012). Meanings of fractions as demonstrated by future primary teachers in the initial phase of teacher education. In: ICMI-International Commission of Mathematical Instruction, (Ed.), 12th. International Congress of Mathematical Education: Pre-proceedings (pp. 1803-1810). Seoul: ICMI.

Chevallard, Y. (1985). La transposition didactique, du savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: LaPensée Sauvage.

Contreras, L. C., Carrillo, J., Zakaryan, D., Muñoz-Catalán, M. C. & Cliemtn, N. (2012). Um estúdio exploratório sobre las competencias numéricas de los estudiantes para maestro. BOLEMA, Rio Claro, 26(42B), 433-457.

Cury, H. N. (1994). As concepções de matemática dos professores e suas formas de considerar os erros dos alunos. Tese de Doutorado em Educação. Porto Alegre: UFRGS, Faculdade de Educação.

Cury, H. N. (2007). Análise de erros: o que podemos aprender com as respostas dosalunos. Belo Horizonte: Autêntica.

Fischer, M. C. B. (2008). Os formadores de professores de matemática e suas práticas avaliativas. In W. R. Valente (Org.), Avaliação em Matemática :histórias e perspectivas atuais (pp.75-100). Campinas, SP: Papirus.

Gitirana, V., Campos, T, M. M., Magina, S. & Spinillo, A. (2014) Repensando Multiplicação e Divisão: Contribuições da Teoria dos Campos Conceituais. São Paulo: PROEM.

Koch, N. T. O. & Soares, M. T. C. (2005). O professor, seus alunos e a resolução de problemas de estrutura aditiva. In M. L. F. Moro & M. T. C. Soares (Orgs.), Desenhos, palavras e números: as marcas da matemática na escola (pp.145-182). Curitiba: Editora UFPR.

Lakatos, I. (1976). Pruebas y refutaciones: la logica del descubrimiento matemático. Madrid: Alianza Editorial.

Margolinas, C. (1993). De l’importance du vrai et du faux: dans la classe de mathématiques. Grenoble: La Pensée Sauvage.

Moro, M. L. F. & Soares, M. T. C. (2006). Aprendizagem de estruturas aditivas elementares- alunos, professores e pesquisadores como parceiros de uma construção conceitual. In M. R. F. de Brito (Org.), Solução de problemas e a matemática escolar (pp. 135-162). Campinas: Editora Alínea.

Pinto, N. B. (2000). O erro como estratégia didática: estudo do erro no ensino da matemática elementar. Campinas, SP: Papirus.

Spinillo, A. G., Pacheco, A. B. de, Gomes, J. F. & Cavalcanti, L. (2014). O erro no processo de ensino aprendizagem da matemática: errar é preciso? Boletim GEPEM (Online), 64, 1-12. Disponível em http://dx.doi.org/10.4322/gepem2015.005

Spinillo, A., Soares, M. T., Moro, M. L. F. & Lautert, S. F. (2016). Como professores e futuros professores interpretam erros de alunos ao resolverem problemas de estrutura multiplicativa? BOLEMA, 30(56), 1188-1206.

Vergnaud, G. (1983). Multiplicative structures. In R. Les & M. Landau (Eds.), Acquisiton of Mathematics: Concepts and Processes (pp.127-174). London: Academic Press.

Vergnaud, G. (1996). Au fond de l’action, la conceptualisation. In J.-M. Barbier (Dir.), Savoirs théoriques et savoirs d’action (pp. 275-292). Paris: PUF.

Vergnaud, G. (2014). A criança, a matemática e a realidade. M. L. F. Moro, trad. ed. revisada. Curitiba: Editora UFPR.

Downloads

Publicado

2017-12-27

Como Citar

Moro, M. L. F., Soares, M. T. C., & Spinillo, A. G. (2017). Que ações didáticas escolher diante de erros de alunos em problemas matemáticos?. Zetetike, 25(3), 418-439. https://doi.org/10.20396/zet.v25i3.8649678

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)