Sentidos e significados atribuídos por um grupo de estudantes às tarefas matemáticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8650202

Palavras-chave:

Sentido. Significado. Motivos. Alienação.

Resumo

Sentido e significado são coincidentes? Partindo da discussão em torno dessa pergunta e de alguns dados de uma pesquisa qualitativa, realizada com um grupo de alunos do nono ano do ensino fundamental de uma escola pública de Minas Gerais, os construtos sentido e significado, definidos à luz da Teoria da Atividade são discutidos no contexto da pesquisa. O objetivo é mostrar, partindo das respostas dos estudantes, obtidas por meio de entrevistas semiestruturadas, uma não coincidência entre o significado social e o sentido que eles atribuem às suas participações nas tarefas matemáticas propostas pelo pesquisador, ao longo de um semestre letivo. Essa não coincidência, que costumamos compreender como uma ruptura na aula de Matemática, em nível micro, e na escola de modo geral, em nível macro, pode gerar uma atividade alienada. Os resultados mostram que o significado social da Matemática e da escola, de forma geral, não coincide com o sentido pessoal atribuído pelos estudantes a elas. Ao final, discutem-se algumas possibilidades para a práxis docente como auxiliares na tessitura de uma prática transformadora imbuída do desejo/dever de possibilitar aos estudantes atribuírem novos sentidos à escola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edmilson Minoru Torisu, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor adjunto do Departamento de Educação Matemática da Universidade Federal de Ouro Preto e professor do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática da mesma instituição

Referências

Aguiar, W. M. J. (1998). Consciência e Atividade: categorias fundamentais da psicologia sócio-histórica. In A. M. B. Bock, M. G. M. Gonçalves & O. Furtado, Psicologia sócio-histórica: uma perspectiva crítica em psicologia (pp. 95-112). São Paulo: Cortez.

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandsznajder, F. (1998). O método nas ciências sociais. In A. J. Mazzotti, F. Gewandsznajder, O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa (pp. 147 - 178). São Paulo: Pioneira.

Asbahr, F. S. (2005). A pesquisa sobre a atividade pedagógica: contribuições da Teoria da Atividade. Revista Brasileira de Educação, (29), 108-118.

Borba, M. C., & Skovsmose, O. (2001). A ideologia da certeza em Educação Matemática. In O. Skovsmose, Educação Matemática Crítica: a questão da democracia (pp. 127 - 153). Campinas: Papirus.

Chaiklin, S. (2012). A conceptual perspective for investigating motive in cultural-historical theory. In M. Hedegaard, A. Edwards & M. Fleer. Motives in children´s development: cultural-historical approaches (pp. 209 - 224). New York: Cambridge University Press.

Duarte, N. (2004). Formação do indivíduo: consciência e alienação. O ser humano na Psicologia de A. N. Leontiev. Caderno Cedes, 24(62), 44-63.

Freitas, M. T. (2002). A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de pesquisa, (116), 21-39.

Kozulin, A. (2002). O conceito de atividade na Psicologia Soviética: Vygotsly, seus discípulos e seus críticos. In H. Daniels, Uma introdução a Vygotsky (pp. 111-137). São Paulo: Edições Loyola.

Lampreia, C. (1999). Linguagem e atividade no desenvolvimento cognitivo: algumas reflexões sobre as contribuições de Vygotsly e Leontiev. Psicologia: reflexão e crítica, 12(1), 225-240.

Leontiev, A. (1978a). O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Horizonte universitário.

Leont´ev, A. N. (1978b). Activity, consciousness and personality. New Jersey: Prentice-Hall.

Mendonça, S. G. (2011). A crise de sentidos e significados na escola: a contribuição do olhar sociológico. Caderno Cedes, 31(85), 341-357.

Moraes, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, 9(2), 191-211.

Ponte, J. P. (2009). Investigações matemáticas na sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

Rey, F. G. (2007). As categorias de sentido, sentido pessoal e sentido subjetivo: sua evolução e diferenciação na teoria histórico-cultural. Psicologia na Educação,(24), 155-179.

Skosmose, O. (2000). Cenários para investigação. Bolema, 13(14), 66-91.

Vigotski, L. S. (2000). A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2018-06-13

Como Citar

TORISU, E. M. Sentidos e significados atribuídos por um grupo de estudantes às tarefas matemáticas. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 390–403, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i2.8650202. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650202. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Artigo