Uma análise do Projeto de formação profissional de professores privilegiada pelo PROFMAT

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v26i2.8651034

Palavras-chave:

Currículo. Formação de Professores em Serviço. Mestrado Profissional

Resumo

Este estudo visa analisar e discutir o projeto acadêmico do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT), destacando, sobretudo, a natureza dos conhecimentos formativos que são priorizados por essa política pública de desenvolvimento docente. Tendo por base a teorização de Gimeno Sacristán, esse projeto foi considerado neste artigo o currículo oficial desse programa, que foi analisado a partir de uma perspectiva curricular crítica e de pesquisas que investigam o “conhecimento especializado do professor de matemática”. As análises evidenciaram que esse programa de pós-graduação privilegia a disseminação de códigos e conhecimentos vinculados fortemente à prática do matemático profissional, ao mesmo tempo que não aborda conhecimentos referidos pela literatura especializada como sendo fundamentais para a prática do professor que ensina matemática na educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlova Estela Caldatto, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutora em Educação para a Ciência e a Matemáticapela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Docente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pato Branco, Paraná, Brasil.

Dario Fiorentini, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Educação pela Unicamp. Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Unicamp. Campinas, São Paulo, Brasil.

Regina Maria Pavanello, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática da UEM. Maringá, Paraná, Brasil.

Referências

Apple, M. W. (2006). Ideologia e Currículo. Porto Alegre: Artmed.

Ball, D. L., Lubienski, S., and Mewborn, D. (2001). Research on teaching mathematics: The unsolved problem of teachers' mathematical knowledge. In V. Richardson (Ed.), Handbook of research on teaching (4th ed.) (pp. 433–456). New York: Macmillan.

Ball, D. L.,Thames, M. H. & Phelps, G. (2008). Content knowledge for teaching: what makes it special? Journal of Teacher Education, 59(5), 389-407.

Ball, S.J. (2015). What is policy? 21 years later: reflections on the possibilities of policy research. Discourse, 36(3), 306-313.

Bowe, R.; Ball, S. & Gold, A. (1992). Reforming education and changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge.

Baumert, J., Kunter, M., Blum, W., Brunner, M., Voss, T., Jordan, A., Klusmann, U., Krauss, S., Neubrand, M. & Tsai, M. (2010) Teachers' mathematical knowledge, cognitive activation in the classroom, and student progress. American Educational Research Journal, 47(1), 133-180.

Conselho Nacional de Educação (CNE). (2001). Parecer CNE/CES 1.302/2001. Diretrizes Curriculares para Cursos de Matemática, Licenciatura e Bacharelado. Brasília: Conselho Nacional de Educação.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2010). APCN – 2010. Aplicativo para Propostas de Cursos Novos. CAPES: Brasília.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). (2013). Avaliação Suplementar Externa do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT). Brasília.

Bromme, R. (1993). Beyond subject matter: a psychological topology of teachers’ professional knowledge. In R. Biehler, R. Scholz, R. Sträßer & B. Winkelmann (Eds.). Mathematics didactics as a scientific discipline. The state of the art (pp. 73-88). Dordrecht: Kluwer.

Carrillo, J., Contreras, L. C. & Flores, P. (2013). Un modelo de conocimiento especializado del profesor de matemáticas. In L. Rico, M. C. Cañadas, J. Gutiérrez, M. Molina & I. Segovia (Eds.) Investigación en Didáctica de la Matemática. Libro homenaje a Encarnación Castro (pp. 193-200). Granada: Comares.

Fiorentini, D. & Oliveira, A. T. C. C. (2013) O Lugar das Matemáticas na Licenciatura em Matemática: que matemáticas e que práticas formativas? Bolema, 27(47), 917-938

Gatti, B. A., Barretto, E. S. S., & André, M. E. D. A (2011). Políticas docentes no Brasil: um estado da arte. Brasília: Unesco.

Hill, H.C., Ball, D. L., & Schilling, S. G. (2008). Unpacking “Pedagogical Content Knowledge”. Journal for Research in Mathematics Education, 39(4), 372-400.

Krauss, S., Baumert, J., & Blum, W. (2008). Secondary mathematics teachers' pedagogical content knowledge and content knowledge: validation of the COACTIV constructs. Zentralblatt für Didaktik der Mathematik, 40(5) 873-892.

Lopes, A. C. (2007). Currículo e Epistemologia. Ijuí: Editora UNIJUÍ.

Losano, A. L., & Fiorentini, D. (2018). Análise das ênfases formativas de mestrados profissionais destinados a professores de matemática. Revista Internacional de Educação Superior [RIESup], 4(2), 1-30 (AOP).

Ma, L. (2009). Saber e Ensinar Matemática Elementar. Lisboa: Gradiva.

Mainardes, J. (2006). Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, 27(94), 47-69.

Moreira, P. C., & David, M. M. (2010). A formação matemática do professor: licenciatura e prática docente. (Coleção Tendências). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Sacristán, J. G. (1998). O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: ArtMed.

Sacristán, J. G., (2013). O que significa o currículo. In J., G. Sacristán (Ed.) Saberes e incertezas sobre o currículo (pp.16-38). Porto Alegre: Penso.

Saviani, N. (2003). Saber Escolar, Currículo e Didática: Problemas da unidade conteúdo/método no processo pedagógico (4a ed.). Campinas: Autores Associados.

Shulman, L. S. (1986). Those who understand: Knowledge growth in teaching. Educational Researcher, 15(2), 4-14.

Shulman, L. S. (1987). Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, 57(1), 1-22.

Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) (2010). Projeto Acadêmico do PROFMAT. Rio de Janeiro: SBM.

Sociedade Brasileira de Matemática (SBM) (2017). PROFMAT: uma reflexão e alguns resultados. Rio de Janeiro: SBM.

Downloads

Publicado

2018-06-13

Como Citar

CALDATTO, M. E.; FIORENTINI, D.; PAVANELLO, R. M. Uma análise do Projeto de formação profissional de professores privilegiada pelo PROFMAT. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 260–281, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i2.8651034. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8651034. Acesso em: 7 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>