Banner Portal
Ensino de matemática na EJA
PDF

Palavras-chave

Educação de pessoas jovens adultas e idosas (EJA)
Ensino de matemática
Rede Municipal de Educação de Betim (MG)
História oral

Como Citar

FERREIRA, A. R. C.; GOMES, M. L. M. Ensino de matemática na EJA: Betim (MG), década de 1990. Zetetike, Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 629–648, 2018. DOI: 10.20396/zet.v26i3.8652626. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8652626. Acesso em: 24 fev. 2024.

Resumo

Este artigo focaliza o ensino de Matemática na Educação de Pessoas Jovens Adultas e Idosas (EJA), no curso de Suplência oferecido pela Rede Municipal de Educação de Betim, Estado Minas Gerais, entre 1995 e 1999. A fonte principal do estudo é constituída por entrevistas realizadas com oito educadores, com a utilização da História Oral como princípio teórico-metodológico. Três seções inter-relacionadas compõem a parte central do texto: a questão da relação entre o tempo disponível e o currículo da EJA, as motivações para a seleção do que seria ensinado e os conteúdos matemáticos efetivamente propostos e trabalhados. Como principais critérios norteadores, evidenciaram-se a intenção de apresentar a Matemática de forma contextualizada na vida social e em outras áreas do conhecimento; a abreviação do tempo de curso em comparação ao ensino regular, a perspectiva de continuidade dos estudos para os alunos. Na análise dos depoimentos dos entrevistados, abordam-se diversos aspectos, como a falta de materiais didáticos projetados especificamente para a EJA, as dificuldades dos estudantes em Matemática, as carências dos docentes no sentido de atender as particularidades dos sujeitos jovens, adultos e idosos.

https://doi.org/10.20396/zet.v26i3.8652626
PDF

Referências

Adelino, P. R. & Fonseca, M. C. F. R. (2014). Matemática e texto: práticas de numeramento num livro didático da educação de pessoas jovens e adultas. Revista Brasileira de Educação, 19(56), 181-200.

Alberti, V. (2004). Manual de História Oral. Rio de Janeiro, FGV.

Apple, M. W. (1997). Conhecimento oficial: A educação democrática numa era conservadora. Petrópolis: Vozes.

Apple, M. W. (2000). Política cultural e educação. São Paulo: Cortez.

Auarek, W. A. (2000). A superioridade da matemática escolar: um estudo das representações deste saber no cotidiano da escola. Dissertação de Mestrado em Educação: Universidade Federal de Minas Gerais.

Auarek, W. A., Nunes, C. M. & Paula, M. J. (2014). Pesquisa e formação com professores - Contribuições dos estudos da narrativa. In: Souza, J. V., Diniz, M. & Oliveira, M. G. Formação de professores(as) e condição docente. Belo Horizonte, MG: UFMG.

Constituição da República Federativa do Brasil. (1988). Brasília, DF.

Constituição do Estadual de Minas Gerais. (1989). Retirado em 17 de fevereiro, 2014, de: <http://www.almg.gov.br/opencms/export/sites/default/consulte/legislacao/Downloads/pdfs/ConstituicaoEstadual.pdf>.

Eugênio, B. G. (2004). O currículo na educação de jovens e adultos: entre o formal e o cotidiano numa escola municipal em Belo Horizonte. Dissertação de Mestrado em Educação: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Ferreira, A. R. (2009). Práticas de numeramento, conhecimentos cotidianos e escolares em uma turma de Ensino Médio da Educação de Pessoas Jovens e Adultas. Dissertação de Mestrado em Educação: Universidade Federal de Minas Gerais.

Ferreira, A. R. C. (2016). Educação de Pessoas Jovens e Adultas em Betim (MG), 1988-2007: perspectivas de educadores e professores de Matemática. Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais.

Ferreira, A. R. C. & Gomes, M. L. M. (2015). Ensinar Matemática para Pessoas Jovens e Adultas: concepções dos educadores da rede municipal de Betim. História Oral, 18(2), 55-82.

Fonseca, M. C. F. R. (1995). Por que ensinar Matemática. Presença Pedagógica, 1(2), 46-54.

Fonseca, M. C. F. R. (1999). O ensino de matemática e a Educação Básica de Jovens e Adultos. Presença Pedagógica, 5(27), 28-37.

Fonseca, M. C. F. R. (2005). Educação Matemática de Jovens e Adultos – Especificidades, desafios e contribuições (3a ed.). Belo Horizonte: Autêntica.

Freire, P. (2006). Pedagogia da esperança (13a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Garnica, A. V. M. (2003). História Oral e Educação Matemática: de um inventário a uma regulação. Zetetike, 11(19), 09-55.

Garnica, A. V. M. (2005). A História Oral como um recurso para a pesquisa em Educação Matemática: um estudo do caso brasileiro. Anais do V CIBEM, Porto, Portugal, 1, 01-12.

Garnica, A. V. M. (2007). Manual de História Oral em Educação Matemática: outros usos, outros abusos. Anais do Seminário Nacional de História da Matemática, Guarapuava, PR, Brasil.

Garnica, A. V. M. & Souza, L. A. de. (2012). Elementos de História da Educação Matemática. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Kooro, M. B. (2006). Uma análise curricular da Matemática na Educação de Jovens e Adultos. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul.

Kooro, M. & Lopes, C. Produzindo significados nas aulas de matemática da EJA: uma análise curricular. Anais do XVIII Encontro Regional de Professores de matemática, Campinas, SP, Brasil. Retirado em 19 de janeiro, 2016, de: www.ime.unicamp.br/erpm2005/ anais/c11.pdf.

Lei 9.394, de 20 de setembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF.

Lei Orgânica Municipal Betim, de 21 de março de 1990. (1990). Retirado em 17 de fevereiro, 2014, de: .

Machado, M. M. (1998). A trajetória da EJA na década de 90: políticas públicas sendo substituídas por solidariedade. Anais da 21a Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, MG Associação Nacional de Pós-Graduação em Educação, Brasil.

Ministério da Educação (MEC). (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Matemática. Brasília, DF: Ministério da Educação.

Ministério da Educação (MEC). (2002). Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Segundo Segmento do Ensino Fundamental: 5ª a 8ª série - Introdução. Brasília, DF: Secretaria de Educação Fundamental.

Ministério da Educação (MEC). (2002a). Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: Segundo Segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série - Matemática, Ciências, Arte e Educação Física. Brasília, DF: Secretaria de Educação Fundamental.

Oliveira, M. K. (1999). Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, 12, 59-73.

Pires, C. M. C. (2000). Currículos de matemática: da organização linear à ideia de rede. São Paulo: FTD.

Sant'anna, S. M. L. (2013). Os discursos da burocracia nas perguntas dos professores da educação de jovens e adultos. EJA em Debate, 2(3), 29-40.

Santos, L. L. P. & Paraíso, M. A. (1996). Dicionário Crítico da educação. Currículo. Presença Pedagógica, 2(7), 82-84.

Silva, T. T. (1999). Documentos de identidade - Uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Silva, T. T. (2005). Currículo e Identidade Social: Territórios Contestados. In: Silva, T. T. Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação (5a ed.). Petrópolis: Vozes.

Secretaria Municipal de Educação e Cultura (SMEC) (1996). Projeto político-pedagógico para a educação de jovens e adultos: modalidade: suplência de quinta a oitava séries: rede municipal de Betim: versão preliminar. Betim.

Soares, L. J. G. (2001). As políticas de EJA e as necessidades de aprendizagem dos jovens e adultos. In Ribeiro, V. M. Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas: Mercado de Letras.

Soares, L. J. G. & Soares, R. C. E. S. (2014). O Reconhecimento das Especificidades da Educação de Jovens e Adultos: Constituição e Organização de Propostas de EJA. Archivos Analíticos de Políticas Educativas / Education Policy Analysis Archives, 22(66), 1-25.

Tomaz, V. S. & David, M. M. S. (2008). Interdisciplinaridade e aprendizagem da Matemática em sala de aula. Belo Horizonte: Autêntica.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 Zetetike

Downloads

Não há dados estatísticos.