A aritmética da “Nova escola para ler, escrever e contar”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8653896

Palavras-chave:

Ensino de primeiras letras. Aritmética. Século XVIII. Livros para o ensino.

Resumo

Poucas são as informações sobre o ensino de Matemática no Brasil do século XVIII. O que se sabe é que a prática do “contar” estava incluída nos saberes da escola elementar, nas aulas de primeiras letras existentes no Brasil, e fazia parte do ensino ministrado pelos jesuítas. Mesmo com a expulsão dos jesuítas do império português em 1759, a influência dos religiosos não se desfez por completo e permaneceram aqui obras destinadas ao ensino elementar escritas por clérigos que mantiveram autorização para continuarem em uso. Uma obra de referência é a “Nova escola para ler, escrever e contar”, publicada em 1722 e possivelmente utilizada no Brasil até o século XIX. O objetivo deste texto é trazer alguns apontamentos com base na leitura da obra e sua proposta para o ensino de “contar”. Além disso, busca-se identificar vestígios de utilização da obra no contexto brasileiro, especialmente como referência na aferição da capacidade de professores para a escola de primeiras letras no início do século XIX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia dos Santos Soares, Universidade Federal Fluminense

Bacharel e Licenciada em Matemática (UFRJ), Mestre em Matemática (PUC-Rio) e Doutora em Educação (PUC-Rio). Professora Adjunto da Faculdade de Educação (FEUFF/SSE) na Universidade Federal Fluminense.

Referências

Almada, M. (2013). Os símbolos reais na caligrafia de Manoel Andrade de Figueiredo. Revista Barroco, 20, 137-154.

Almeida, A. A. M. (1994). Aritmética como descrição do real (1519-1679): contributos para a formação da mentalidade moderna em Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

Andrade, M. G. (2000). A educação exilada: Colégio do Caraça. Belo Horizonte: Autêntica.

Arquivo Nacional. Fundo: Vice-reinado – Instrução Pública. Caixa 496, pacote 1.

Azevedo, F. (1976). A transmissão da cultura. São Paulo: Melhoramentos; Brasília, INL.

Azevedo, M. (1892). A instrução pública nos tempos coloniais do Brasil. Revista do IHGB, 55, 141-158.

Banha de Andrade, A. (1978). A Reforma Pombalina dos estudos secundários no Brasil. São Paulo: Saraiva; Edusp.

Cardoso, T. M. R. F. L. (2002). As luzes da Educação: fundamentos, raízes históricas e prática das aulas régias no Rio de Janeiro (1759-1834). Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco.

Carr, E. H. (2002). Que é História? 8. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Carvalho, L. R. (1978). As Reformas Pombalinas da instrução pública. São Paulo: Saraiva; Edusp.

Carvalho, M. S. F. (2004). Discursos preambulares são exórdio de obras poéticas. Anais do I Seminário Brasileiro sobre Livro e História Editorial (pp.1-10). Rio de Janeiro: FCRB, UFF/PPGCOM, UFF/ LIHED, Rio de Janeiro, p.1-10. Retirado em 28 de setembro, 2018, de: http://www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/mariadosocorrocarvalho.pdf

Casimiro, A. P. B. S. (2005). Cartilhas e catecismos usados no Brasil colonial. Revista Educação em Questão, 22(8), 182-205. Disponível em: https://goo.gl/XwcnHF.

Castro, F. M. O. (1999). A Matemática no Brasil. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Correa, C. M. (2016). Com Licença do Desembargo do Paço: Mecanismos de funcionamento da censura no início do século XIX. Anais do 7º Encontro de História da Anpuh-Rio (pp.1-10). Rio de Janeiro: ANPUH. Retirado em 3 de julho, 2018, de https://goo.gl/B6FV8G.

Costa, J. C.; Montagnoli, G. A. & Oliveira, N. C. (2015). Educação luso-brasileira: o Colégio de Santo Antão e as Aulas da Esfera. Interfaces Científicas – Educação, 3(3), 23-33. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/educacao/article/view/1636

Eves, H. (2011). Introdução à história da Matemática. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Delmas, A. C. G. (2009). Elogios impressos: dedicatórias no Brasil de D. João VI. In Neves, L. M. B. P. (Org.). Livros e impressos: retratos dos Setecentos e dos Oitocentos (pp. 269-302). Rio de Janeiro: EdUERJ.

Faria Filho, L. M. & Vidal, D. G. (2000). Os tempos e os espaços escolares no processo de institucionalização da escola primária no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Campinas, 14, 19-34.

Fernandes, R. (1978) O pensamento pedagógico em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa/Ministério da Educação.

Fialho, B. (1942). A Educação Secundária no Brasil. 1500-1900, Brasil Colônia, 1500-1882. Revista do IHGB, tomo Especial, 5.

Figueiredo, M. A. (2010). Nova Escola para aprender a ler, escrever e contar. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional.

Figueiredo, M. A. (1722). Nova Escola para aprender a ler, escrever e contar. Lisboa Occidental: Oficina de Bernardo da Costa de Carvalho. Retirado em 5 de julho, 2018, de http://purl.pt/107.

Franca, L. (1952). O método pedagógico dos jesuítas: o “Ratio Studiorum”: introdução e tradução. Rio de Janeiro: Agir. Retirado em 5 de maio, 2018, de http://www.histedbr.fae.unicamp.br/.

Freire, L. G. L. (2009). Educação jesuítica do século XVI ao XVIII: a memória do espaço e o espaço da memória. Cadernos do CEOM, 22(31), 177-191. Retirado em 28 de junho, 2018, de https://goo.gl/v2hS4N.

Silva, I. F. (1860). Diccionário bibliographico portuguez: estudos de Innocencio Francisco da Silva applicaveis a Portugal e ao Brasil. Tomo V. Lisboa: Imprensa Nacional. Retirado em 30 maio, 2018, de http://www2.senado.leg.br/bdsf/item/id/242735.

Lombardi, J. C. (2004). História e Historiografia da Educação: atentando para as fontes. In Lombardi, J. C.; Nascimento, M. I. M. (Orgs.). Fontes, história e historiografia da Educação (pp. 141-176). Campinas: Autores Associados.

Luciano, F. L. (2007). Memória do livro didático em Santa Catarina: uma discussão dos títulos e seus autores (1836-1889). Anais da VII Jornada do HISTEDBR – História, Sociedade e Educação no Brasil (pp. 1-25). Campo Grande: Uniderp. Retirado em 5 de julho, 2018, de https://goo.gl/gK9PE6.

Moraes, R. B. (2006). Livros e bibliotecas no Brasil Colonial. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos.

Nunes, M. T. (1962). Ensino secundário e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: MEC/Instituto Superior de Estudos Brasileiros.

Paim, A. (Org.). (1982). Pombal e a cultura brasileira. Rio de Janeiro: Fundação Cultural Brasil-Portugal; Tempo Brasileiro.

Palú, P. L. (1978/1979). “Nova Escola para aprender a ler, escrever e contar” (1722). Revista Barroco, 10, 97-106.

Reis, J. (2015). Caligrafar a identidade de um país alicerçada na sua língua de esplendor fonético sonoro. Proceedings of International Conference on Design Research (pp.33-39). Covilhã: Universidade da Beira Interior. Retirado em 23 de maio, 2018, de https://goo.gl/RhjEgL

Ripe, F. C. (2017). “Fez Deos tudo com numero, peso & medida”: sobre práticas educativas em um tratado que ensina aritmética em Portugal do século XVIII. Revista de História e Historiografia da Educação, 1(2), 145-166. Retirado em 3 de maio, 2018, de https://revistas.ufpr.br/rhhe/article/view/50107.

Santos, F. (2014). A Companhia de Jesus e o Concílio de Trento: aspectos pedagógicos da contrarreforma. Revista Tempos e Espaços em Educação, 7(12), 207-217. Retirado em 30 de abril, 2018, de https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/2964.

Saviani, D. (2011). História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2011.

Schwarcz, L. M. & Azevedo, P. C. (2003). O livro dos livros da Real Biblioteca. São Paulo: Fundação Odebrecht.

Silva, C. P. (2003). A Matemática no Brasil: uma história do seu desenvolvimento. 3. ed. São Paulo: Edgard Blücher.

Silva, J. C. A. (2006). A nova escola para ler, escrever e contar e Os apontamentos para a educação de um menino nobre: livros para uso no ensino das primeiras letras nas escolas setecentistas. Anais do 4º Congresso Brasileiro de História da Educação (pp. 1-11). Curitiba: SBHE. Retirado em 17 de março, 2018, de https://goo.gl/DjHeu7.

Simonsen, R. C. (2005). História econômica do Brasil: 1500-1820. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial.

Soares, F. S. (2007). O professor de Matemática no Brasil (1759-1879): aspectos históricos. Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Retirado em 7 de maio, 2018, de https://goo.gl/FhrAzL

Souza, A. W. S. (2007). Escrever e desenhar: uma intersecção no contexto educacional do Brasil setecentista. Proceddings of 7th International Conference on Graphics Engineering for Arts and Design, Anais do 18º Simpósio Nacional de Geometria Descritiva E Desenho Técnico (pp. 1-10). Curitiba: UFPR. Retirado em 01 de julho, 2018, de https://goo.gl/h3GDVk.

Valente, W. R. (1999). Uma história da Matemática escolar no Brasil (1730-1930). São Paulo: Annablume/Fapesp.

Vasconcelos, M. C. C. (2004). A casa e os seus mestres: a educação doméstica como uma prática das elites no Brasil de oitocentos. Tese de Doutorado em Educação. Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Retirado em 20 de agosto, 2018, de https://goo.gl/a3smbB.

Downloads

Publicado

2019-04-15

Como Citar

SOARES, F. dos S. A aritmética da “Nova escola para ler, escrever e contar”. Zetetike, Campinas, SP, v. 27, p. e019008, 2019. DOI: 10.20396/zet.v27i0.8653896. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8653896. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Impressos para o ensino ou textos de referência e História da Educação Matemática: leituras e interpretações