O método intuitivo na Arithmetica Primaria de Trajano

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654072

Palavras-chave:

Aritmetica. Método intuitivo. História da educação matemática.

Resumo

O presente artigo pauta-se em uma pesquisa em torno da conceituação e da disseminação do método intuitivo no Brasil e a sua presença na obra Arithmetica Primaria, de Antônio Bandeira Trajano. Tem um aporte teórico-metodológico da História Cultural, fundamentado por Roger Chartier, André Chervel, Alain Choppin e Dominique Julia, dentre outros autores/pesquisadores. Os dados levantados foram colhidos em livros, recortes de jornais, leis, decretos, dentre outros registros. A análise das fontes revelou “novas” práticas pedagógicas, mudanças de significado para o ensino de número e a introdução de novos conteúdos na Aritmética escolar, à medida que vinha sendo constatada a presença do ensino alicerçado pelo método intuitivo na aritmética primária de Trajano. Observou-se a importância deste livro, e de seu autor, para os desenvolvimentos educacionais vivenciados durante o século XIX e início do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogerio dos Santos Carneiro, Universidade Federal do Tocantins

Doutorando em Educação em Ciências e Matemática, pela Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, Universidade Federal de Mato Grosso. Professor da Licenciatura em Matemática, Universidade Federal do Tocantins.

Lucia Maria Aversa Villela, Grupo Associado de Estudos e Pesquisas Sobre História da Educação Matemática

Doutora em Educação Matemática, pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Pesquisadora do Grupo Associado de Estudos e Pesquisas Sobre História da Educação Matemática.

Referências

Aranha, M. L. A. (1996). História da Educação (2a ed.). São Paulo: Moderna.

Auras, G. M. T. (2005). Uma vez normalista, sempre normalista: a presença do método de ensino intuitivo ou lições de coisas na construção de um habitus pedagógico (escola normal catarinense 1911-1935). Tese de Doutorado em Educação, Universidade Federal do Paraná. Retirado em 18 de junho, 2013, de: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/2984/Tese%20Gladys%20Mary%20Teive%20Auras.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Barbosa, R. (1950). Lições de Coisas. In R. Barbosa, Obras completas (vol.XIII t). Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde.

Bittencourt, C. M. F. (1993). Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. Tese de Doutorado em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Buisson, F. (1897). Conférence sur l’enseignement intuitif. In Conférences pédagogiques faites aux instituteurs delegues à l’Exposition Universelle de 1878. Paris: Librairie Ch. Delagrave.

Cambi, F. (1999). História da pedagogia. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU).

Carneiro, R. S. (2014). O método intuitivo na aritmética de Calkins e Trajano. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática, Universidade Severino Sombra, Vassouras-RJ.

Certeau, M. (2007). A escrita da história (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária (Obra original publicada em 1975).

Chartier, R. (1990). A história cultural: entre práticas e representações (M. M. Galhardo, Trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A. (Obra original publicada em 1988).

Chervel, A. (1990). História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, 2, 177-229. Porto Alegre: Pannonica.

Choppin, A. (2004, set./dez.). História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte (M. A. C. Cappello, Trad.). Anais do XXII Congresso do ISHEE (2000, Alcalá, Espanha), Revista Pedagogia Histórica, 38(1), 21-49, 2002; Educação e pesquisa, 30(3), FEUSP, São Paulo.

Decreto n.° 7.247, de 19 de abril de 1879. (1879). Reforma do ensino primário e secundário no Município da Corte e o superior em todo o Império. Retirado em 12 de maio, 2013, de: http://www2camara.gov.br/legislacao/publicacoes/doimperio.

Julia, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico (G. de Souza, Trad.). Revista Brasileira de História da Educação, 1, 9-43. São Paulo, Campinas: Autores Associados.

Leite, T. R. (1870). Instituto dos Surdos-Mudos: relatório do diretor. Relatório apresentado a Assemblea Geral na Segunda Sessão da Decima Quarta Legislatura pelo Ministro e Secretario dos Negocios do Imperio, Paulino José Soares de Souza. Retirado em 16 de junho, 2014, de: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=720968&pesq=methodo%20intuitivo&pasta=ano%20186.

Matos, A. S. (2004). Os pioneiros presbiterianos do Brasil (1859 – 1900): missionários, pastores e leigos do século 19. São Paulo: Cultura Cristã.

Pinheiro, N. V. L. (2013). Escolas de práticas pedagógicas inovadoras: intuição, escolanovismo e matemática moderna nos primeiros anos escolares. Dissertação de Mestrado em Educação e Saúde na Infância e na Adolescência, Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Guarulhos.

Souza, R. F. (2000). Inovação educacional no século XIX: a construção do currículo da escola primária no Brasil. Cadernos Cedes, ano XX, 51, 9-28.

Trajano, A. B. (n.d.). Arithmetica Primaria (12a ed.). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Valdemarim, V. T. (2004). Estudando Lições de Coisas. Campinas: Autores Associados.

Valente, W. R. (2007). Interrogações metodológicas. Revista Eletrônica de Educação Matemática -REVEMAT, 2(2), 28-49.

Valente, W. R. (2011). A educação matemática e os estudos históricos comparativos: de sua legitimidade à sua viabilidade. Anais do XIII CIAEM-IACME, Recife, Brasil, 2011. Retirado em 20 de janeiro, 2014. de: http://lematec.net/CDS/XIIICIAEM/artigos/MP1-valente.pdf.

Vidal, D. G. (2000). Escola nova e processo educativo. In: E. M. T. Lopes, L. M. Faria Filho & C. G. Veiga, 500 Anos de Educação no Brasil (pp. p. 371-398). Belo Horizonte: Autêntica.

Villela, L. M. A. (2009). “GRUEMA”: uma contribuição para a história da Educação Matemática no Brasil. Tese de Doutorado em Educação Matemática, Universidade Bandeirante de São Paulo, São Paulo.

Villela, L. M. A. (2010). “GRUEMA”: uma contribuição para a história do livro didático e da matemática moderna no Brasil. In X Encontro Nacional de Educação Matemática. Salvador/BA. Retirado em 19 de novembro, 2013. de: http://www.lematec.net/CDS/ENEM10/artigos/CC/T6_CC1875.pdf.

Viñao, A. (2008). História das disciplinas escolares (M. F. Braga, Trad.). Revista Brasileira de História da Educação, 18, 173-215. Retirado em 07 de novembro, 2012, de: http://www.rbhe.sbhe.org.br/index.php/rbhe/article/view/93.

Downloads

Publicado

2019-04-15

Como Citar

CARNEIRO, R. dos S.; VILLELA, L. M. A. O método intuitivo na Arithmetica Primaria de Trajano. Zetetike, Campinas, SP, v. 27, p. e019010, 2019. DOI: 10.20396/zet.v27i0.8654072. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8654072. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Impressos para o ensino ou textos de referência e História da Educação Matemática: leituras e interpretações