Radioaulas do Projeto Minerva

produção de leituras

Palavras-chave: Projeto Minerva, Ludwig Wittgenstein, Radioaula.

Resumo

Neste texto, abordam-se possíveis leituras produzidas a partir dos materiais que compunham as radioaulas do Projeto Minerva e seus documentos de base (material bruto, texto bruto, fascículo, script e áudio). Estas leituras tiveram origem no processo de doutoramento do pesquisador e permanecem ativas, em movimento. Naquela ocasião flertou-se com a Hermenêutica de Profundidade como possibilidade de guiar o olhar neste caminho, por aproximação com outros trabalhos desenvolvidos no Grupo de Pesquisa (GHOEM), e com a Filosofia de Linguagem de Wittgenstein, por já ter ocorrido um trabalho com ela durante o mestrado e por ela se alinhar com os posicionamentos epistemológicos do autor. Relatam-se aqui, mesmo que de forma pontual, alguns elementos dessa discussão entre possíveis referenciais teóricos e suas implicações para a pesquisa e para os modos de se procederem análises (leituras) de impressos para o ensino. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Pedro Pinto, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professor da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Professor em Educação Matemática do INMA. Doutor em Educação para a Ciência UNESP.

Referências

Albuquerque Júnior, D. M. de. (2007). História: a arte de inventar o passado. Bauru, SP: Edusc.

Andrade, M. M. (2012). Ensaios sobre o ensino em geral e o de Matemática em particular, De Lacroix: análise de uma forma simbólica à luz do referencial metodológico da Hermenêutica de Profundidade. Universidade Estadual Paulista “Júlio De Mesquita Filho”, Rio Claro.

Bulhões, P. N. S. (n.d.). O estudo individualizado: uma experiência com o Método Keller em Cursos de Graduação na UFRN. Retirado em 11de abril, 2019, de https://docplayer.com.br/6720979-O-estudo-individualizado-uma-experiencia-com-o-metodo-keller-em-cursos-de-graduacao-na-ufrn.html.

Garnica, A. V. M., & Pinto, T. P. (2010). Considerações sobre a linguagem e seus usos na sala de aula de Matemática. Zetetiké, 18, 207-244.

Garnica, A. V. M., & Salandim, M. E. M. (2016). Livros, leis, leituras e leitores: exercícios de interpretação para a história da educação matemática. Curitiba: Appris.

Hebeche, L.(2003). “Não pense, peja!” Sobre a noção de semelhanças de família em Wittgenstein. Veritas, 48, 31-58, 2003.

Leobons, S. (2009). Entrevista à SOARMEC, realizada por Renato Rocha e Adriana Ribeiro, para o informativo “Amigo Ouvinte”. Retirado em 30 de maio, 2012, de http://www.soarmec.com.br/solangeleobons.htm.

Lima, A., & Oliveira, I. (2002). Entrevista à SOARMEC, realizada por Renato Rocha e Adriana Ribeiro para o informativo “Amigo Ouvinte”. Retirado em 26 de junho, 2012, de http://www.soarmec.com.br/allanyeda.htm.

Lins, R. C. (1999). Por que discutir teoria do conhecimento é relevante para a Educação Matemática. In M. A. V. Bicudo, Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas (pp. 75-94). São Paulo: Editora UNESP, 1999.

Malerba, J. (2006). Teoria e história da historiografia. In A Escrita da História: teoria e história da historiografia (p. 11- 27) São Paulo: Contexto.

Matos, J. S. (2010). Tendências e debates: da Escola dos Annales à História Nova. Historiae, 1(1), 113-130.

Miguel, A. (2016). Historiografia e terapia na cidade da linguagem de Wittgenstein. Bolema, 30(55), 368-389.

Moreira, P. G. dos S. (2018). Jogos de linguagem e geometria euclidiana plana: um olhar terapêutico wittgensteiniano para dois manuais didáticos usados em cursos de licenciatura em Matemática. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande (MS).

Oliveira, F. D. de. (2008). Análise de textos didáticos: três estudos. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista.

Parada, M. (2000). Rádio: 24 horas de jornalismo. São Paulo: Panda.

Pinto, T. P. (2009). Linguagem e Educação Matemática: um mapeamento de usos na sala de aula. Universidade Estadual Paulista, [s. l.], 2009. Retirado em 30 de novembro, 2018, de https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/91078/pinto_tp_me_rcla.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Pinto, T. P. (2013a). Da Matemática falada, do resgate de fontes, da potencialidade de compreender a partir de múltiplos focos: um ensaio sobre a produção de radioaulas no Projeto Minerva. In T. P. Pinto, Projetos Minerva: caixa de jogos caleidoscópica (Tese de Doutorado), Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista.

Pinto, T. P. (2013b). Projetos Minerva: caixa de jogos caleidoscópica. Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista.

Pinto, T. P. (2015). Produção de histórias na Educação Matemática: um exercício com os Projetos Minerva mobilizando texto ficcional e fotografias compósitas. Perspectivas da Educação Matemática, 8(n. temático), 862-881.Retirado em 30 de novembro, 2018), de http://seer.ufms.br/index.php/pedmat/article/viewFile/916/985

Pinto, T. P., & Garnica, A. V. M. (2014). O Rádio e as Matemáticas: um estudo sobre o Projeto Minerva Rádio. Perspectivas Da Educação Matemática, 7(13), 29.

Rocha, R. (2005). Entrevista à SOARMEC. Retirado em 26 de junho, 2012, de http://www.soarmec.com.br/allanyeda.htm.

Valente, W. R. (2007). História da Educação Matemática: interrogações metodológicas. REVEMAT. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 2(1), 28-49. Retirado em 30 de outubro, 2018, de https://periodicos.ufsc.br/index.php/revemat/article/view/12990/12091

Vigil, J. I. L.(2004). Manual urgente para radialistas apaixonados. São Paulo: Paulinas.

Wittgenstein, L. (2009a). Anotações sobre as cores. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

Wittgenstein, L. (2009b). Investigações filosóficas. Petrópolis: Vozes.

Publicado
2019-04-23
Como Citar
Pinto, T. P. (2019). Radioaulas do Projeto Minerva. Zetetike, 27, e019014. https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654281
Seção
Dossiê - Impressos para o ensino ou textos de referência e História da Educação Matemática: leituras e interpretações