À elite, uma terceira natureza de números na Coleção Matemática 2º Ciclo

Palavras-chave: História da educação matemática. Números complexos. Livro didático. Hermenêutica de profundidade.

Resumo

Na linha de pesquisa do Grupo História Oral e Educação Matemática, que investiga livros didáticos escolares de Matemática como formas simbólicas, este artigo examina a abordagem dos números complexos na coleção “Matemática 2.º ciclo”, bem como as transformações e as adaptações nessa abordagem, ao longo de cinco edições publicadas entre 1944 e 1956. Dentre os resultados discutidos, destaca-se que a obra foi produzida em uma época em que o ensino secundário era um ramo do ensino quase exclusivamente voltado para as elites do País e sua abordagem aos números complexos está atrelada a um processo de reconceitualização da noção de número, a partir do estudo das soluções de equações do terceiro grau, ocorrida na Matemática no início do século XIX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa da Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Departamento de Educação Matemática - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Unesp, Campus de Rio Claro.
Camila Libanori Bernardino, Universidade Estadual Paulista
Mestre em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista.

Referências

Adão, H. P. [199-]. Professor Haroldo e a Cooperativa. In C. Dacorso Netto, Professor Haroldo Lisboa da Cunha: pequena biografia. Rio de Janeiro: COOPFAHUPE.

Andrade, M. M. (2012). Ensaios sobre o ensino em geral e o de matemática em particular, de Lacroix: análise de uma forma simbólica à luz do referencial metodológico da Hermenêutica de Profundidade. Tese de Doutorado em Educação Matemática. Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Andrade, M. M., & Oliveira, F. D. (2014). Referencial metodológico da Hermenêutica de Profundidade na Educação Matemática: reflexões teóricas. In A. V. M. Garnica, & M. E. Martins-Salandim. (Orgs.), Livros, leis, leituras e leitores: exercícios de interpretação para a história da Educação Matemática (pp. 17-42). Curitiba: Appris.

Araújo, N. B. F. (2006). Números complexos: uma proposta de mudança metodológica para uma aprendizagem significativa no ensino médio. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências Naturais e Matemática. Natal: Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Bernardino, C. L. (2016). Números complexos: um estudo histórico sobre sua abordagem na coleção Matemática 2o Ciclo. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Brasil. (2007). Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília (DF).

Chervel, A. (1990). A história das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, (2), 177-229.

Dacorso Netto, C. [199-]. Professor Haroldo Lisboa da Cunha: pequena biografia. Rio de Janeiro: COOPFAHUPE.

Dacorso Netto, C. (2013). Professor Haroldo Lisbôa da Cunha: pequena biografia. Temas e Conexões, 1(1).

Dassie, B. A. (2001). A Matemática do curso secundário na Reforma Gustavo Capanema. Dissertação de Mestrado, Departamento de Matemática, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro.

Eves, H. (2005). Introdução à história da matemática. Trad. Hygino H. Domingues. Campinas: Unicamp, 844p.

Fausto, B. (2001). História do Brasil. 9. ed. São Paulo: EDUSP: FDE.

Gasparello, A. M. (2006). Traduções, apostilas e livros didáticos: ofícios e saberes na construção das disciplinas escolares. In Anais do 12.º Encontro Regional de História (pp.1-10). Rio de Janeiro: Anpuh Rio.

Gasparelo, A M., & Villela, H. (2006). O Colégio Pedro II e a construção da escola secundária brasileira. In C. Nunes, & N. P. Sá (Orgs.). Instituições educativas na Sociedade Disciplinar Brasileira (pp. 37-59). Cuiabá: EdUFMT.

Genette, G. (2009). Paratextos editoriais. Cotia: Ateliê Editorial.

Ghiraldelli J. P. (1991). História da Educação. São Paulo: Cortez.

Marques, A. S. (2005). Tempos pré-modernos: a matemática nas escolas dos anos 1950. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Miguel, A., & Miorim, M. A. (2004). História na Educação Matemática: propostas e desafios. Belo Horizonte: Autêntica.

Oliveira, F. D. (2008). Análise de textos didáticos: três estudos. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática. Rio Claro: Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista.

Prado, R. C. (2003). Do engenheiro ao licenciando: os cursos à cátedra do Colégio Pedro II e as modificações do saber do professor de Matemática do Ensino Secundário. Dissertação de Mestrado em Educação Matemática, São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Romanelli, O. O. (2014). História da Educação no Brasil (40a ed.). Petrópolis: Vozes.

Roque, T. (2012). História da Matemática – uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. Rio de Janeiro: Zahar.

Roxo, E., Cunha, H. L. da, Peixoto, R., & Dacorso Netto, Netto, C. D. (1944a). Matemática 2.º ciclo – 1ª série. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Roxo, E., Cunha, H. L. da, Peixoto, R., & Dacorso Netto, Netto, C. D. (1944b). Matemática 2.º ciclo – 3.ª série. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Roxo, E., Cunha, H. L. da, Peixoto, R., & Dacorso Netto, Netto, C. D. (1946). Matemática 2.º ciclo – 3.ª série (2a ed.). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Roxo, E., Cunha, H. L. da, Peixoto, R., & Dacorso Netto, Netto, C. D. (1949). Matemática 2.º – 3.ª série. (3a ed.). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Roxo, E., Cunha, H. L. da, Peixoto, R., & Dacorso Netto, C. D. (1955). Matemática 2.º ciclo – 3.ª série (4a ed.). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Roxo, E., Cunha, H. L. da. Peixoto, R., & Dacorso Netto, C. D. (1956). Matemática 2.º ciclo – 3.ª série. (5a ed.). Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves.

Silva, M. I. A. de A. M. (2005). Os números imaginários: (um estudo sobre) a sua “realidade”. Dissertação de mestrado em Matemática. Portugal: Departamento de Matemática, Universidade do Minho. Retirado em 13 de maio, 2015, de https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/3464/1/escrita%20da%20tese.pdf.

Thompson, J. B. (1995). Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes.

Publicado
2019-04-26
Como Citar
Silva, H. da, & Bernardino, C. L. (2019). À elite, uma terceira natureza de números na Coleção Matemática 2º Ciclo. Zetetike, 27, e019017. https://doi.org/10.20396/zet.v27i0.8654316
Seção
Dossiê - Impressos para o ensino ou textos de referência e História da Educação Matemática: leituras e interpretações