Banner Portal
Raciocínio covariacional em cálculo
PORTUGUÊS
INGLÊS

Palavras-chave

Ensino de matemática
Tarefas matemáticas
Raciocínio covariacional
Ensino de cálculo diferencial e integral

Como Citar

GONÇALVES, William José; TREVISAN, André Luis; SILVA, Daniel Daré Luziano da; RIBEIRO, Alessandro Jacques. Raciocínio covariacional em cálculo: desenvolvimento a partir de tarefas. Zetetike, Campinas, SP, v. 28, p. e020026, 2020. DOI: 10.20396/zet.v28i0.8656038. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8656038. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

Visto que analisar de forma coordenada as variações de duas grandezas interdependentes (raciocínio covariacional – RC) é um aspecto central da aprendizagem do Cálculo Diferencial e Integral, discutimos habilidades do RC mobilizadas durante discussões matemáticas desencadeadas pelo trabalho com tarefas. Realizamos uma investigação qualitativa, de cunho interpretativo, a partir de recortes da produção escrita e trechos de diálogos de um grupo de estudantes de Engenharia que cursaram essa disciplina, no trabalho com uma tarefa envolvendo uma garrafa que enche. A tarefa possibilitou a exploração de habilidades como: constituir quantidades e raciocinar sobre seu processo de medição; imaginar quantidades variando continuamente; coordenar pares de quantidades que variam juntas (tempo, altura, volume e raio). Além disso, os estudantes foram capazes de estabelecer uma relação entre a altura e o volume, construindo uma representação na qual a inversão na concavidade do gráfico mostrou compreensão da existência de uma mudança na taxa de variação nessa situação.

https://doi.org/10.20396/zet.v28i0.8656038
PORTUGUÊS
INGLÊS

Referências

Barufi, M. C. B. (2012). A construção/negociação de significados no curso universitário inicial de Cálculo Diferencial e Integral. Tese de Doutorado em Educação. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Brockman, J. B. (2010). Introdução à engenharia: modelagem e solução de problemas. Rio de Janeiro, RJ: LTC.

Carlson, M., Jacobs, S., Coe, E., Larsen, S., & Hsu, E. (2002). Applying covariational reasoning while modeling dynamic events: a framework and a study. Journal for Research in Mathematics Education, 33 (5), 352-378.

Confrey, J., & Smith, E. (1994). Exponential functions, rates of change, and the multiplicative unit. Educational Studies in Mathematics, 26, 135–164.

Confrey, J., & Smith, E. (1995). Splitting, covariation and their role in the development of exponential function. Journal for Research in Mathematics Education, 26, 66–86.

Couto, A. F., & Trevisan, A. L. (2017). Cálculo interativo: um ambiente virtual de suporte às aulas de cálculo diferencial e integral. Hipátia, 2(1), 16-25.

Couto, A. F., Fonseca, M. O. S., & Trevisan, A. L. (2017). Aulas de cálculo diferencial e integral, organizadas a partir de episódios de resolução de tarefas: um convite à insubordinação criativa. REnCiMa, 8(4), 50-61.

Frank, K. M. (2017). Examining the Development of Students’ Covariational Reasoning in the Context of Graphing. Dissertation of Doctor of Philosophy. Tucson: Arizona State University.

Gil, A. C. (2010). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, W. J. (2018). Raciocínio covariacional em aulas de Cálculo Diferencial e Integral: possibilidades de desenvolvimento a partir do uso de tarefas. Dissertação de Mestrado Profissional em Ensino de Matemática. Londrina: Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Mestre, C. M. M. V. (2014). O desenvolvimento do pensamento algébrico de alunos do 4.º ano de escolaridade: uma experiência de ensino. Tese de Doutorado em Educação. Lisboa: Universidade de Lisboa.

National Academy of Engineering (NAE). (2005). Educating the Engineer of 2020: Adapting Engineering Education to a new Century. Washington, DC: National Academies Press.

Mkhatshwa, T. P. (2019). Calculus students’ quantitative reasoning in the context of solving related rates of change problems. Mathematical Thinking and Learning, 22 (2), 139-161.

Ponte, J. P. (2005). Gestão curricular em Matemática. In: GTI (Ed.), O professor e o desenvolvimento curricular. Lisboa: APM.

Ponte, J. P. (2014). Tarefas no ensino e na aprendizagem da Matemática. J. P. PONTE (Org.), Práticas Profissionais dos Professores de Matemática (pp. 13-27). Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa.

Ponte, J. P. (2017). Discussões coletivas no ensino aprendizagem em Matemática. In: GTI (Ed.), A prática dos professores: planificação e discussão coletiva na sala de aula (pp. 33-56). Lisboa: APM.

Powell, A. B., Francisco, J. M., & Maher, C. A. (2004). Uma abordagem à análise de dados de vídeo para investigar o desenvolvimento de ideias e raciocínios matemáticos de estudantes. Bolema, 17(21), 81-140.

Rodrigues, C.; Menezes, L., & Ponte, J. P. (2018). Práticas de Discussão em Sala de Aula de Matemática: os casos de dois professores. Bolema, 12 (61), 398-418.

Saldanha, L., & Thompson, P. W. (1998). Re-thinking co-variation from a quantitative perspective: Simultaneous continuous variation. In: S. B. Berensah & W. N. Coulombe. (Eds.), Proceedings of the Annual Meeting of the Psychology of Mathematics Education. Raleigh, NC: North Carolina State University.

Speer, N., & Kung, D. (2016). The complement of RUME: What’s missing from our research? In T. Fukawa-Connelly, N. Infante, M. Wawro & S. Brown (Eds.), Proceedings of the 19th Meeting of the MAA Special Interest Group on Research in Undergraduate Mathematics Education (pp. 1288–1295). Pittsburgh: Pensylvania.

Stein, M.H., & Smith, M.S. (2009). Tarefas matemáticas como quadro para reflexão. Educação e Matemática, 105, 22-28.

Stein, M. K., Engle, R. A., Smith, M. S., & Hughes, E. K. (2008). Orchestrating productive mathematical discussions: five practices for helping teachers move beyond show and tell. Mathematical Thinking and Learning, 10(4), 313-340

Thompson, P. W. (1990). A theoretical model of quantity-based reasoning in arithmetic and algebraic. Center for Research in Mathematics & Science Education: San Diego State University.

Thompson, P. W., & Thompson, A. G. (1992). Images of rate. Paper presented at the Annual Meeting of the American Educational Research Association, San Francisco, CA.

Thompson, P. W. (1994). Students, functions, and the undergraduate mathematics curriculum. In: E. Dubinski, A. H. Schoenfeld & J.J. Kaput (Eds.), Research in collegiate mathematics education I (pp. 21-44). Providence: American Mathematical Society.

Thompson, P. W. (2011). Quantitative reasoning and mathematical modeling. In: L. L. Hatfield, S. Chamberlain & S. Belbase (Eds.), New perspectives and directions for collaborative research in Mathematics Education. (pp. 33-57). Laramie, WY: University of Wyoming Press.

Thompson, P. W., & Carlson, M. P. (2017). Variation, covariation, and functions: Foundational ways of thinking mathematically. In J. Cai (Ed.), Compendium for research in mathematics education (pp.421-456). Reston, VA: National Council of Teachers of Mathematics.

Trevisan, A. L., & Mendes, M. T. (2013). Possibilidades para matematizar em aulas de Cálculo. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 6, 129-138.

Trevisan, A. L., & Mendes, M. T. (2017). Integral antes de derivada? Derivada antes de integral? Limite, no final? Uma proposta para organizar um curso de Cálculo. Educação Matemática Pesquisa, 19(3), 353-373.

Trevisan, A. L., & Mendes, M. T. (2018). Ambientes de ensino e aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral organizados a partir de episódios de resolução de tarefas: uma proposta. Revista Brasileira de Ensino e Tecnologia, 11(1), 209-227.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Zetetike

Downloads

Não há dados estatísticos.